Na­da mi­se­rá­vel

RI­CO Ven­ce­dor do Glo­bo de Ou­ro e com oi­to in­di­ca­ções ao Os­car, “Os Mi­se­rá­veis” traz du­e­lo de in­ter­pre­ta­ções de Jack­man e Crowe

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Za­nin Oric­chio

Con­ti­nua en­tran­do a sa­fra Os­car e ago­ra che­gam “Os Mi­se­rá­veis”. O mu­si­cal, adap­ta­do da pe­ça e do li­vro de Vic­tor Hu­go, di­ri­gi­do por Tom Ho­o­per, é ven­ce­dor do Glo­bo de Ou­ro de me­lhor co­mé­dia ou mu­si­cal, di­vi­são que não exis­te na Aca­de­mia de Hollywood. Em to­do ca­so, en­tra com oi­to in­di­ca­ções e seu ca­ci­fe é bom. Tal­vez não pa­ra ga­nhar os prê­mi­os prin­ci­pais, mas al­guns dos se­cun­dá­ri­os.

E o fil­me em si? Bem, é um mu­si­cal pu­ro. Is­to é, to­dos os diá­lo­gos são can­ta­dos, com uma ou ou­tra ra­rís­si­ma ex­ce­ção. Há gen­te que não to­le­ra is­so. Tan­to as­sim que não ve­mos os car­ta­zes apre­go­ar que se tra­ta de um mu­si­cal. Co­mo se fos­se al­go a ser es­con­di­do. To­li­ce, há gran­des mu­si­cais, o mai­or de to­dos, “Can­tan­do na Chu­va” (Stan­ley Do­nen/Ge­ne Kelly).

Mas, en­fim, qu­em for ver (e ou­vir) o fil­me de­ve­rá ir com o es­pí­ri­to de qu­em vai a uma ópe­ra. Is­to im­pli­ca, en­tre ou­tras coi­sas, aban­do­nar a co­bran­ça do re­a­lis­mo, uma das re­fe­rên­ci­as mais au­to­má­ti­cas do ci­ne­ma, em es­pe­ci­al o ci­ne­ma co­mer­ci­al. De qual­quer for­ma, “Os Mi­se­rá­veis”, nos pal­cos, é o mu­si­cal mais vis­to do mun­do. Fun­ci­o­na­rá na te­la? É con­fe­rir.

O jei­to é aban­do­nar-se à mú­si­ca, ao vi­su­al, que tem al­gu­mas sequên­ci­as mag­ní­fi­cas, e à emo­ção de uma das mais to­can­tes his­tó­ri­as já es­cri­tas. Qual é es­sa his­tó­ria? A de Je­an Val­je­an (Hugh Jack­man), pre­so por rou­bar um pão e con­du­zi­do às ga­lés. Ao sair do cár­ce­re, Val­je­an é ho­mem em­bru­te­ci­do, mas sua alma, di­ga­mos as­sim, se­rá li­ber­ta­da por um sa­cer­do­te de bom co­ra­ção. Val­je­an de­ci­de mu­dar de vi­da e de no­me. Mas um po­li­ci­al, Ja­vert (Rus­sell Crowe), não lhe dá sos­se­go e o persegue on­de quer que vá. Es­se no­me, Ja­vert, fi­cou co­mo uma es­pé­cie de lo­go­ti­po dos per­se­gui­do­res im­pla­cá­veis, ce­ga­men­te obe­di- en­tes à lei, mes­mo que in­jus­ta, sem qual­quer ou­tro ti­po de con­si­de­ra­ção hu­ma­na. O du­e­lo de in­ter­pre­ta­ções de Jack­man e Crowe é ca­pí­tu­lo à par­te.

A ação se dá na Fran­ça oi­to­cen­tis­ta, ten­do co­mo pa­no de fun­do a der­ro­ta de Na­po­leão em Wa­ter­loo e a re­vol­ta po­pu­lar de 1832. Na mag­ní­fi­ca edi­ção do ro­man­ce, da Co­sac Naify (tex­to in­te­gral, ilus­tra­do), há um pre­fá­cio es­cla­re­ce­dor do fi­ló­so­fo Renato Ja­ni­ne Ri­bei­ro. O ro­man­ce de Hu­go é um mar­co da­qui­lo que po­de­ría­mos cha­mar de “per­cep­ção da po­bre­za”. Em épo­cas an­te­ri­o­res, a po­bre­za se­ria en­xer­ga­da, mas não vis­ta, por­que pa­re­cia tão par­te da or­dem na­tu­ral das coi­sas que se tor­na­va vir­tu­al­men­te in­vi­sí­vel.

O olhar do men­di­go

Mas, a par­tir de cer­to mo­men­to his­tó­ri­co, es­sa in­vi­si­bi­li­da­de não re­sis­te à evi­dên­cia dos fa­tos. Ja­ni­ne con­ta que o pró­prio Hu­go, em sua tra­je­tó­ria, par­ti­ci­pa­ra des­sa ce­guei­ra. Até o mo­men­to em que fi­nal­men­te abre os olhos. Es­se mo­men­to é pre­ci­so. Nu­ma rua de Pa­ris, Hu­go no­ta o olhar de ódio de um men­di­go, di­ri­gi­do ao fi­gu­rão que em­bar­ca­va em sua car­ru­a­gem de lu­xo. Per­ce­beu que ali ha­via al­gu­ma coi­sa ex­tra­or­di­ná­ria. Lu­ta de clas­ses, po­de­ria di­zer, ca­so usas­se o vo­ca­bu­lá­rio de seu contemporâneo Karl Marx. Hu­go era um po­e­ta, ar­tis­ta, não um fi­ló­so­fo re­vo­lu­ci­o­ná- rio. Sen­tiu que os uni­ver­sos dos po­bres e dos ri­cos se afron­ta­vam e pa­ra es­se la­do di­ri­giu sua obra. Marx, diz-se, acha­va a re­vol­ta de Hu­go con­tra a in­jus­ti­ça ro­mân­ti­ca e al­go in­gê­nua. Po­de ser, aos olhos do re­vo­lu­ci­o­ná­rio, pre­o­cu­pa­do em sa­ber co­mo a re­vol­ta to­ma­rá a for­ma efe­ti­va de trans­for­ma­ção do mun­do.

A imen­sa des­pro­por­ção en­tre o cri­me e o cas­ti­go de Val­je­an, a ce­ga per­se­gui­ção de Ja­vert, o mar­tí­rio de Fan­ti­ne (An­ne Hathaway) jo­ga­da na pros­ti­tui­ção, o des­ti­no in­cer­to de Cosette (Aman­da Sey­fri­ed) - tudo is­so é tão gri­tan­te que pa­re­ce pe­dir o re­gis­tro ope­rís­ti­co. Não es­pan­ta, tal­vez, que “Os Mi­se­rá­veis” te­nha en­con­tra­do no mu­si­cal a sua for­ma con­tem­po­râ­nea mais ade­qua­da, aque­la atra­vés da qual con­se­gue se co­mu­ni­car com um pú­bli­co frio em re­la­ção aos seus te­mas prin­ci­pais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.