Di­le­ma

Me­lhor fil­me de Ro­bert Ze­mec­kis em anos, “O Voo” mos­tra di­le­ma de pi­lo­to que tem que se re­cons­truir in­ter­na­men­te após aci­den­te po­lê­mi­co

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Car­los Mer­ten

Den­zel Washing­ton diz que viu mui­tos ví­de­os no YouTu­be so­bre al­coó­li­cos pa­ra com­por o per­so­na­gem de “O Voo”. Ele acres­cen­ta que o di­re­tor Ro­bert Ze­mec­kis ti­nha uma con­cep­ção mui­to pre­ci­sa do per­so­na­gem, e do fil­me co­mo um to­do, mas que eles não con­ver­sa­vam mui­to, por­que um ator de­ve atu­ar e ex­ces­so de con­ver­sa po­de pa­ra­li­sá-lo em ce­na. O fil­me é bom, o me­lhor de Ze­mec­kis em anos. A in­ter­pre­ta­ção de Den­zel é po­de­ro­sa – a sua me­lhor, tam­bém, des­de o Os­car que re­ce­beu por “Dia de Trei­na­men­to”, de Antoine Fu­qua, em 2001, sem que is­so sig­ni­fi­que que ele não te­nha es­ta­do bem em pra­ti­ca­men­te to­dos os fil­mes que fez na úl­ti­ma dé­ca­da.

O fil­me re­fe­re-se a um voo par­ti­cu­lar, mas na ver­da­de é so­bre es­se voo que o pi­lo­to pre­ci­sa ten­tar pa­ra re­as­su­mir o con­tro­le da pró­pria vi­da. Co­mo pi­lo­to, Whip/Den­zel é um he­rói. Ar­ris­ca uma ma­no­bra pe­ri­go­sa que der­ru­ba to­dos os de­mais pi­lo­tos nos si­mu­la­do­res de voo e con­se­gue ater­ris­sar um avião que se des­man­cha. Whip sal­va de­ze­nas de vi­das, mas al­gu­mas se per­dem e o aci­den­te vi­ra ob­je­to de uma in­ves­ti­ga­ção fe­de­ral – que des­co­bre que ele po­de­ria es­tar, co­mo efe­ti­va­men­te es­ta­va, bê­ba­do e dro­ga­do na­que­la ma­nhã.

Na­que­la e em to­das as ou­tras de sua vi­da des­tro­ça­da. Mon­ta­se o cir­co pa­ra li­vrar a ca­ra de Whip – e a do sin­di­ca­to, a da com­pa­nhia aé­rea. Só que, pa­ra se sa­far, ele pre­ci­sa jo­gar a cul­pa em al­guém, quan­do fi­ca pro­va­do que um dos tri­pu­lan­tes con­su­miu ál­co­ol den­tro do avião. É o di­le­ma de Whip, é o que fa­rá to­da a di­fe­ren­ça em “O Voo”. A se­gun­da chan­ce vem por meio de com­pro­me­ti­men­to, de res­pon­sa­bi­li­da­de e ex­pi­a­ção da cul­pa. O juiz diz que ele frau­dou a con­fi­an­ça do pú­bli­co, mas, na ver­da­de, “O Voo” con­ta a his­tó­ria da tra­je­tó­ria de um ho­mem que se re­en­con­tra con­si­go mes­mo. O re­en­con­tro in­te­ri­or pas­sa pe­la tu­mul­tu­a­da re­la­ção com o fi­lho, e a ex-mu­lher.

Co­mo um ho­mem se re­cons­trói in­ter­na­men­te? Co­mo um di­re­tor se re­en­con­tra con­si­go mes­mo, após tan­tas ex­pe­ri­ên­ci­as equi­vo­ca­das? Er­rar é hu­ma­no, na ar­te co­mo na vi­da. Re­to­mar o ca­mi­nho é mais di­fí­cil, mas gra- ti­fi­can­te. A dra­ma­tur­gia é tra­di­ci­o­nal, mas é tudo con­sis­ten­te e o elen­co de co­ad­ju­van­tes con­tri­bui pa­ra a for­ca do re­la­to, com di­rei­to a dez mi­nu­tos ines­que­cí­veis de Me­lis­sa Leo. Só pa­ra efei­to de com­pa­ra­ção, hou­ve ou­tro fil­me so­bre um ho­mem que so­freu um aci­den­te aé­reo. Em “Me­do de Vi­ver”, de Pe­ter Weir, Jeff Brid­ges ini­cia uma vi­a­gem lou­ca. Pen­sa que é in­des­tru­tí­vel, sen­te-se o pró­prio Deus e o di­re­tor, ros­sel­li­ni­a­na­men­te, dis­cu­te a re­la­ção en­tre o hu­ma­no e o di­vi­no. A via de “O Voo” é di­fe­ren­te, mas não to­tal­men­te.

Na reu­nião dos al­coó­li­cos anônimos, quan­do as pes­so­as as­su­mem su­as mi­sé­ri­as, Whip não quer ser com­pa­ra­do a elas. Ele, não. Pre­ci­sa des­cer ao fun­do do po­ço, pre­ci­sa se acei­tar pa­ra, en­tão, vo­ar.

Divulgação

Den­zel Washing­ton em “O Voo”: me­lhor atu­a­ção des­de “O Dia de Trei­na­men­to”, que lhe ren­deu Os­car

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.