Glo­bo Fil­mes ‘faz mal à cul­tu­ra’

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Folhapress

re­da­cao@odi­a­rio.com O di­re­tor per­nam­bu­ca­no Kle­ber Mendonça Fi­lho, de “O Som ao Re­dor”, dis­se que o sis­te­ma Glo­bo Fil­mes “faz mal à ideia de cul­tu­ra no Bra­sil, atro­fia o con­cei­to de di­ver­si­da­de no ci­ne­ma bra­si­lei­ro e ades­tra um pú­bli­co ca­da vez mais do­pa­do pa­ra re­a­gir a um ci­ne­ma ins­ti­tu­ci­o­na­le­mor­to”.

A de­cla­ra­ção foi da­da nu­ma car­ta aber­ta em res­pos­ta ao di­re­tor-exe­cu­ti­vo da Glo­bo Fil­mes, Cadu Rodrigues, que “de­sa­fi­ou” Mendonça a fa­zer um fil­me de su­ces­so co­mer­ci­al. O em­ba­te co­me­çou com a de­cla­ra­ção do per­nam­bu­ca­no à Fo­lha de S.Pau­lo, pu­bli­ca­da no do­min­go de que se o vi­zi­nho “lan­çar o ví­deo do chur­ras­co de­le no es­que­ma da Glo­bo Fil­mes, fa­rá 200 mil es­pec­ta­do­res no pri­mei­ro fi­nal de se­ma­na”.

“De­sa­fio o ci­ne­as­ta Kle­ber Mendonça Fi­lho a pro­du­zir e di­ri­gir um fil­me e fa­zer 200 mil es­pec­ta­do­res com to­do o apoio da Glo­bo Fil­mes! Se fi­zer, na­da do nos­so tra­ba­lho se­rá co­bra­do do fil­me de­le. Se não fi­zer os 200 mil, as­su­me pu­bli­ca­men­te que, co­mo di­re­tor, ele tal­vez se­ja um bom crí­ti­co”, res­pon­deu Cadu Rodrigues, di­re­tor-exe­cu­ti­vo da Glo­bo Fil­mes, em uma lis­ta de emails de ci­ne­as­tas, ho­je.

Leia abai­xo a ín­te­gra da tré­pli­ca de Mendonça, pu­bli­ca­da na pá­gi­na­doFa­ce­bo­ok­de­di­ca­da­a­o­fil­me:

“Es­ta­va em trân­si­to o dia in­tei­ro, che­guei em Is­tam­bul on­de “O Som ao Re­dor” se­rá exi­bi­do nos pró­xi­mos di­as. O Fa­ce­bo­ok e a im­pren­sa fer­vi­lham com nos­so em­ba­te.

Pre­ci­so lhe agra­de­cer pe­lo de­sa­fio, mas sua pro­pos­ta as­so­cia a não ob­ten­ção de uma me­ta co­mer­ci­al (200 mil es­pec­ta­do­res) co­mo pro­va ir­re­fu­tá­vel de que eu não se­ria um ci­ne­as­ta.

Is­so­não­me­pa­re­ce­cor­re­to, pois o va­lor de um fil­me, ou de um ar­tis­ta, não de­ve­ria re­si­dir úni­ca e ex­clu­si­va­men­te nos nú­me­ro$. So­bre ser crí­ti­co ou ci­ne­as­ta, atu­ei co­mo am­bos e meu dis­cur­so per­ma­ne­ce o mes­mo, e sem­pre foi co­lo­ca­do pu­bli­ca­men­te, e não ape­nas em me­sas de bar: o sis­te­ma Glo­bo Fil­mes faz mal à ideia de cul­tu­ra­noB­ra­sil, atro­fi­a­o­con­cei­to­de di­ver­si­da­de no ci­ne­ma bra­si­lei­ro e ades­tra um pú­bli­co ca­da vez mais do­pa­do pa­ra re­a­gir a um ci­ne­ma ins­ti­tu­ci­o­na­le­mor­to.

De­vol­vo eu um ou­tro de­sa­fio: Que a Glo­bo Fil­mes, com to­do o seu al­can­ce e poder de comunicação, com a com­pe­tên­cia dos que a fa­zem, in­vis­ta em pe­lo me­nos três pro­je­tos­po­ra­no­que­te­nha­ma­pre­ten­são de ir além, pro­je­tos que não su­mam do ra­dar da cul­tu­ra depois de três ou qua­tro me­ses cum­prin­do a me­ta de atrair al­guns mi­lhões de es­pec­ta­do­res que não sa­bem nem exa­ta­men­te o porquê de­te­re­mi­do­ve­ra­qui­lo.

Es­se de­sa­fio vi­sa a des­co­ber­ta de no­vos no­mes que es­tão dis­po­ní­veis, no­mes jo­vens e não tão jo­vens que fa­ri­am be­los fil­mes bra­si­lei­ros que pu­des­sem ser bem vis­to$, se o in­te­res­se de des­co­ber­ta exis­tis­se de mem­bro tão for­te da ca­deia mi­diá­ti­ca nes­se país, e cu­jos pro­du­tos co­mer­ci­ais tam­bém tra­ba­lham com in­cen­ti­vos pú­bli­cos que re­a­li­za­do­res au­to­rais uti­li­zam.

Não pre­ci­sa me in­cluir nes­sas no­vas des­co­ber­tas, gos­to do meu es­ti­lo de fa­zer ci­ne­ma. Ain­da es­tou no meio de um gran­de de­sa­fio com “O Som ao Re­dor”, no­ve có­pi­as 35mm, mais al­gu­mas sa­las em di­gi­tal, che­gan­do aos 80 mil es­pec­ta­do­res em oi­to se­ma­nas, e com dis­tri­bui­ção co­mer­ci­al em se­te ou­tros paí­ses. A mai­or pu­bli­ci­da­de de “O Som ao Re­dor” é o pró­prio fil­me.

Pa­ra fi­na­li­zar, es­ses em­ba­tes são im­por­tan­tes, fa­ze­mos ci­ne­mas diferentes, em ge­o­gra­fi­as diferentes. Obri­ga­do,tu­do­de­bom.Kle­ber”

Divulgação

Kle­ber Mendonça Fi­lho: “Glo­bo Fil­mes atro­fia o con­cei­to de di­ver­si­da­de”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.