Cin­co mi­nu­ti­nhos

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

O re­ló­gio ti­que­ta­que­a­va e, mes­mo que eu não ti­ves­se ne­nhum com­pro­mis­so ur­gen­te, an­gus­ti­a­va-me a ideia de gas­tar o pre­ci­o­so tem­po de vi­da que me res­ta em uma la, se­ja ela qual for. Pa­ra de­mons­trar mi­nha im­pa­ci­ên­cia, pi­gar­re­ei e co­me­cei a es­ta­lar os de­dos, ba­ten­do o pé ner­vo­sa­men­te no pi­so bran­co do es­ta­be­le­ci­men­to. Es­ta in­fru­tí­fe­ra ten­ta­ti­va, além de não apres­sar as coi­sas, ain­da cau­so-me um iní­cio de cãi­bras. “Es­se olho-de-so­gra é de ho­je?”. E meus olhos re­vi­ra­ram-se nas ór­bi­tas. “Vai cre­me de lei­te light na bomba de cho­co­la­te?”. E ima­gi­nei um ter­ro­ris­ta qual­quer ex­plo­din­do tudo e aca­ban­do com meu so­fri­men­to. “O pão de quei­jo tem bro­ma­to?”. Che­guei à con­clu­são que ja­mais po­de­ria car sen­ta­do ali, fu­man­do um pa­lhei­ro e aguar­dan­do o m do su­plí­cio, en­quan­to ru­mi­na­va pen­sa­men­tos e, es­po­ra­di­ca­men­te, sol­ta­va um “uai”. Não sei quan­to tem­po le­vou, mas pa­re­ceu uma eter­ni­da­de até que ou­vi um li­ber­ta­dor “obri­ga­do, é só is­so”. Mi­nhas es­pe­ran­ças se re­no­va­ram, mais três pes­so­as, du­vi­do que le­vas­se mais que três mi­nu­tos. “Oi, Car­mi­nha, tudo bem? Tra­ba­lhan­do aqui ago­ra? Tá gos­tan­do?”, e ini­cia-se no­vo pé­ri­plo de hor­ro­res. “O sal­ga­do as­sa­do foi vo­cês que ze­ram ou vem de fo­ra? E a em­pa­da, tem de fran­go com mi­lho e ca­tu­piry? E a sua mãe, co­mo vai?”. Foi de­mais pra mi­nha ca­be­ça. Dei­xei aque­la an­te­câ­ma­ra do in­fer­no, pe­guei um pão de for­ma in­dus­tri­a­li­za­do e di­ri­gi-me aos cai­xas rá­pi­dos. Du­as pes­so­as na mi­nha fren­te, ape­nas um cai­xa fun­ci­o­nan­do. “Cin­co mi­nu­ti­nhos, no má­xi­mo!”, orei aos céus. O lei­tor de có­di­go de bar­ras co­me­çou a en­gri­par, lá vai a mo­ci­nha di­gi­tar um mi­lhão de nú­me­ros, e er­ra­va al­gum de­les a ca­da ten­ta­ti­va. Após tor­tu­ran­tes mo­men­tos, ela per­gun­ta se o ca­ra ia pagar com di­nhei­ro ou car­tão. “Vou dar um che­que”, res­pon­deu. “O se­nhor já tem ca­das­tro? Não? En­tão pre­ci­so cha­mar a che­fe dos cai­xas.” Uma luz ver­me­lha se acen­de no to­po de um pos­ti­nho so­bre o mo­ni­tor, ou­tra se acen­de na mi­nha men­te. “Che­ga!”, bra­dei re­vol­ta­do, as­sus­tan­do qu­em es­ta­va na la. Jo­guei o pão de for­ma so­bre um amon­to­a­do de so­nhos de val­sa e saí cor­ren­do do su­per­mer­ca­do. Em ca­sa, ma­tei a fo­me com um pa­co­te de bis­coi­tos. Ama­nhã é ou­tro dia, qu­em sa­be se­ja pos­sí­vel le­var um pão quen­ti­nho pra ca­sa sem me ir­ri­tar. E, se la hou­ver, vou en­fren­tar a pro­va­ção até o nal. Al­go de bom de­ve so­brar dis­so tudo em mi­nha vi­da, se­não qual se­ria o sen­ti­do? Nem que se­ja pa­ra ter ins­pi­ra­ção pa­ra es­cre­ver uma crô­ni­ca - em cin­co mi­nu­ti­nhos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.