Crise do Es­ta­do na era da in­for­ma­ção

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Em 1265, o rei João I, co­nhe­ci­do tam­bém por João Sem Ter­ra, na In­gla­ter­ra, fun­da­va a pri­mei­ra mo­nar­quia cons­ti­tu­ci­o­nal que se tem no­tí­cia. Se­gun­do his­to­ri­a­do­res o fez a con­tra gos­to,obri­ga­do por no­bres e pe­la po­pu­la­ção que há sé­cu­los vi­nha sen­do es­po­li­a­da por seus go­ver­nan­tes an­te­ces­so­res.

Em­bo­ra tê­nue e frá­gil em 1265, a Car­ta Mag­na,pu­bli­ca­da por João sem ter­ra, em ple­na Ida­de mé­dia, fo­ra um mar­co que veio a se con­so­li­dar na ins­ti­tui­ção, que sé­cu­los mais tar­de vi­ria a ser con­sa­gra­da co­mo Es­ta­do mo­der­no,já na al­ta ida­de mé­dia, com o de­clí­nio do ab­so­lu­tis­mo.

Ins­ti­tuí­do com a pre­mis­sa de pro­ver o bem co­mum, o Es­ta­do mo­der­no, com to­das as te­o­ri­as de Mon­tes­qui­eu, Vol­tai­re e ou­tros ilu­mi­nis­tas, se con­so­li­dou no de­cor­rer dos sé­cu­los XIX e XX, sob vá­ri­as for­mas de re­gi­me, tan­to de­mo­crá­ti­cos co­mo au­to­ri­tá­ri­os.

Ano pas­sa­do na In­gla­ter­ra, ber­ço da im­pren­sa li­vre, pri­mei­ro go­ver­no cons­ti­tu­ci­o­nal da so­ci­e­da­de hu­ma­na, no qual um mo­nar­ca pas­sou a se sub­me­ter à lei, as­sis­ti­mos, es­tar­re­ci­dos, o fe­cha­men­to do Jor­nal Cen­te­ná­rio “News of the world” que gram­pe­a­va au­to­ri­da­des co­mo au­xí­lio da Sco­tland Yard, po­lí­cia in­gle­sa. A im­pren­sa não só dei­xou de cum­prir seu pa­pel fun­da­men­tal, co­mo ain­da ma­ni­pu­la­va as in­for­ma­ções. O ofí­cio sa­gra­do de le­var co­nhe­ci­men­to à so­ci­e­da­de ha­via su­cum­bi­do e se cor­rom­pi­do ao lu­cro e a ma­ni­pu­la­ção do poder.

Tal evi­dên­cia, en­tre tan­tos des­do­bra­men­tos, nos in­di­ca que a gu­er­ra, an­tes tra­va­da em cam­pos de ba­ta­lha,ho­je, na era da in­for­ma­ção, pas­sou a ser tra­va­da no pla­no men­tal, e sen­do as­sim, as pes­so­as são bom­bar­de­a­das por in­for­ma­ções cu­jo prin­ci­pal veí­cu­lo não é mais ex­clu­si­vo de mag­na­tas co­mo Ru­pert Mur­do­ch. Ho­je a in­for­ma­ção cir­cu­la pe­la internet e qual­quer pes­soa em qual­quer lu­gar do pla­ne­ta po­de ter um blog e no­ti­ci­ar o que bem en­ten­der, te­o­ri­ca­men­te.

Por ha­ver di­vul­ga­do in­for­ma­ções con­fi­den­ci­ais de vá­ri­os go­ver­nos, prin­ci­pal­men­te dos Es­ta­dos Uni­dos,en­con­tra-se ins­ta­la­do na em­bai­xa­da do Equa­dor, em Lon­dres, (vi­gi­a­do pe­la Sco­tland Yard) por coin­ci­dên­cia ou ca­pri­cho do des­ti­no, Ju­li­an As­san­ge, lí­der­do gru­po de hac­kers de­no­mi­na­do Wi­kile­aks. Seu cri­me ofi­ci­al é de na­tu­re­za se­xu­al e te­ria ocor­ri­do na Sué­cia. Mas o cri­me re­al foi di­vul­gar do­cu­men­tos de go­ver­nos cor­rup­tos ou ain­da, de fa­tos co­mo a vi­o­la­ção de di­rei­tos hu­ma­nos na pri­são de Gu­an­tá­na­mo.

As­sim co­mo na épo­ca de Ricardo Co­ra­ção de Leão, rei da In­gla­ter­ra, an­tes de João Sem Ter­ra, ain­da pre­va­le­ce a má­xi­ma “Sed Lex, du­ra lex”, ou se­ja, a lei é du­ra, mas é lei - mas is­so so­men­te pa­ra os ini­mi­gos do poder, os ami­gos, co­mo Ru­pert Mur­do­ch es­tão a sal­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.