Mo­ra­do­res jo­gam li­xo em can­tei­ros

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com O des­car­te ir­re­gu­lar de li­xo nos can­tei­ros cen­trais de ave­ni­das na zo­na nor­te de Ma­rin­gá ge­ra re­cla­ma­ções de mo­ra­do­res. Na Ave­ni­da Jin­ro­ku Ku­bo­ta, es­qui­na com a Rua Amé­ri­co Bra­si­li­en­se, além de en­tu­lho há li­xo or­gâ­ni­co. Mo­ra­do­res e tra­ba­lha­do­res das ime­di­a­ções acre­di­tam que, co­mo a pre­fei­tu­ra re­co­lhe es­se li­xo, as pes­so­as pen­sam que é per­mi­ti­do. A Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Ser­vi­ços Pú­bli­cos co­lo­cou até pla­cas avi­san­do que é proi­bi­do jo­gar re­sí­du­os nos can­tei­ros. A Ge­rên­cia de Fis­ca­li­za­ção In­te­gra­da da Se­cre­ta­ria de Ges­tão diz que ini­ci- ou ação pa­ra fla­grar e no­ti­fi­car trans­gres­so­res.

O se­cre­tá­rio de Ser­vi­ços Pú­bli­cos, Vag­ner Mus­sio, elen­cou as ave­ni­das mais pro­ble­má­ti­cas: Alexandre Ras­gu­la­eff, Lu­cí­lio de Held, Sophia Ras­gu­la­eff e Jin­ro­ku Ku­bo­ta. “Já re­ce­be­mos de­nún­ci­as e a lim­pe­za é fei­ta di­a­ri­a­men­te, mas a fal­ta de edu­ca­ção é mais fre­quen­te ain­da”, cri­ti­ca.

O ge­ren­te de Fis­ca­li­za­ção In­te­gra­da, Adeíl­son Renato da Sil­va, diz que já ini­ci­ou uma ação pa­ra iden­ti­fi­car e no­ti­fi­car as pes­so­as que jo­gam li­xo. Quan­do há fla­gran­te, a pes­soa é no­ti­fi­ca­da e obri­ga­da a re­co­lher o li­xo pa­ra o des­car­te re­gu­lar. Em ca­so de rein­ci­dên­cia, há pre­vi­são de mul­ta, que va­ria con­for­me a gra­vi­da­de do ca­so.

En­quan­to a pre­fei­tu­ra lim­pa os lo­cais e a fis­ca­li­za­ção or­ga­ni­za ações pa­ra fla­grar as ir­re­gu­la­ri­da­des, mo­ra­do­res e tra­ba­lha­do­res das ime­di­a­ções re­cla­mam. “Is­so é fal­ta de edu­ca­ção da po­pu­la­ção. É fal­ta de res­pei­to pa­ra com os mo­ra­do­res das ime­di­a­ções”, diz o apo­sen­ta­do José Ca­sa­ro­to, que re­si­de na Amé­ri­co Bra­si­li­en­se, pró­xi­mo ao cru­za­men­to com a Jin­ro­ku Ku­bo­ta, on­de com frequên­cia há gran­de quan­ti­da­de de li­xo.

A pro­fes­so­ra Kai­ra Iza­be­la de Oli­vei­ra, que tra­ba­lha em uma es- co­la nas pro­xi­mi­da­des, tam­bém cri­ti­ca. “É hor­rí­vel es­se li­xo. A pre­fei­tu­ra re­co­lhe, por is­so o po­vo acos­tu­mou. Jo­gam li­xo direto aí. Ve­jo car­ro­cei­ros vi­rem de lon­ge pa­ra jo­gar mó­veis ve­lhos. A ci­da­de é tão bo­ni­ta, a pre­fei­tu­ra man­tém a gra­ma des­se can­tei­ro apa­ra­da, mas as pes­so­as não res­pei­tam”, ob­ser­va.

Ra­fa­el Sil­va

Li­xo em can­tei­ro da Ave­ni­da Jin­ro­ku Ku­bo­ta; pro­ble­ma fre­quen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.