O set

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

nó­ti­cas ca­pa­zes de dei­xar o es­pec­ta­dor des­nor­te­a­do. O fil­me evi­den­cia de vez o es­ti­lo úni­co de So­kú­rov. Um es­ti­lo que tem no seu es­co­po uma pre­di­le­ção pe­la gran­de ar­te (na pin­tu­ra, na mú­si­ca e na li­te­ra­tu­ra).

En­tre to­dos os tra­ba­lhos de So­kú­rov que tra­zem es­sas re­fe­rên­ci­as de ma­nei­ra im­pe­ri­o­sa, tal­vez o mais ra­di­cal se­ja “Pá­gi­nas Ocul­tas”, de 1993, car­taz do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar des­te sá­ba­do – subs­ti­tuin­do “Holy Mo­tors”, de Le­os Ca­rax, que se­rá exi­bi­do em bre­ve. “Pá­gi­nas Ocul­tas” tem um sub­tí­tu­lo que, em prin­cí­pio, po­de ser­vir co­mo uma no­ta ex­pli­ca­ti­va: “Ba­se­a­do em obras de es­cri­to­res rus­sos do sé­cu­lo XIX”. A ques­tão é co­mo So­kú­rov sub­ver­te es­sa pre­mis­sa pa­ra evi­den­ci­ar, com cer­ta in­tran­si­gên­cia, um mun­do em trans­for­ma­ção atra­vés da aus­te­ri­da­de fí­si­ca de uma ci­da­de, da gra­vi­da­de de per­so­na­gens sem­pre a es­bar­rar no va­zio e de uma at­mos­fe­ra su­fo­can­te que nos dá a ideia de que So­kú­rov não es­tá emu­lan­do es­te ou aque­le pin­tor (ain­da que o es­ti­má­vel con­for­to do es­pec­ta­dor pro­cu­re por es­tas mu­le­tas cul­tu­rais), mas co­lo­can­do-se inad­ver­ti­da­men­te den­tro da pró­pria pin­tu­ra.

Em “Pá­gi­nas Ocul­tas”, al­guém dis­se, tudo é te­la. E co­mo, ao ob­ser­var­mos uma pin­tu­ra fi­gu­ra­ti­va (clás­si­ca?), con­jec­tu­ra­mos a res­pei­to da “his­tó­ria” que ali se con­ta, So­kú­rov pro­ce­de te­cen­do mui­to mais co­men­tá­ri­os do que pro­pri­a­men­te for­mu­lan­do uma his­tó­ria. Se Ras­kol­ni­kóv, o he­rói do “Cri­me e Cas­ti­go”, de Dos­toiévs­ki, es­tá pre­sen­te jun­ta­men­te com So­nia (a idi­o­ta, a pros­ti­tu­ta, a cri­an­ça-mu­lher, a san­ta, o lí­rio par­ti­do), tam­bém é pos­sí­vel iden­ti­fi­car o es­tra­nho fun­ci­o­ná­rio Aká­ki Aká­ki­e­vit­ch, de “O Ca­po­te”, de Go­gol.

Se o ex­pres­si­o­nis­mo ale­mão é evo­ca­do, é pos­sí­vel “sen­tir” ain­da a pre­sen­ça de Tur­ner, Man­teg­na e Rem­brandt. Mas não se­rá dis­so que So­kú­rov de­se­ja “fa­lar”. Um es­pec­tro de ci­ne­ma fun­da­se na ma­nei­ra co­mo o di­re­tor li­da com tudo is­so e o que re­sul­ta des­se as­ses­ta­men­to no qual a câ­me­ra, pro­vi­da co­mo que de um sen­ti­men­to pic­tó­ri­co, persegue em ca­da can­to de um ce­ná­rio sem vi­da, de uma ci­da­de in­va­di­da pe­las águas, com per­so- na­gens bru­tais e a ino­cên­cia per­di­da pa­ra sem­pre. Fil­ma­do na Ale­ma­nha, nas an­ti­gas Fá­bri­cas Krupp, “Pá­gi­nas Ocul­tas” pa­re­ce, às ve­zes, um pe­sa­de­lo. Ruí­dos aba­fa­dos, sus­sur­ros, ri­sos, so­pros, va­po­res, ven­tos, ar­ra­nhões, mur­mú­ri­os aquá­ti­cos e vo­zes de ópe­ra en­tre­cor­ta­das com­põem a tri­lha so­no­ra (em tra­ba­lho me­ti­cu­lo­so). A in­sen­sa­tez das ações, os cor­pos que ora pe­ram­bu­lam, ora se atacam e ora sal­tam pa­ra o va­zio – ne­bu­lo­sos, fa­ti­ga­dos, os­ci­lan­tes, pre­nhes de som­bras fan­tas­má­ti­cas, ex­te­nu­a­dos no li­mi­te -, com­põem, mais do que a fa­la, o ro­tei­ro.

O tra­ba­lho de So­kú­rov é exi­gen­te ao pon­to de al­guém ter su­ge­ri­do que pa­ra as­sis­tir “Pá­gi­nas Ocul­tas” é pre­ci­so ter li­do to­dos os li­vros, ter vis­to to­das as pin­tu­ras e ter ou­vi­do to­das as mú­si­cas. E se, por­ven­tu­ra, So­kú­rov age co­mo um agen­te de­le­té­rio des­sa pin­tu­ra, mú­si­ca e li­te­ra­tu­ra es­sen­ci­ais, é ape­nas pa­ra fa­zer emer­gir dis­so um ci­ne­ma que, por fim, po­de mes­mo ser um fa­rol.

Pau­lo Cam­pag­no­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.