Co­mo é bom es­tar­mos aqui

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

“Je­sus to­mou con­si­go Pe­dro, João e Ti­a­go, e su­biu à mon­ta­nha pa­ra re­zar. En­quan­to re­za­va, seu ros­to mu­dou de apa­rên­cia e sua rou­pa fi­cou mui­to bran­ca e bri­lhan­te. Nis­so, dois ho­mens es­ta­vam con­ver­san­do com Je­sus: eram Moi­sés e Eli­as. Apa­re­ce­ram na gló­ria, e con­ver­sa­vam so­bre o êxo­do de Je­sus, que iria acon­te­cer em Je­ru­sa­lém. Pe­dro e os com­pa­nhei­ros dor­mi­am pro­fun­da­men­te. Quan­do acor­da­ram, vi­ram a gló­ria de Je­sus, e os dois ho­mens que es­ta­vam com ele. E quan­do es­ses ho­mens já iam se afas­tan­do, Pe­dro dis­se a Je­sus: ‘Mes­tre, é bom fi­car­mos aqui’” (Mt 17, 1-4).

A ex­pe­ri­ên­cia que Pe­dro fez no Ta­bor, quan­do con­tem­plou a gló­ria de Deus e fi­cou mer­gu­lha­do na be­le­za e na luz ful­gu­ran­te que ja­mais viu não podia re­sul­tar em ou­tra fra­se: “É bom es­tar­mos aqui”. Co­mo não gos­tar e de­se­jar so­men­te a luz, a gló­ria, a sa­tis­fa­ção, o gos­to de vi­ver na con­tem­pla­ção do ros­to lu­mi­no­so, trans­pa­ren­te do Mes­tre? Nem de lon­ge ele ima­gi­na­va o que es­ta­va pa­ra acon­te­cer. An­tes de ser des­fi­gu­ra­do no Gól­go­ta, o ver­da­dei­ro ros­to de Cris­to foi trans­fi­gu­ra­do. Re­ve­lou, no mon­te Ta­bor, seu bri­lho di­vi­no. Qu­an­tos ros­tos de Je­sus ho­je gri­tam pe­la luz da dig­ni­da­de, pe­la luz da in­clu­são, pe­la luz da ci­da­da­nia, pe­la luz de uma vi­da dig­na e cla­mam em poder di­zer “co­mo é bom es­tar­mos aqui”.

Es­ta­mos em ple­no ca­mi­nho qua­res­mal, um tem­po que nos le­va a olhar o nos­so in­te­ri­or. Não se tra­ta so­men­te de mu­dan­ça das es­tru­tu­ras ex­ter­nas, mas prin­ci­pal­men­te das nos­sas ati­tu­des e con­vic­ções, mui­tas ve­zes cri­a­das pa­ra o nos­so be­lo pra­zer. To­da bus­ca de perfeição ex­ter­na de­ve ser con­tra­ba­lan­ça­da pe­la perfeição do nos­so mo­do de vi­ver e com­por­tar. No do­min­go pas­sa­do nos de­pa­ra­mos com as ten­ta­ções de Je­sus nar­ra­das pe­lo evan­ge­lis­ta Lu­cas. Uma nar­ra­ti­va im­pres­si­o­nan­te, por­que mos­tra a ação tem­pes­ti­va do demô­nio. O pró­prio Fi­lho de Deus é ten­ta­do a aban­do­nar o pro­je­to sal­ví­fi­co de Deus, quan­do es­ta­va em ora­ção. Deus não ti­ra a ten­ta­ção de nin­guém. Je­sus ao en­si­nar a orar o Pai Nos­so, pe­de ao Pai que não nos dei­xeis cair em ten­ta­ção. Se­re­mos sem­pre ten­ta­dos, prin­ci­pal­men­te quan­do es­ta­mos em sin­to­nia com Deus.

Nes­ta qu­a­res­ma a Cam­pa­nha da Fra­ter­ni­da­de nos mos­tra o ros­to da ju­ven­tu­de. Jo­vens fe­li­zes, jo­vens pre­o­cu­pa­dos, jo­vens es­tu­dan­do, tra­ba­lhan­do, jo­vens de­sem­pre­ga­dos, an­gus­ti­a­dos, jo­vens dro­ga­dos, jo­vens re­a­li­za­dos, em bus­ca de re­co­nhe­ci­men­to, jo­vens ex­plo­ra­dos e pi­so­te­a­dos, des­fi­gu­ra­dos e sem es­pe­ran­ça de ver a luz. Nos inú­me­ros ros­tos da ju­ven­tu­de bri­lha a es­pe­ran­ça de aco­lhi­da, de opor­tu­ni­da­de, de apoio, de es­pa­ço, de pro­ta­go­nis­mo, de re­co­nhe­ci­men­to não co­mo fu­tu­ro, mas co­mo agen­tes de trans­for­ma­ção no aqui e ago­ra.

No hi­no da CF 2013 os jo­vens can­tam: “Es­tou aqui, meu Se­nhor, sou jo­vem, sou teu po­vo! Eu te­nho fo­me de jus­ti­ça e de amor. Que­ro aju­dar a cons­truir um mun­do no­vo, es­tou aqui meu se­nhor, pa­ra for­mar a re­de de fra­ter­ni­da­de, e um no­vo céu, uma no­va ter­ra, a tua von­ta­de. Eis-me aqui, en­via-me, Se­nhor”. Nes­te ca­mi­nho de qua­ren­te­na qu­e­re­mos nos apro­xi­mar ca­da vez mais da luz do Se­nhor Je­sus e com a ju­ven­tu­de di­zer: “Co­mo é bom es­tra­mos aqui”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.