‘No­bres’, mas dis­tan­tes da com­pre­en­são po­pu­lar

LE­GIS­LA­TI­VO Es­pe­ci­a­lis­ta em mo­da e pro­fes­so­ra acom­pa­nham ses­são da Câ­ma­ra pa­ra re­a­va­li­ar es­ti­los e por­tu­guês; con­clu­são é de que hou­ve evo­lu­ção, mas ain­da há es­pa­ço pa­ra me­lho­rar

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Mu­ri­lo Gat­ti

mgat­ti@odi­a­rio.com Mes­mo com fi­gu­ras bem co­nhe­ci­das, co­mo Be­li­no Bra­vin (PP) e Jo­nes Dark (PP), a Ca­sa do Po­vo de Ma­rin­gá per­ma­ne­ce distante do po­pu­lar. São mui­tos “no­bres”, dis­cur­sos pro­li­xos (de­ma­si­a­da­men­te lon­gos), re­dun­dan­tes (re­pe­ti­ti­vos) e mui­tas for­ma­li­da­des.

A ava­li­a­ção é da pro­fes­so­ra e cro­nis­ta Lu Oli­vei­ra, que acom­pa­nhou a úl­ti­ma ses­são da Câ­ma­ra, na quin­ta-fei­ra, a con­vi­te de O Diá­rio. Pa­ra ela, o ex­ces­so re­gi­men­tal tor­na o Le­gis­la­ti­vo cha­to, mo­ro­so e de di­fí­cil com­pre­en­são.

“A po­pu­la­ção pre­ci­sa­ria de uma for­ma mais di­dá­ti­ca de dis­cur­so, pa­ra ter aces­so e poder se in­for­mar so­bre o tra­ba­lho dos ve­re­a­do­res. Do con­trá­rio, as pes­so­as vão fi­car alhei­as e sem­pre vão pen­sar que na­da fun­ci­o­na”, ava­lia. A al­te­ra­ção das ses­sões pa­ra o ho­rá­rio no­tur­no, na ava­li­a­ção de Lu, po­de até per­mi­tir que os tra­ba­lha­do­res com­pa­re­ce­ram à Ca­sa do Po­vo. “Mas pre­ci­sa­mos de men­sa­gens mais efi­ca­zes. O mun­do exi­ge mais agi­li­da­de, com me­nos dis­cur­sos pro­li­xos e re­dun­dan­tes. Há um ex­ces­so de ‘no­bres’ por aqui”, con­si­de­ra.

Es­ti­lo

A de­sig­ner de aces­só­ri­os fe­mi­ni­nos, es­pe­ci­a­lis­ta em mo­da e blo­guei­ra do por­tal odi­a­rio.com Babye Mu­nhoz, que tam­bém acom­pa­nhou a ses­são a con­vi­te da re­por­ta­gem, ava­li­ou que, de mo­do ge­ral, ao me­nos nos tra­jes os ve­re­a­do­res es­tão apro­va­dos. “To­dos os ve­re­a­do­res es­ta­vam ves­ti­dos de acor­do com o ‘dress co­de’ (có­di­go de ves­tir) es­pe­ra­do pa­ra uso em ple­ná­rio e pa­ra os re­pre­sen­tan­tes do po­vo, sen­do que os ho­mens es­ta­vam de ter­no e gra­va­ta, e a ve­re­a­do­ra, de tra­je so­ci­al”, des­cre­veu.

Babye con­fes­sa que se sur­pre­en­deu, pois ao pi­sar pe­la pri­mei­ra vez na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal ima­gi­nou que iria en­con­trar os ve­re­a­do­res um pou­co mais de­sar­ru­ma­dos. “Ti­ve uma boa im­pres­são. A ves­ti­men­ta não é ape­nas um ca­pri­cho, já que o mo­do de ves­tir re­fle­te a se­ri­e­da­de com que eles en­ca­ram seus car­gos e o res­pei­to que de­mons­tram às su­as fun­ções”, ava­lia.

Em re­la­ção ao com­por­ta­men­to, crí­ti­cas aos ve­re­a­do­res que che­ga­ram mas­can­do chi­cle­tes. “Es­pe­ro que jo­guem fo­ra an­tes de co­me­çar a ses­são”, co­men­tou Lu, que tam­bém não dei­xou de con­si­de­rar que al­guns dos edis pen­sam que as ca­dei­ras são de ba­lan­ço. A pon­tu­a­li­da­de ao co­me­çar a reu­nião é mo­ti­vo de elo­gio. Mas a fal­ta de aten­ção lem­brou a tur­ma es­co­lar da pro­fes­so­ra. “Ti­nha que dar uma es­tre­li­nha ou um prê- mio pa­ra qu­em pres­tar aten­ção”, su­ge­riu.

Na úl­ti­ma quin­ta, ape­nas o dis­cur­so do ar­ce­bis­po Dom Anu­ar Bat­tis­ti e de ou­tros mem­bros da Igre­ja Ca­tó­li­ca – con­vi­da­dos pa­ra fa­lar so­bre a Cam­pa­nha da Fra­ter­ni­da­de, que tem co­mo fo­co a ju­ven­tu­de - con­se­gui­ram fa­zer os ve­re­a­do­res sen­ta­rem e man­te­rem a aten­ção no ora­dor da tri­bu­na.

Depois das ho­me­na­gens e agra­de­ci­men­tos aos re­pre­sen­tan­tes da Igre­ja, a pro­fes­so­ra foi ques­ti­o­na­da so­bre uma ati­tu­de da Câ­ma­ra - ce­der uma ca­mi­nho­ne­te S10 pa­ra a Di­re­to­ria So­bre Dro­gas da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de As­sis­tên­cia So­ci­al e Ci­da­da­nia – se­gui­da de pau­sa pa­ra as fo­tos da en­tre­ga das cha­ves e do­cu­men­to. “Lem­bra um con­cur­so de lo­te­ria ou uma en­tre­ga do car­ro ao ven­ce­dor da pro­mo­ção do mer­ca­do”, diz.

A quan­ti­da­de de po­ses foi con­si­de­ra­da exa­ge­ra­da, e a pre­si­dên­cia da Ca­sa pro­vo­cou sur­pre­sa ao pe­dir no­va pau­sa na ses­são pa­ra que to­dos fos­sem até a área ex­ter­na pa­ra uma no­va fo­to, des­ta vez ao la­do da ca­mi­nho­ne­te. “É pa­ra pro­var que o veí­cu­lo exis­te”, brin­cou a pro­fes­so­ra.

Depois de ce­rimô­ni­as e pou­cos pro­je­tos e re­que­ri­men­tos de ex­pres­são – vo­ta­ram, por exem­plo, a mu­dan­ça de ho­rá­rio de fun­ci­o­na­men­to da Ca­sa, que ago­ra fi­ca­rá aber­ta das 8 ho­ras às 18 ho­ras, e não mais das 12 ho­ras às 18 ho­ras, e re­que­ri­men­tos ques­ti­o­nan­do obras de in­fra­es­tru­tu­ra em bair­ros, o Cen­tro da Ju­ven­tu­de e o atra­so na en­tre­ga dos kits es­co­la­res – a im­pres­são fi­nal, ine­vi­ta­vel­men­te, fi­ca mais res­tri­ta ao com­por­ta­men­tal. “Eles se sen­tem co­mo ce­le­bri­da­des. Mui­tos che­gam atra­sa­dos, ace­nan­do e cum­pri­men­tan­do os ou­tros. Pen­sam que são es­tre­las”, ava­lia.

Na com­pa­ra­ção com ou­tu­bro de 2011, quan­do a pro­fes­so­ra e ou­tra es­ti­lis­ta es­ti­ve­ram na Câ­ma­ra pa­ra ava­li­ar os ve­re­a­do­res da le­gis­la­tu­ra pas­sa­da, a con­clu­são é de que hou­ve me­lho­ras. A quan­ti­da­de de er­ros de por­tu­guês per­ce­bi­dos foi bem me­nor, e o com­por­ta­men­to se mos­trou mais ade­qua­do aos tra­ba­lhos.

Pro­to­co­la­res

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ulis­ses Maia, re­co­nhe­ce a ne­ces­si­da­de se des­bu­ro­cra­ti­zar ao má­xi­mo as ses­sões e lem­bra que o pro­to­co­lo já foi “mui­to mais exa­ge­ra­do” que o atu­al. “Exis­te um ro­tei­ro pa­ra o pre­si­den­te se­guir, e te­nho evi­ta­do se­guir à ris­ca, pois le­va­ria a re­pe­ti­ções con­tan­tes, e es­tou dei­xan­do de fa­zer uma sé­rie de for­ma­li­da­des ób­vi­as”, diz. Maia tam­bém con­cor­da que é pos­sí­vel me­lho­rar a lin­gua­gem pa­ra tor­nar o pro­ces­so mais aces­sí­vel a qu­em acom­pa­nha as reu­niões no ple­ná­rio, pe­la internet ou pe­la te­le­vi­são. “Te­nho bus­ca­do ex­pli­car mais o que es­ta­mos vo­tan­do, até pa­ra não fi­car mui­to res­tri­to no nú­me­ro do pro­je­to, o que di­fi­cul­ta a com­pre­en­são.”

Ou­tra me­di­da que o pre­si­den­te afir­ma que vai to­mar é tor­nar mais aces­sí­vel a lin­gua­gem usa­da nas pu­bli­ca­ções do si­te da Ca­sa, on­de o ob­je­ti­vo é am­pli­ar a trans­pa­rên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.