OPI­NIÃO

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM -

De­vo con­fes­sar que as­sis­tir a uma ses­são da Câ­ma­ra não es­tá na lis­ta dos meus pro­gra­mas pre­di­le­tos. O cli­ma pro­to­co­lar mis­tu­ra­do à ce­na de ve­re­a­do­res fa­lan­do ao ce­lu­lar en­quan­to al­guém faz uso da tri­bu­na me in­co­mo­da um pou­co. En­tre­tan­to, tam­bém pre­ci­so re­co­nhe­cer que es­sa par­ti­ci­pa­ção é im­por­tan­te pa­ra que eu exi­ja meus di­rei­tos de ci­da­dã. Afi­nal, os no­bres tra­ba­lham pa­ra mim. Mi­nha mais re­cen­te vi­si­ta cau­sou-me uma me­lhor im­pres­são. Des­ta vez não hou­ve nos dis­cur­sos ne­nhu­ma agres­são gra­ve à lín­gua por­tu­gue­sa, mas al­guns con­ti­nu­am pro­li­xos. Pa­re­ce que há mui­ta pre­o­cu­pa­ção com a for­ma­li­da­de, mas não com a cla­re­za. Com re­la­ção ao ho­rá­rio, cha­mou-me aten­ção o fa­to de a ses­são ter co­me­ça­do pon­tu­al­men­te. Po­de pa­re­cer um de­ta­lhe, mas de­no­ta res­pei­to aos pre­sen­tes e ao tra­ba­lho que é re­a­li­za­do ali. E por fa­lar em res­pei­to, al­go que achei bem es­tra­nho foi ver um dos ve­re­a­do­res mas­can­do chi­cle­te, co­mo se es­ti­ves­se no ci­ne­ma. Além dis­so, há al­guns que se sen­tam co­mo se es­ti­ves­sem na pol­tro­na do pa­pai. Mais à von­ta­de, im­pos­sí­vel. So­bre o pro­to­co­lo, en­ten­do que ele se­ja ne­ces­sá­rio pa­ra a si­tu­a­ção, mas me pa­re­ce ha­ver um cer­to exa­ge­ro. Não é ape­nas o ho­rá­rio que pre­ci­sa mu­dar pa­ra a ses­são se tor­nar mais con­vi­da­ti­va. Te­nho von­ta­de de le­var meus alu­nos ado­les­cen­tes pa­ra as­sis­tir, mas re­ceio que dur­mam an­tes do tér­mi­no. Tal­vez usar uma lin­gua­gem mais aces­sí­vel à po­pu­la­ção. Se sem­pre foi fei­to as­sim, cheio de pom­pa e cir­cuns­tân­cia, qu­em sa­be se­ja a ho­ra de mu­dar. De qual­quer for­ma, fi­quei fe­liz em ver no­vos ros­tos por lá. Tor­ço pa­ra que es­se cli­ma de re­no­va­ção se tra­du­za em pro­je­tos bons pa­ra a ci­da­de e que os no­bres cum­pram­seu pa­pel fis­ca­li­za­dor. E não é ape­nas a quan­ti­da­de de re­que­ri­men­tos e/ou pro­je­tos que eles pro­põem que faz di­fe­ren­ça, mas sim a qua­li­da­de. Bem sa­be­mos qu­an­ta bo­ba­gem já foi pro­fe­ri­da e de­fen­di­da por al­guns no­bres. Se eu dei­xar pa­ra pen­sar nis­so so­men­te em 2016, quan­do o ano elei­to­ral ba­ter à mi­nha por­ta e as pro­pa­gan­das lo­ta­rem mi­nha cai­xi­nha do cor­reio, tal­vez se­ja tar­de de­mais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.