Ten­dên­ci­as pa­ra 2013

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

“Os imó­veis vão con­ti­nu­ar a va­lo­ri­zar, mas em pa­ta­ma­res mais mo­des­tos do que em anos an­te­ri­o­res, quan­do ha­via uma de­man­da re­pri­mi­da no se­tor. A cor­re­ção de­ve acom­pa­nhar a ren­ta­bi­li­da­de dos prin­ci­pais ati­vos, man­ten­do-se en­tre 10% e 15% ao ano”, diz Gustavo Se­lig, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Di­ri­gen­tes de Em­pre­sas do Mer­ca­do Imo­bi­liá­rio do Pa­ra­ná (Ade­mi-PR).

O em­pre­sá­rio Sil­vio Iwa­ta, re­pre­sen­tan­te do mer­ca­do imo­bi­liá­rio no Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Pla­ne­ja­men­to e Ges­tão Ter­ri­to­ri­al de Ma­rin­gá, diz que não há pre­vi­são de que­da nos pre­ços. Se­gun­do ele, um mer­ca­do que de­ve cres­cer com mais for­ça nes­te ano é o de imó­veis pron­tos. “Os ter­re­nos ti­ve­ram uma boa va­lo­ri­za­ção, mas a ten­dên­cia em 2013, até pe­la ne­ces­si­da­de do con­su­mi­dor, é que a mai­or va­lo­ri­za­ção ocor­ra nos imó­veis pron­tos, a exem­plo de apar­ta­men­tos, por­que eles vão aten­der ca­da vez mais às ne­ces­si­da­des da cli­en­te­la”, diz.

O eco­no­mis­ta Joil­son Di­as, pro­fes­sor-dou­tor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), diz que al­ta mé­dia de pre­ços nos imó­veis de Ma­rin­gá e no Pa­ra­ná pos­sui vá­ri­as ex­pli­ca­ções. As mais im­por­tan­tes, se­gun­do ele, são três: a cres­cen­te mu­dan­ça de clas­se so­ci­al de C pa­ra B2 e B1; a con­se­quen­te me­lho­ra na lo­ca­li­za­ção e aca­ba­men­to dos imó­veis por con­ta da aque­ci­men­to no se­tor; e o pro­gra­ma do go­ver­no fe­de­ral Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da, pa­ra a com­pra do pri­mei­ro imó­vel. “Es­te (pro­gra­ma fe­de­ral) ge­rou uma de­man­da ex­tre- ma­men­te ele­va­da por ter­re­nos e fez com que re­per­cu­tis­se no cus­to de cons­tru­ção fi­nal. Co­mo re­sul­ta­do os pre­ços mé­di­os su­bi­ram”, ava­lia Di­as.

O pro­fes­sor-dou­tor em Eco­no­mia da UEM, Neio Lú­cio Pe­res Gu­al­da, atri­bui o au­men­to à mai­or pro­cu­ra. “A va­lo­ri­za­ção ve­ri­fi­ca­da nos imó­veis das prin­ci­pais ci­da­des pa­ra­na­en­se es­tá as­so­ci­a­da às con­di­ções do mer­ca­do, ou se­ja, da de­man­da e ofer­ta”, ava­lia. “A ofer­ta de imó­veis tem co­mo prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca a ine­las­ti­ci­da­de, ou se­ja, não au­men­ta com a mes­ma ve­lo­ci­da­de que a de­man­da. Em ou­tras pa­la­vras, não é pos­sí­vel au­men­tar a ofer­ta de imó­veis em, por exem­plo, 30% de um ano pa­ra o ou­tro. Um no­vo lo­te­a­men­to, des­de de seu lan­ça­men­to até a au­to­ri­za- ção pa­ra a cons­tru­ção, le­va no mí­ni­mo 3 anos, a mes­ma coi­sa ocor­re pa­ra cons­tru­ção de um pré­dio de apar­ta­men­tos re­si­den­ci­ais ou de sa­las co­mer­ci­ais”, diz. Gu­al­da ain­da ci­ta que o au­men­to nos pre­ços é es­ti­mu­la­do pe­lo mai­or ren­di­men­to da po­pu­la­ção, ofer­ta de cré­di­to e re­du­ção das ta­xas de ju­ros pa­ra aqui­si­ção de imó­veis, além de ven­das de ter­re­nos a lon­go pra­zo, che­gan­do, em al­guns ca­sos, a 180 me­ses. “Em al­gu­mas ci­da­des, co­mo Ma­rin­gá, Cu­ri­ti­ba, Lon­dri­na, es­te qua­dro é agra­va­do em ra­zão dos mu­ni­cí­pi­os não dis­po­rem de gran­des áre­as pa­ra lo­te­a­men­tos no pe­rí­me­tro ur­ba­no e boa par­te da área rural pe­ri­fé­ri­ca ser de pre­ser­va­ção am­bi­en­tal, o que im­pos­si­bi­li­ta a ur­ba­ni­za­ção.” (Fábio Lin­jar­di)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.