A for­ça dos vi­zi­nhos so­li­dá­ri­os

Cui­dar da ca­sa do vi­zi­nho dei­xa dei­xa de ser con­si­de­ra­do me­ra in­tro­mis­são e pas­sa a ser­vir co­mo ação so­li­dá­ria de pre­cau­ção con­tra as­sal­tos e rou­bos

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ivy Val­sec­chi

ivy­val­sec­chi@odi­a­rio.com O há­bi­to de fi­car de olho na ca­sa ao la­do tem se es­pa­lha­do em Ma­rin­gá e dei­xa­do sa­tis­fei­to qu­em já ade­riu à cam­pa­nha dos Vi­zi­nhos So­li­dá­ri­os. O pro­je­to con­sis­te em os vi­zi­nhos se co­mu­ni­ca­rem ca­so ob­ser­vem al­go sus­pei­to na rua ou na ca­sa do ou­tro. Na zo­na 2, des­de que os mo­ra­do­res de uma qu­a­dra na Rua Pa­dre Ger­ma­no José Mayer co­me­ça­ram o mo­vi­men­to, há cer­ca de se­te me­ses, não foi re­gis­tra­do mais ne­nhum as­sal­to, e di­mi­nuiu a pre­sen­ça de pe­din­tes e des­co­nhe­ci­dos. “Em dez anos que es­tou aqui, dia sim dia não ha­via al­gum pro­ble­ma, a exem­plo de pes­so­as es­tra­nhas na rua ou al­guém que pu­la­va no quin­tal e as­sus­ta­va o vi­zi­nho. Ago­ra es­tá tudo tran­qui­lo”, diz Sueli Re­gi­na Tiz­zi­a­ni Ba­la­de­li.

A mo­ra­do­ra Maria An­gé­li­ca Sen­cio Pa­es con­cor­da com a vi­zi­nha, e diz que as pla­cas de­ram bons re­sul­ta­dos. “Tem ini­bi­do a pre­sen­ça de pes­so­as es­tra­nhas. Às ve­zes apa­re­ce al­guém des­co­nhe­ci­do, mas que olha a pla­ca e vai em­bo­ra. O nú­me­ro de pe­din­tes tam­bém di­mi­nuiu mui­to”. Maria con­ta que os sal­dos po­si­ti­vos do mo­vi­men­to têm atraí­do in­te­res­sa­dos. “Em no­vem­bro do ano pas­sa­do, uma ca­sa na rua pró­xi­ma ade­riu e mui­ta gen­te per­gun­ta do que se tra­ta. Al­gu­mas têm re­ceio de ade­rir e cha­mar mais a aten­ção, mas pa­ra a nos­sa rua foi mui­to bom.”

Há cer­ca de um mês, a cam­pa­nha co­me­çou na Zo­na 8. Pre­o­cu- pa­dos com a fal­ta de se­gu­ran­ça no bair­ro, os mo­ra­do­res re­sol­ve­ram ini­ci­ar o mo­vi­men­to. Des­de en­tão, do­ze ca­sas na ave­ni­da Gas­tão Vi­di­gal, rua Ce­dro e rua Umu­a­ra­ma já con­tam com a pla­ca do vi­zi­nho so­li­dá­rio.

A ins­pi­ra­ção veio após o ar­qui­te­to Sér­gio Na­gib Ne­me, mo­ra­dor da ave­ni­da Gas­tão Vi­di­gal há 14 anos, as­sis­tir na TV a uma re­por­ta­gem que mos­tra­va o mo­vi­men­to em Cu­ri­ti­ba. Ne­me ex­pli­ca que exis­te na Gas­tão Vi­di­gal des­de 2007, o Instituto Mi­rai Ko­do­kan, uma en­ti­da­de sem fins lu­cra­ti­vos, que con­ta com vo­lun­tá­ri­os que en­si­nam judô pa­ra cri­an­ças e adul­tos ca­ren­tes. “Sou vo­lun­tá­rio na fun­ção de se­cre­tá­rio, e em con­ver­sas com os de­mais, foi ava­li­a­da a ne­ces­si­da­de de me­lho­rar a se­gu­ran­ça no bair­ro”.

Me­do de vol­tar pa­ra ca­sa

O pre­si­den­te do instituto e mo- ra­dor da ave­ni­da há no­ve anos, Ta­kahi­ro Fu­ji­sak, diz que mui­tos alu­nos sen­tem me­do de vol­tar pa­ra ca­sa de noi­te, e vá­ri­os vi­zi­nhos têm pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos à fal­ta de se­gu­ran­ça e van­da­lis­mo nas re­si­dên­ci­as. “Em de­zem­bro ten­ta­ram en­trar na mi­nha ca­sa du­as ve­zes, mas che­guei a tem­po en­tão não le­va­ram na­da. Não po­de­mos es­pe­rar que o poder pú­bli­co fa­ça al­go.”

Os car­ta­zes do vi­zi­nho so­li­dá­rio, Sér­gio e Ta­kahi­ro con- “Acho que vai ser bom, por­que um vi­zi­nho vai to­mar con­ta do ou­tro” se­gui­ram atra­vés de do­a­ção de uma em­pre­sa do ra­mo. “Os mo­ra­do­res e co­mer­ci­an­tes in­te­res­sa­dos po­dem ad­qui­rir a pla­ca no Instituto Mi­rai Ko­do­kan, por R$ 15. Ini­ci­al­men­te, fo­ram fei­tas cer­ca de 50 pla­cas. O di­nhei­ro do­a­do aju­da­rá a in­cre­men­tar o mo­vi­men­to. Uma das in­ten­ções é co­lo­car câ­me­ras li­ga­das aos com­pu­ta­do­res fil­man­do as ru­as e a ave­ni­da Gas­tão Vi­di­gal”.

A do­na de ca­sa Dal­va de Freitas Ma­ed, mo­ra­do­ra do bair­ro há 18 anos, que já ade­riu ao mo­vi­men­to, es­tá oti­mis­ta. “Mi­nha ca­sa foi al­vo de ban­di­dos du­as ve­zes. Em uma de­las, os la­drões es­ta­vam ar­ma­dos e a fa­mí­lia to­da es­ta­va em ca­sa. Em ou­tra es­tá­va­mos vi­a­jan­do. Acho que vai ser bom, por­que um vi­zi­nho vai to­mar con­ta do ou­tro”.

Nos pró­xi­mos di­as, os mo­ra­do­res fa­rão uma reu­nião pa­ra de­ci- dir as pró­xi­mas ações, e es­ti­mu­lar a par­ti­ci­pa­ção de qu­em ain­da não ade­riu.

Apoio

O pre­si­den­te do Con­se­lho Co­mu­ni­tá­rio de Se­gu­ran­ça de Ma­rin­gá (Con­seg), Antônio Ta­deu Rodrigues, ava­lia que to­da for­ma de par­ti­ci­pa­ção co­mu­ni­tá­ria em prol da se­gu­ran­ça é bem-vin­da, pois so­zi­nho, o Es­ta­do não con­se­gue ad­mi­nis­trar. “A ini­ci­a­ti­va já exis­te em ou­tras ci­da­des. Com re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os, a ten­dên­cia é o cres­ci­men­to da ação”, diz. Rodrigues re­for­ça a im­por­tân­cia de man­ter diá­lo­go com os vi­zi­nhos. Em ca­so de vi­a­gem, dei­xar al­guém res­pon­sá­vel pe­la ca­sa, além de in­ves­tir em alar­mes, se­gu­ran­ça pri­va­da e ilu­mi­na­ção. “Se che­gar de car­ro e ti­ver uma pes­soa sus­pei­ta, é vá­li­do dar a vol­ta an­tes de en­trar em ca­sa”, com­ple­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.