Pes­ca se­rá li­be­ra­da no PR a par­tir de mar­ço

Pe­río­do da pi­ra­ce­ma, que co­me­çou em no­vem­bro, ter­mi­na es­ta se­ma­na; ape­sar da li­be­ra­ção, po­lí­cia aler­ta que pes­ca­do­res de­vem res­pei­tar al­gu­mas res­tri­ções

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com A par­tir do dia 1º de mar­ço, a pes­ca ama­do­ra e pro­fis­si­o­nal es­ta­rá li­be­ra­da nos ri­os bra­si­lei­ros. Des­de o iní­cio de no­vem­bro do ano pas­sa­do, qual­quer ti­po de pescaria foi proi­bi­da por cau­sa da pi­ra­ce­ma - pe­río­do de re­pro­du­ção dos pei­xes. Na re­gião de Ma­rin­gá, a Po­lí­cia Am­bi­en­tal per­ma­ne­ce em aler­ta e pre­ten­te atu­ar com ri­gor, mes­mo após a li­be­ra­ção.

Is­so por­que al­gu­mas nor­mas am­bi­en­tais ain­da de­vem ser res­pei­ta­das. As re­gras são vá­li­das pa­ra to­dos os pes­ca­do­res. No ca­so da­que­les que têm a pes­ca ape­nas por la­zer, o cui­da­do de­ve co­me­çar na com­pra dos ape­tre­chos, co­nhe­ci­dos co­mo tra­lha de pes­ca.

“Es­sa tra­lha se li­mi­ta ape­nas à li­nha de mão, va­ras com mo­li­ne­tes ou car­re­ti­lhas. Uso de tar­ra­fas, fis­gas e es­pi­nhéis é proi­bi­do. Im­por­tan­te tam­bém o pes­ca­dor se aten­tar ao ta­ma­nho do pei­xe e à quan­ti­da­de que po­de ser le­va­da por es­pé- cie”, ex­pli­cou o sar­gen­to Clail­ton Com­pa­dre, da Po­lí­cia Am­bi­en­tal de Ma­rin­gá.

Na re­gião, os ri­os mais pro­cu­ra­dos pe­los pes­ca­do­res são o Ivaí, Pa­ra­ná e Pa­ra­na­pa­ne­ma. Ou­tros ri­os, co­mo o Pi­ra­pó e o Pi­qui­ri, tam­bém têm gran­de mo­vi­men­to.

“In­fe­liz­men­te, é co­mum en­con­trar­mos nes­ses ri­os pes­so­as que não vi­vem da pes­ca e que agem de for­ma pre­da­tó­ria. Eles uti­li­zam re­des e fis­gas pa­ra pe­gar mui­tos pei­xes de uma só vez. Es­se, se for fla­gra­do pe­la po­lí­cia, te­rá pro­ble­mas”, dis­se o sar­gen­to.

Nor­ma

To­das as re­gras ao pes­ca­dor do Pa­ra­ná es­tão dis­po­ní­veis na Por­ta­ria nº 211/2012. Nes­ta nor­ma es­tão des­cri­tas tam­bém as es­pé­ci­es de pei­xes que con­ti­nu­am proi­bi­das, mes­mo fo­ra do pe­río­do de pi­ra­ce­ma. Os pes­ca­do­res pro­fis­si­o­nais – De acor­do com a Por­ta­ria 211, de 2012, emi­ti­da pe­lo Instituto Am­bi­en­tal do Pa­ra­ná (IAP), seis es­pé­ci­es são man­ti­das sob pro­te­ção. São elas: dou­ra­do; jaú; pi­ra­can­ju­va; ju­ru­po­ca; mon­jo­lo e surubim do igua­çu. Se­gun­do o ar­ti­go 5º des­ta por­ta­ria, a pes­ca des­sas es­pé­ci­es es­tá proi­bi­da até 2015. A Po­lí­cia Am­bi­en­tal do Pa­ra­ná es­tá dis­po­ní­vel pa­ra esclarecer dú­vi­das. Os te­le­fo­nes são que de­pen­dem da pes­ca e co­mer­ci­a­li­za­ção de pei­xes – pre­ci­sam es­tar ca­das­tra­dos no Mi­nis­té­rio da Pes­ca e Aqui­cul­tu­ra (MPA).

“Uma ou­tra aten­ção que o pes­ca­dor pre­ci­sa ter é com a em­bar­ca­ção que ele vai uti­li­zar. O pi­lo­to de­ve ser ha­bi­li­ta­do, e itens de se­gu­ran­ça, co­mo por exem­plo a dis­po­ni­bi­li­da­de do co­le­te sal­va-vi­das, de­vem es­tar bem aces­sí­veis no bar­co”, co­men­tou o co­man­dan­te re­gi­o­nal da Po­lí­cia Am­bi­en­tal, ca­pi­tão Lu­ci­a­no Bus­ki.

A com­pe­tên­cia pa­ra fis­ca­li­zar es­ses itens e emi­tir os do­cu­men­tos re­la­ci­o­na­dos a na­ve­ga­ção é da Ma­ri­nha do Bra­sil, mas a po­lí­cia au­xi­lia o tra­ba­lho dos mi­li­ta­res.

Se­gun­do o sub­co­man­dan­te da Po­lí­cia Am­bi­en­tal, te­nen­te Luiz Moreira, a po­lí­cia man­te­rá a fis­ca­li­za­ção em vá­ri­os pe­río­dos do dia. “Va­mos tra­ba­lhar tam­bém du­ran­te a noi­te e ma­dru­ga­da. Sa­be­mos que mui­tos pes­ca­do­res têm es­se há­bi­to por pen­sar que a fis­ca­li­za­ção não es­ta­rá pre­sen­te”, des­ta­cou.

“Re­co­men­da­mos que as pes­so­as si­gam a lei e não cri­em pro­ble­mas. Não es­ta­mos aqui pa­ra atra­pa­lhar o la­zer de nin­guém”, res­sal­tou o ca­pi­tão Bus­ki.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.