Ta­pe­te ver­me­lho com tom po­lí­ti­co

OS­CAR FES­TA Aca­de­mia de Hollywood en­tre­ga as po­lí­ti­cos res­sal­tam en­tre os in­di­ca­dos co­bi­ça­das estatuetas do Os­car ho­je; tí­tu­los

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Car­los Mer­ten

Es­ta­mos em con­ta­gem re­gres­si­va pa­ra o Os­car. Ho­je, a Aca­de­mia de Hollywood faz sua gran­de fes­ta e dis­tri­bui o prê­mio mais co­bi­ça­do do ci­ne­ma. OK, exis­tem a Pal­ma de Ou­ro, o Leão de Ou­ro, o Ur­so de Ou­ro, e o Cé­sar, o Baf­ta, o Goya e não im­por­ta mais qu­an­tos prê­mi­os, em to­do o mun­do. O Os­car é so­be­ra­no. Crí­ti­cos ado­ram fa­lar mal da in­dús­tria nor­te-ame­ri­ca­na e o Os­car mar­ca o re­co­nhe­ci­men­to da in­dús­tria he­gemô­ni­ca aos seus me­lho­res. Cria-se uma es­pé­cie de pa­ra­do­xo - co­mo de­se­jar aqui­lo que tam­bém se con­tes­ta?

Es­tre­ou (nos ci­ne­mas das gran­des ci­da­des; em Ma­rin­gá, ain­da não) o úl­ti­mo dos no­ve fil­mes que con­cor­rem à es­ta­tu­e­ta na ca­te­go­ria prin­ci­pal – “In­do­má­vel So­nha­do­ra” ini­ci­ou em Can­nes, no ano pas­sa­do, sua car­rei­ra in­ter­na­ci­o­nal. Pro­du­ção pe­que­na e in­de­pen­den­te, ga­nhou o prê­mio da mos­tra Un Cer­tain Re­gard e ago­ra con­cor­re ao Os­car com qua­tro in­di­ca­ções. Me­lhor fil­me, di­re­tor (Be­nh Zei­tlin), atriz (Qu­venzha­né Wal­lis) e ro­tei­ro. A lis­ta es­tá com­ple­ta e os no­ve fil­mes es­tão em car­taz em São Pau­lo. É uma lis­ta e tan­to – fil­mes gran­des, pe­que­nos, es­tran­gei­ros.

A abor­da­gem mais ób­via – e não des­pro­po­si­ta­da – con­sis­te em apon­tar o Os­car de 2013, no iní­cio do se­gun­do man­da­to de Ba­rack Oba­ma na Ca­sa Bran­ca, co­mo es­sen­ci­al­men­te po­lí­ti­co. Pe­lo me­nos qua­tro fil­mes con­fron­tam os EUA com seu pas­sa­do his­tó­ri­co – “Lin­coln”, de Ste­ven Spi­el­berg, e “Djan­go Li­vre”, de Qu­en­tin Ta­ran­ti­no – e o re­cen­te – “A Ho­ra Mais Es­cu­ra”, de Kathryn Bi­ge­low, e “Ar­go”, de Ben Af­fleck. O Os­car mais po­lí­ti- co cor­res­pon­de a me­nos da me­ta­de dos con­cor­ren­tes. Com­ple­tam a lis­ta des­de ener­gé­ti­cos – “O La­do Bom da Vi­da”, de Da­vid O. Rus­sell – até obras mi­san­tró­pi­cas co­mo “Amor”, de Mi­cha­el Ha­ne­ke. Fan­ta­sia? Tem – “As Aven­tu­ras de Pi”, de Ang Lee. Mu­si­cal? “Les Mi­sé­ra­bles”, de Tom Ho­o­per. In­de­pen­den­te? “In­do­má­vel So­nha­do­ra”.

O Os­car ex­põe a di­ver­si­da­de da pro­du­ção de Hollywood. Pro­por­ci­o­nal­men­te, a lis­ta de 2006, com cin­co fil­mes ape­nas, era mais po­lí­ti­ca – “Munique”, de Spi­el­berg; “Boa Noi­te e Boa Sor­te”, de Ge­or­ge Clo­o­ney; “Ca­po­te”, de Ben­nett Mil­ler; “O Se­gre­do de Bro­ke­back Moun­tain”, de Ang Lee; e “Crash - No Li­mi­te”, de Paul Hag­gis (o ven­ce­dor). “Munique” fe­chou a tri­lo­gia in­for­mal de Spi­el­berg so­bre o 11 de Se­tem­bro e, na­que­le ano, ha­via, en­tre os con­cor­ren­tes a me­lhor fil­me es­tran­gei­ro, o seu con­tra­pon­to per­fei­to – o pa­les­ti­no “Pa­ra­di­se Now”, de Hany AbuAs­sad. Es­te ano, pa­ra ser re­al- men­te po­lí­ti­co, o Os­car de fil­me es­tran­gei­ro de­ve­ria ter abri­ga­do o mar­ro­qui­no “Les Che­vaux de Di­eux”, de Na­bil Ayou­ch, con­tra­pon­to a “A Ho­ra Mais Es­cu­ra”. Ayou­ch fi­cou fo­ra, Bi­ge­low não foi in­di­ca­da co­mo di­re­to­ra. A dis­pu­ta es­tá em­bo­la­da e só não haverá sur­pre­sa se Da­ni­el DayLewis le­var o Os­car de Me­lhor Ator. Seu ros­to foi ta­lha­do pa­ra vi­ver Lin­coln - e o Os­car foi ta­lha­do pa­ra ele.

Divulgação

Da­ni­el Day-Lewis é “Lin­coln” no fil­me de Ste­ve Spi­el­berg: Os­car de Me­lhor Ator é in­dis­cu­tí­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.