Ar­go sai na

Im­pre­vi­si­bi­li­da­de mar­ca tem­po­ra­da do 85º Os­car, que anun­cia seus ven­ce­do­res nes­te do­min­go; fa­vo­ri­to, Ar­go po­de não le­var por­que seu di­re­tor nem foi in­di­ca­do AMOR (5 in­di­ca­ções)

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - El­ton Telles*

Uma tem­po­ra­da mar­ca­da pe­la im­pre­vi­si­bi­li­da­de e al­gu­mas in­co­e­rên­ci­as. As­sim po­dem ser de­fi­ni­dos os úl­ti­mos dois me­ses que an­te­ce­de­ram a tão aguar­da­da ce­rimô­nia do Os­car 2013, que se­rá re­a­li­za­da ho­je, em Los An­ge­les. A se­le­ção de fil­mes na ca­te­go­ria prin­ci­pal des­te ano é re­co­nhe­ci­da pe­la plu­ra­li­da­de de gê­ne­ros. De fa­ro­es­te a mu­si­cal, va­mos fi­nal­men­te co­nhe­cer qual pro­du­ção se­rá con­sa­gra­da na pre­mi­a­ção, que che­ga à sua 85ª edi­ção.

O th­ril­ler “Ar­go”, di­ri­gi­do por Ben Af­fleck, as­su­me o fa­vo­ri­tis­mo pe­lo his­tó­ri­co de prê­mi­os que abo­ca­nhou du­ran­te a tem­po­ra­da; no en­tan­to, a es­no­ba­da de Af­fleck na ca­te­go­ria Me­lhor Di­re­tor di­mi­nui as chan­ces do fil­me, já que o úl­ti­mo ven­ce­dor que não te­ve o di­re­tor se­quer in­di­ca­do foi “Con­du­zin­do Miss Daisy”, em 1990. Se­rá que “Ar­go” te­rá “co­lhões” pa­ra que­brar o je­jum de 23 anos?

Nes­te ano, o an­fi­trião da ce­rimô­nia se­rá o co­me­di­an­te Seth MacFar­la­ne, que tam­bém en­tra na dis­pu­ta pe­la es­ta­tu­e­ta dou­ra­da, de­fen­den­do a can­ção da co­mé­dia “Ted”, que di­ri­giu, ro­tei­ri­zou, du­blou o per­so­na­gem-tí­tu­lo, além de es­cre­ver a le­tra da mú­si­ca. Abai­xo, con­si­de­ra­ções a res­pei­to dos no­ve lon­gas que po­dem ven­cer na ca­te­go­ria Me­lhor Fil­me, a mais es­pe­ra­da: O ci­ne­ma do aus­tría­co Mi­cha­el Ha­ne­ke é co­nhe­ci­do por obras bru­tais e pro­vo­ca­do­ras. Com “Amor”, o ci­ne­as­ta se abs­tém da cru­el­da­de e te­má­ti­cas incô­mo­das, pro­du­zin­do um fil­me de­li­ca­do e emo­ci­o­nal­men­te de­vas­ta­dor so­bre um ca­sal de ido­sos que acom­pa­nha a mor­te len­ta da es­po­sa. Ro­tei­ro só­li­do e di­re­ção en­vol­ven­te, mas qu­em co­man­da o show são os ato­res ve­te­ra­nos Je­an-Louis Trin­tig­nant e Em­ma­nu­el­le Ri­va, que re­ce­beu uma in­con­tes­tá­vel in­di­ca­ção na ca­te­go­ria Me­lhor Atriz.

AR­GO (7 in­di­ca­ções)

“Ar­go” reproduz a in­crí­vel his­tó­ria ve­rí­di­ca da in­fil­tra­ção da CIA no Irã dos anos 70 pa­ra res­ga­tar seis re­féns. Pa­ra is­so, os agen­tes fin­gi­ram ser ci­ne­as­tas ca­na­den­ses à pro­cu­ra de lo­ca­ções pa­ra fil­mar um fil­me fal­so. Além do tom po­lí­ti­co, a his­tó­ria re­gis­tra a im­por­tân­cia do ci­ne­ma nes­sa ope­ra­ção, res­pon­sá­vel por sal­var meia dú­zia de ví­ti­mas. Sen­do as­sim, era pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel es­sa pro­du­ção pas­sar ba­ti­da no Os­car. Con­tu­do, pa­ra além da men­sa­gem po­si­ti­va re­fe­ren­te ao ci­ne­ma, Af­fleck cria um th­ril­ler com­pe­ten­te, ele­tri­zan­te.

AS AVEN­TU­RAS DE PI (11 in­di­ca­ções)

Poé­ti­co e re­fle­xi­vo, “As Aven­tu­ras de Pi” é uma pa­rá­bo­la oti­mis­ta so­bre a fé e a von­ta­de de (so­bre)vi­ver. Es­se tre­cho po­de so­ar piegas pa­ra al­guns, mas a ins­pi­ra­da di­re­ção de Ang Lee con­tor­na qual­quer men­sa­gem edi­fi­can­te en­la­ta­da, fa­zen­do do fil­me uma ex­pe­ri­ên­cia ines­que­cí­vel que de- sa­fia o es­pec­ta­dor a re­a­va­li­ar os pró­pri­os con­cei­tos. No en­tan­to, o que mais cha­ma a aten­ção na obra é o vi­su­al exu­be­ran­te e os efei­tos vi­su­ais, res­pon­sá­veis pe­la cri­a­ção do ti­gre, que, num mun­do jus­to, se­ria in­di- ca­do na ca­te­go­ria Me­lhor Ator Co­ad­ju­van­te.

DJAN­GO LI­VRE (5 in­di­ca­ções)

Qu­en­tin Ta­ran­ti­no sem­pre dei­xou cla­ra a sua von­ta­de de pro­du­zir um fa­ro­es­te. Fa­ná­ti­co pe­lo gê­ne­ro, o ci­ne­as­ta uti­li­za re­fe­rên­ci­as de obras clás­si­cas do wes­tern spaghett ita­li­a­no pa­ra seus fil­mes, co­mo “Pulp Fic­ti­on” ou a sa­ga “Kill Bill”. Fi­nal­men­te o di­re­tor lança o hi­lá­rio “Djan­go Li­vre” que, sem se pre­o­cu­par em ser um “ci­ne­ma de ho­me­na­gens”, con­fir­ma-se co­mo um le­gí­ti­mo bang bang à Ta­ran­ti­no: hu­mor cor­ro­si­vo tem­pe­ra­do com mui­ta vi­o­lên­cia e san­gue a gra­nel. Com um elen­co ex­cep­ci­o­nal, o fil­me é di­ver­são ga­ran­ti­da.

A HO­RA MAIS ES­CU­RA (5 in­di­ca­ções)

“A Ho­ra Mais Es­cu­ra” é um th­ril­ler ce­re­bral e im­pres­si­o­nan­te so­bre os 10 anos da ca­ça­da de Osa­ma Bin La­den. Cons­truí­do so­bre even­tos fac­tu­ais que le­va­ram à des­co­ber­ta do ter­ro­ris­ta no Paquistão, o ro­tei­ro de Mark Bo­al é in­te­li­gen­te, éti­co e co­e­so na re­cons­tru­ção dos fa­tos, com­por­tan­do-se mui­tas ve­zes co­mo uma re­por­ta­gem fil­ma­da. Sem exal­tar o sen­so de pa­tri­o­tis­mo, o fil­me é in­cri­vel­men­te bem su­ce­di­do em con­gra­tu­lar o pro­fis­si­o­na­lis­mo da CIA e, na mes­ma me­di­da, apon­tar as fra­gi­li­da­des da cor­po­ra­ção.

IN­DO­MÁ­VEL SO­NHA­DO­RA (4 in­di­ca­ções)

A pre­sen­ça de “In­do­má­vel So­nha­do­ra” na ca­te­go­ria prin­ci­pal foi sur­pre­en­den­te. Tra­ta­se de um fil­me pe­que­no, in­de­pen­den­te, com elen­co e equi­pe des­co­nhe­ci­dos e que pas­sou ba­ti­do nas bi­lhe­te­ri­as. O re­co­nhe­ci­men­to veio de fes­ti­vais al­ter­na­ti­vos e a vi­tó­ria em al­guns de­les atraiu os vo­tan­tes do Os­car. O fil­me é uma fá­bu­la en­can­ta­do­ra que mes­cla sel­va­ge­ria e ter­nu­ra, pro­ta­go­ni­za­da por uma ga­ro­ti­nha de 9 anos cha­ma­da Qu­venzha­né Wal­lis, a mais no­va in­di­ca­da na ca­te­go­ria Me­lhor Atriz do his­tó­ri­co da Aca­de­mia.

O LA­DO BOM DA VI­DA (8 in­di­ca­ções)

O tí­tu­lo dá a en­ten­der que pa­re­ce uma car­ti­lha de au­to­a­ju­da, mas “O La­do Bom da Vi­da” fe­liz­men­te en­con­tra no ta­len­to do di­re­tor e ro­tei­ris­ta Da­vid O. Rus­sell o tom ide­al pa­ra a his­tó­ria não cair em ar­ma­di­lhas e ser uma atra­en­te co­mé­dia ro­mân­ti­ca. O prin­ci­pal mé­ri­to do fil­me re­si­de no elen­co, tan­to que qua­tro ato­res são can­di­da­tos ao Os­car em to­das as ca­te­go­ri­as de in­ter­pre­ta­ção. O des­ta­que vai pa­ra o de­sem­pe­nho sur­pre­en­den­te de Bra­dley Coo- per e pa­ra a ado­rá­vel Jen­ni­fer La­wren­ce. (8 in­di­ca­ções)

LIN­COLN (12 in­di­ca­ções)

O no­vo fil­me de Ste­ven Spi­el­berg li­de­ra a cor­ri­da do Os­car 2013 com 12 in­di­ca­ções. Am­pa­ra­do pe­la atu­a­ção ma­gis­tral de Da­ni­el Day-Lewis, o fil­me re­tra­ta os úl­ti­mos anos da Gu­er­ra Ci­vil dos Es­ta­dos Uni­dos e a abo­li­ção do sis­te­ma es­cra­vo­cra­ta no país. O ro­tei­ro ir­re­gu­lar ado­ta uma es­tru­tu­ra for­mu­lar e re­pe­ti­ti­va pa­ra de­sen­vol­ver a his­tó­ria, sem fa­lar que a mão pe­sa­da de Spi­el­berg pra­ti­ca­men­te pin­ta o bi­o­gra­fa­do co­mo um Mes­si­as na Ter­ra. “Lin­coln” é um fil­me con­ven­ci­o­nal e aca­dê­mi­co, e tal­vez por es­se mo­ti­vo, te­nha agra­da­do a tan­tos es­pec­ta­do­res, prin­ci­pal­men­te os

nor­te-ame­ri­ca­nos.

OS MI­SE­RÁ­VEIS

Tal­vez o fil­me mais ou­sa­do des­ta edi­ção do Os­car se­ja o mu­si­cal “Os Mi­se­rá­veis”, já que o fil­me con­tém pou­cas fa­las di­tas “nor­mal­men­te”. São 157 mi­nu­tos de pu­ra can­to­ria, uma tor­tu­ra pa­ra qu­em não gos­ta do gê­ne­ro. En­tre­tan­to, há de se re­co­nhe­cer su­as in­ques­ti­o­ná­veis qua­li­da­des: elen­co es­pe­ta­cu­lar, com­pe­ten­te di­re­ção de ar­te e, prin­ci­pal­men­te, as can­ções fun­ci­o­nam per­fei­ta­men­te e não em­pa­cam a his­tó­ria. Mes­mo com du­ra­ção exa­ge­ra­da, “Os Mi­se­rá­veis” é uma ópe­ra ir­re­ve­ren­te e ca­ti­van­te.

El­ton Telles

Divulgação

“Ar­go”, de Ben Af­fleck: fil­me as­su­me o fa­vo­ri­tis­mo pe­lo his­tó­ri­co de prê­mi­os já con­quis­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.