Du­e­to de

Fran­cis Hi­me e Guin­ga se co­nhe­cem há 40 anos, mas só ago­ra gra­vam CD; “Fran­cis e Guin­ga” sai pe­la Bis­coi­to Fi­no

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - An­to­nio Gon­çal­ves Fi­lho

A par­ce­ria en­tre os com­po­si­to­res Fran­cis Hi­me e Guin­ga, en­sai­a­da há qua­tro dé­ca­das, foi fi­nal­men­te con­cre­ti­za­da com o CD Fran­cis e Guin­ga (Bis­coi­to Fi­no), que se­rá lan­ça­do nes­ta se­gun­da-fei­ra, às 21 ho­ras, no Te­a­tro Net Rio (Rua Si­quei­ra Cam­pos, 143, Rio de Ja­nei­ro). É um des­ses en­con­tros que de­fi­nem uma vi­da, co­mo foi o de Mi­chel Le­grand com Jac­ques Demy, pa­ra fa­lar do mais fa­mo­so au­tor de tri­lhas so­no­ras da Fran­ça, am­bos cri­a­do­res do pri­mei­ro fil­me in­tei­ra­men­te can­ta­do (diá­lo­gos, in­clu­si­ve) da his­tó­ria do ci­ne­ma, “Les Pa­ra­plui­es de Cher­bourg” (“Os Guar­da-Chu­vas do Amor”, 1964). Le­grand é ve­lho ami­go de Guin­ga. Fez pa­ra ele os ar­ran­jos da val­sa “Pas­sos e Assovios”, par­ce­ria sua com Pau­lo Cé­sar Pi­nhei­ro. Guin­ga can­ta “Amour, Amour” ao te­le­fo­ne (“L’amour se por­te au­tour du cou, le co­eur est fou”), em ho­me­na­gem a um dos gran­des mu­si­cais da du­pla Le­grand/Demy, “Pe­au d’Âne” (“Pe­le de As­no”). Can­ta en­quan­to es­pe­ra uma bre­cha na dis­pu­ta­da agen­da de Fran­cis pa­ra pro­por a ele uma in­cur­são­no­gê­ne­ro.

“Já es­pe­rei 40 anos por es­sa par­ce­ria até to­mar co­ra­gem e pro­por há dois anos a gra­va­ção do dis­co no ôni­bus do ae­ro­por­to”, con­ta Guin­ga, não des­car­tan­do a pos­si­bi­li­da­de de um mu­si­cal na es­tei­ra. “Ele vi­nha aqui em ca­sa, fa­lá­va­mos so­bre o Vas­co, nos­so ti­me, mas nun­ca so­bre gra­va­ções, o que aca­bou acon­te­cen­do na ponteaérea”, lem­braF­ran­cis.

Nos pró­xi­mos me­ses, pe­lo me­nos, o pro­je­to de uma no­va par­ce­ria vai ter de es­pe­rar. Depois do show de lan­ça­men­to de Fran­cis e Guin­ga, o pri­mei­ro se­gue pa­ra uma tur­nê eu­ro­peia com a mu­lher Olí­via Hi­me, pa­ra di­vul­gar o ál­bum ao vi­vo que fi­ze­ram jun­tos, “Al­ma­mú­si­ca”. Fran­cis ain­da es­pe­ra pa­tro­cí­nio pa­ra sua “Ópe­ra do Fu­te­bol”, que tem li­bre­to de Sil­va­na Gon­ti­jo e con­ta uma his­tó­ria de ri­va­li­da­de en­tre dois irmãos fu­te­bo­lis­tas - am­bi­ci­o­so pro­je­to em qua­tro atos que de­ve es­tre­ar só em 2014. An­tes, no fim des­te ano, seu Con­cer­to pa­ra Vi­o­li­no e Or­ques­tra se­rá exe­cu­ta­do pe­la Osesp com re­gên­cia de Isa­ac Ka­rabt­chevsky, ten­do Cláudio Cruz co­mo so­lis­ta.

Con­cer­to e no­va par­ce­ria

Na área eru­di­ta, Fran­cis con­cluiu um con­cer­to pa­ra har­pa e or­ques­tra, pen­sa­do pa­ra Cris­ti­na Bra­ga, e vai es­cre­ver um ou­tro pa­ra cla­ri­ne­te, que de­ve ter Cris­ti­a­no Al­ves co­mo so­lis­ta. Com tan­tos pro­je­tos, ele não des­car­ta, con­tu­do, uma no­va par­ce­ria com Guin­ga. “De vez em quan­do a gen­te pen­sa em fa­zer uma pe­ça sinfô­ni­ca e tal­vez is­so acon­te­ça”, adi­an­ta Fran­cis.

Guin­ga fi­ca lisonjeado, mas, mo­des­to, diz que tem li­mi­ta­ções na área, ape­sar de fa­mi­li­a­ri­za­do com o re­per­tó­rio clás­si­co - ele lis­ta uma de­ze­na de pre­fe­ri­dos que vai de Vil­la-Lo­bos a Scri­a­bin, pas­san­do por Fau­ré, Mah­ler, Charles Ives e Sa­mu­el Bar­ber. Guin­ga não te­ve apren­di­za­do for­mal na área eru­di­ta. É au­to­di­da­ta, mas tem uma me­mó­ria au­di­ti­va tão in­co­mum que é ca­paz de lem­brar no­ta por no­ta te­mas que to­dos es­que­ce­ram. E co­me­ça a can­tar: “One heart to tra­de or sell, one heart, an empty shell...”, te­ma prin­ci­pal de “O Ho­mem do Prego” (“The Pawn­bro­ker”), com­pos­to por Quincy Jo­nes em 1964 pa­ra o fil­me de Sid­ney Lu­met.

É um pri­vi­lé­gio ou­vi-lo can­tar ao te­le­fo­ne, mas qual a ra­zão de ter usa­do sua voz ape­nas em 1993, quan­do gra­vou “De­lí­rio Ca­ri­o­ca?”. “Te­nho uma voz rou­ca, co­mo to­dos na mi­nha fa­mí­lia”, jus­ti­fi­ca, con­si­de­ran­do­se mais vi­o­lo­nis­ta e com­po­si­tor que cantor. Na pri­mei­ra fun­ção, ele es­tre­ou ao la­do de Car­to­la. Co­mo au­tor, foi gra­va­do por to­do mun­do que im­por­ta na MPB, de Elis Re­gi­na (“Bo­le­ro de Sa­tã”) a Mil­ton Nas­ci­men­to, ten­do co­mo par­cei­ros de com­po­si­ção Chi­co Bu­ar­que, Al­dir Blanc e uma lis­ta in­fin­dá­vel de no­mes. Em Fran­cis e Guin­ga, ele acres­cen­ta mais um no­me à lis­ta, o de Olí­via Hi­me, que as­si­na a fai­xa de aber­tu­ra, “A Ver Na­vi­os”, com o ma­ri­do e Guin­ga. O re­per­tó­rio do dis­co mis­tu­ra com­po­si­ções dos dois au­to­res, bus­can­do se­me­lhan­ças te­má­ti­cas e me­ló­di­cas. As­sim, “Pas­sa­re­do” (Fran­cis e Chi­co Bu­ar­que) cru­za com “Nem Mais Um Pio” (Guin­ga e Sér­gio Na­tu­re­za), du­as pe­ças que pre­gam a pre­ser­va­ção am­bi­en­tal.

Guin­ga diz que a le­tra de Olí­via pa­ra “A Ver Na­vi­os” tra­duz per­fei­ta­men­te o cli­ma que o ins­pi­rou a es­cre­ver a pri­mei­ra par­te da me­lo­dia. “Es­ta­va na Itá­lia e o Me­di­ter­râ­neo me fez sen­tir sau­da­de do Bra­sil, o que deu nes­sa mú­si­ca meio caym­mi­ni­a­na”. Oli­via fa­la da “noi­te que sur­ge do fun­do do mar” pa­ra anun­ci­ar a “mou­ra can­ção” nu­ma lin­gua­gem poé­ti­ca que lem­bra o me­lhor de Ma­nu­el Ban­dei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.