Ci­da­da­nia ati­va

Os pri­mei­ros mo­vi­men­tos sin­di­cais nas­ce­ram co­mo ins­tru­men­tos de de­fe­sa

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Fer­nan­da Ber­to­la

Pre­cá­ri­as con­di­ções de tra­ba­lho, jor­na­das ex­ten­si­vas que che­ga­vam a 18 ho­ras diá­ri­as, bai­xos sa­lá­ri­os e opres­são à mu­lher tra­ba­lha­do­ra. Es­se era o ce­ná­rio na ori­gem do ca­pi­ta­lis­mo, em que os tra­ba­lha­do­res não ti­nham di­rei­tos ou pro­te­ção le­gal. No Bra­sil, as pri­mei­ras en­ti­da­des sin­di­cais fo­ram for­ma­das na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo 19, an­tes mes­mo de o País ter vi­vi­do am­pla in­dus­tri­a­li­za­ção. Li­ga­dos ao pro­ces­so de mu­dan­ça da eco­no­mia, os pri­mei­ros mo­vi­men­tos sin­di­cais e so­ci­ais nas­ce­ram co­mo ins­tru­men­tos de de­fe­sa dos tra­ba­lha­do­res as­sa­la­ri­a­dos - no ou­tro po­lo da re­la­ção, tam­bém nas­ce­ram os sin­di­ca­tos pa­tro­nais. “Do jei­to co­mo o co­nhe­ce­mos ho­je, o sin­di­ca­to é fi­lho da so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta”, diz o his­to­ri­a­dor Re­gi­nal­do Di­as. Se­gun­do ele, a mo­ti­va­ção ini­ci­al era a me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho e sa­lá­rio da clas­se ope­rá­ria, mas aos pou­cos es­sas or­ga­ni­za­ções de­sen­vol­ve­ram vi­são sis­tê­mi­ca de so­ci­e­da­de. “Os mo­de­ra­dos pas­sa­ram a rei­vin­di­car re­for­mas, que im­pli­ca­vam na in­tro­du­ção de di­rei­tos. Os ra­di­cais so­nha­vam com uma so­ci­e­da­de pós­ca­pi­ta­lis­ta”. A dis­se­mi­na­ção des­sas ini­ci­a­ti­vas re­sul­tou na Con­fe­de­ra­ção Ope­rá­ria Bra­si­lei­ra (COB), pri­mei­ra en­ti­da­de ope­rá­ria na­ci­o­nal que sur­giu em fun­ção do Pri­mei­ro Con­gres­so Ope­rá­rio Bra­si­lei­ro, re­a­li­za­do em abril de 1906. Par­ti­ci­pa­ram vá­ri­os sin­di­ca­tos, fe­de­ra­ções e uniões de ope­rá­ri­os. O sin­di­ca­lis­mo man­ti­nha gran­de in­de­pen­dên­cia do Es­ta­do na República Ve­lha (18891930). Nes­sa épo­ca pre­va­le­cia as gre­ves co­mo prin­ci­pal ar­ma dos tra­ba­lha­do­res. Di­as con­ta que tam­bém ha­via ten­dên­ci­as mais mo­de­ra­das, que bus­ca­vam se­me­ar di­rei­tos na le­gis­la­ção bra­si­lei­ra.

Re­sis­tên­cia

A cri­a­ção do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e da Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT) du­ran­te o go­ver­no de Ge­tú­lio Var­gas mo­di­fi­cou a re­la­ção en­tre go­ver­no e sin­di­ca­tos. O his­to­ri­a­dor diz que o go­ver­no con­sa­grou be­ne­fí­ci­os aos tra­ba­lha­do­res. Em con­tra­par­ti­da, res­trin­giu a au­to­no­mia do mo­vi­men­to sin­di­cal, a par­tir da Lei de Sin­di­ca­li­za­ção, de 1931 - que pre­via o con­tro­le fi­nan­cei­ro dos re­cur­sos das mes­mas, coi­bin­do gre­ves e ten­do co­mo me­ta con­ter a clas­se ope­rá­ria nos li­mi­tes do Es­ta­do. No mo­men­to em que o mo­vi­men­to tra­ba­lhis­ta cres­cia a pas­sos lar­gos acon­te­ceu o gol­pe mi­li­tar. Hou­ve per­se­gui­ção aos sin­di­ca­tos e cas­sa­ção de au­to­no­mia - im­plan­ta­do pe­la a di­ta­du­ra (1964-1985). “Mes­mo as­sim, em 1968 hou­ve um con­jun­tu­ra de gre­ves con­tra a po­lí­ti­ca de arrocho sa­la­ri­al im­pos­ta pe­lo go­ver­no mi­li­tar e, prin­ci­pal­men­te, con­tra a cas­sa­ção do di­rei­to de or­ga­ni­za­ção sin­di­cal li­vre e de fa­zer gre­ves”, des­ta­ca Di­as. Ao fi­nal da dé­ca­da de 1970, sur­giu o no­vo sin­di­ca­lis­mo, que rei­vin­di­ca­va au­to­no­mia fren­te ao Es­ta­do e li­ber­da­de de or­ga­ni­za­ção sin­di­cal. Na sequên­cia, sur­gi­ram as cen­trais sin­di­cais, a exem­plo da Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT) e a For­ça Sin­di­cal. “Ho­je, a re­a­li­da­de é plu­ra­lis­ta. De qual­quer mo­do, há vá­ri­os de­ba­tes so­bre o pa­pel que os sin­di­ca­tos de­vem de­sem­pe­nhar em uma so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca”. As­sim, o sin­di­ca­lis­mo con­tri­buiu de­ci­si­va­men­te no pro­ces­so de re­de­mo­cra­ti­za­ção bra­si­lei­ra. “So­mos re­gi­dos pe­lo prin­cí­pio da ci­da­da­nia ati­va, uma das ban­dei­ras dos mo­vi­men­tos so­ci­ais e sin­di­cais: to­do o poder ema­na do po­vo e com o po­vo se­rá exer­ci­do”. Fun­da­da em 1983, a Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT) é uma or­ga­ni­za­ção sin­di­cal bra­si­lei­ra, de ca­rá­ter clas­sis­ta, autô­no­mo e de­mo­crá­ti­co que se con­so­li­da co­mo a mai­or cen­tral sin­di­cal do Bra­sil, da Amé­ri­ca La­ti­na e a quin­ta mai­or do mun­do. A en­ti­da­de nas­ceu du­ran­te o Pri­mei­ro Con­gres­so Na­ci­o­nal da Clas­se Tra­ba­lha­do­ra (Con­clat), com a pre­sen­ça de cin­co mil ho­mens e mu­lhe­res de to­das as re­giões do País. Des­de o iní­cio, o com­pro­mis­so é de­fen­der os in­te­res­ses da clas­se tra­ba­lha­do­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.