Me­ta­lúr­gi­cos em ple­na sin­to­nia

Con­ven­ções co­le­ti­vas so­mam vi­tó­ri­as pa­ra uma ca­te­go­ria que es­te ano le­va pa­ra a me­sa mais uma con­quis­ta: a ces­ta bá­si­ca

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la

Das fi­chas de pa­pel e das vi­si­tas a pé de em­pre­sa em em­pre­sa, fi­ca­ram bo­as lem­bran­ças e um res­pei­to que du­ra até ho­je, in­clu­si­ve dos pa­trões. A pri­mei­ra se­de pró­pria foi con­quis­ta­da e re­for­ma­da du­as ve­zes por­que se tor­nou pe­que­na di­an­te da de­man­da por es­pa­ço. Ho­je, os me­ta­lúr­gi­cos de Ma­rin­gá tem Nos úl­ti­mos 15 anos o se­tor me­tal-me­câ­ni­co deu um sal­to em tec­no­lo­gia. O tra­ba­lho, an­tes com sis­te­ma de pro­du­ção qua­se ar­te­sa­nal, ga­nhou equi­pa­men­tos de úl­ti­ma ge­ra­ção que mo­di­fi­ca­ram o per­fil dos pro­fis­si­o­nais. Além da ex­pe­ri­ên­cia e co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­dos na pro­fis­são, atu­a­li­za­ção cons­tan­te e in­ves­ti­men­to em cur­sos de aper­fei­ço­a­men­to são exi­gên­ci­as ca­da vez mais co­muns do mer­ca­do. Na ava­li­a­ção do pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Me­ta­lúr­gi­cos de Ma­rin­gá, Epifânio Ma­ga­lhães de Oli­vei­ra, a en­ti­da­de vi­veu um pro­ces­so de evo­lu­ção pa­re­ci­do. “No iní­cio não tí­nha­mos nem ca­dei­ras pa­ra sen­tar. To­do o tra­ba­lho do sin­di­ca­to era fei­to no pa­pel, ca­da car­ta, ca­da fi­cha, tí­nha­mos que li­gar pa­ra os tra­ba­lha­do­res um por vez. Era ape­nas um fun­ci­o­ná­rio pa­ra dar con­ta de tudo. Na­que­le tem­po, os mil as­so­ci­a­dos eram uma vi­tó­ria, mas que­ría­mos cres­cer e es­bar­rá­va­mos na fal­ta de tem­po e de re­cur­sos”, lem­bra Oli­vei­ra. uma se­de que foi pro­je­ta­da es­pe­ci­al­men­te pa­ra abri­gar a par­te ad­mi­nis­tra­ti­va, sa­las e la­bo­ra­tó­ri­os de ca­pa­ci­ta­ção. E pa­ra aten­der o pes­so­al da re­gião, o sin­di­ca­to cres­ceu e ho­je tem subs­se­des nas ci­da­des de Lo­an­da, Pa­ra­na­vaí, Ci­a­nor­te, Cam­po Mourão e Umu­a­ra­ma. “Nós ti­ve­mos que evo­luir jun­to com as exi­gên­ci­as de mer­ca­do. Nos­sos fun­ci­o­ná­ri­os têm for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca na área em que pres­tam ser­vi­ço, a mai­o­ria tem cur­so su­pe­ri­or. Fe­cha­mos par­ce­ri­as pa­ra ga­ran­tir a qua­li­fi­ca­ção do tra­ba­lha­dor e ca­pa­ci­ta­ção pa­ra a fa­mí­lia de­le, ofe­re­ce­mos até cur­sos de in­for­má­ti­ca pa­ra adul­tos e pa­ra a ter­cei­ra

ida­de”, diz.

Pa­ra o pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Me­ta­lúr­gi­cos tra­ba­lhar pe­la pro­fis­si­o­na­li­za­ção é uma ques­tão pon­tu­al, tan­to que a en­ti­da­de já dis­po­ni­bi­li­za 32 cur­sos em di­ver­sas es­pe­ci­a­li­da­des. En­tre os te­mas dos cur­sos pro­fis­si­o­na­li­zan­tes es­tão ins­ta­la­ção de som e alar­me au­to­mo­ti­vo, me­câ­ni­ca de mo­tos, mar­te­li­nho de ou­ro e sol­da­dor. Os me­ta­lúr­gi­cos tam­bém po­dem apren­der in­for­má­ti­ca, do ní­vel bá­si­co até cur­sos avan­ça­dos de de­se­nho téc­ni­co, edi­ção de áu­dio e ví­deo, com­pu­ta­ção grá­fi­ca, en­tre ou­tros. Qu­em qui­ser po­de ain­da se es­pe­ci­a­li­zar em in­for­má­ti­ca avan­ça­da, co­mo nos cur­sos de pro­gra­ma­ção, di­gi­ta­ção ou ma­nu­ten­ção de com­pu­ta­do­res. “Ter 20 anos de em­pre­sa an­tes era su­fi­ci­en­te, mas ho­je não quer di­zer se­gu­ran­ça no emprego. O tra­ba­lha­dor que não tem co­nhe­ci­men­to mí­ni­mo de in­for­má­ti­ca e não se in­te­res­sa em apren­der, per­de em­pre­ga­bi­li­da­de por­que as em­pre­sas que­rem mão de obra qua­li­fi­ca­da”, re­for­ça ele. A in­fra­es­tru­tu­ra pa­ra os cur­sos é de pri­mei­ra li­nha, tem equi­pa­men­tos, sa­las cli­ma­ti­za­das e ca­da cur­so pro­fis­si­o­na­li­zan­te tem o seu la­bo­ra­tó­rio com ma­te­ri­ais e con­di­ções de apren­di­za­do. Os equi­pa­men­tos de in­for­má­ti­ca re­ce­bem aten­ção es­pe­ci­al e são re­no­va­dos con­for­me a de­man­da dos cur­sos.

Se­de pró­pria cen­tra­li­za to­dos os ser­vi­ços de in­te­res­se do tra­ba­lha­dor: aten­di­men­to, as­sis­tên­cia, es­pa­ço pa­ra reu­niões e sa­las de au­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.