Sin­di­mó­veis celebra con­quis­tas

Em um mo­men­to de gran­de va­lo­ri­za­ção pro­fis­si­o­nal, o Sin­di­ca­to dos Cor­re­to­res de Ma­rin­gá traz a mar­ca da ino­va­ção e ou­sa­dia

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la

A his­tó­ria do Sin­di­ca­to dos Cor­re­to­res de Imó­veis de Ma­rin­gá (Sin­di­mó­veis) co­me­ça em 1974, quan­do o mu­ni­cí­pio te­ve seu pri­mei­ro delegado, Jorge Fre­ga­dol­li. Nas úl­ti­mas dé­ca­das a en­ti­da­de cres­ceu e ho­je há mais de 1 mil pro­fis­si­o­nais cre­den­ci­a­dos pe­lo Con­se­lho Re­gi­o­nal dos Cor­re­to­res de Imó­veis (Cre­ci) atu­an­do na re­gi­o­nal. A en­ti­da­de é pre­si­di­da por uma mu­lher, a imo­bi­li­a­ris­ta e cor­re­to­ra Ma­ri­sa Ma­ru­ta­ka, des­de 2011. A de­le­ga­da re­gi­o­nal tem co­mo me­ta a pro­mo­ção da cre­di­bi­li­da­de da pro­fis­são. A ex­pec­ta­ti­va da di­re­to­ria atu­al é que o sin­di­ca­to de­ve cres­cer mui­to nos pró­xi­mos anos, so­bre­tu­do por­que haverá mui­tas opor­tu­ni­da­des pa­ra qu­em quer in­gres­sar na pro­fis­são. Ser cor­re­tor de imó­veis tem co­mo prin­ci­pais atra­ti­vos a au­to­no­mia e os ga­nhos do pro­fis­si­o­nal. A co­mis­são re­ce­bi­da pe­lo cor­re­tor é de 6% so­bre o va­lor do imó­vel ne­go­ci­a­do, quan­do vin­cu­la­do a uma imo­bi­liá­ria es­se va­lor é di­vi­di­do con­for­me nor­mas de ca­da em­pre­sa.

O cor­re­tor

O pa­pel so­ci­al do pro­fis­si­o­nal tam­bém me­re­ce re­co­nhe­ci­men­to. “Atu­ar co­mo um cor­re­tor de imó­veis é ser o con­cre­ti­za­dor de so­nhos”, res­sal­ta Ma­ri­sa. O imó­vel que o cli­en­te com­pra po­de ser a tão al­me­ja­da ca­sa pró­pria ou re­pre­sen­tar um in­ves­ti­men­to ren­tá­vel, o cor­re­tor aju­dar a con­cre­ti­zar es­se pro­je­to. O Sin­di­mó­veis acre­di­ta que, ape­sar do al­to nú­me­ro de cor­re­to­res re­gis­tra­dos em Ma­rin­gá, ain­da há ca­rên­cia de mão de obra qua­li­fi­ca­da pa­ra aten­der a de­man­da lo­cal. Uma das ra­zões é o al­to ní­vel de co­nhe­ci­men­to dos pro­fis­si­o­nais que o mer­ca­do exi­ge. O cor­re­tor de ho­je é um con­sul­tor pa­ra in­ves­ti­men­tos imo­bi­liá­ri­os, por is­so ele pre­ci­sa co­nhe­cer o pla­no di­re­tor da ci­da­de em que tra­ba­lha e ter co­nhe­ci­men­to das áre­as que en­vol­vem es­se per­fil de ne­gó­cio: de Ar­qui­te­tu­ra à Con­ta­bi­li­da­de. O Sin­di­mó­veis tra­ba­lha pa­ra fa­ci­li­tar ao cor­re­tor o aces­so à ca­pa­ci­ta­ção e aper­fei­ço­a­men­to. No de­cor­rer do ano o sin­di­ca­to ofer­ta di­ver­sos cur­sos, mui­tos pro­mo­vi­dos pe­la en­ti­da­de e al­guns em par­ce­ria com ou­tras ins­ti­tui­ções. Ou­tra ban­dei­ra da en­ti­da­de é o con­for­to e bem-es­tar dos cor­re­to­res. Pa­ra os pro­fis­si­o­nais que já fa­zem par­te do Sin­di­mó­veis, a en­ti­da­de ofe­re­ce con­vê­ni­os e uma se­de cam­pes­tre pa­ra la­zer e con­fra­ter­ni­za­ções, com chur­ras­quei­ras e cam­pos de fu­te­bol. Des­de 2012, uma par­ce­ria com o Se­co­vimed ga­ran­te 60 ti­pos de exa­mes gra­tui­tos e aten­di­men­to em oi­to es­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas.

Opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lho: Ma­rin­gá tem apro­xi­ma­da­men­te 1 mil cor­re­to­res cre­den­ci­a­dos no Con­se­lho Re­gi­o­nal de Cor­re­to­res de Imó­veis - Cre­ci. Além de­les, de acor­do com o Sin­di­mó­veis, há inú­me­ros es­ta­giá­ri­os, mas o mer­ca­do ain­da es­tá ca­ren­te de bons cor­re­to­res e gran­de par­te das imo­bi­liá­ri­as ma­rin­ga­en­ses procuram no­vos pro­fis­si­o­nais

No­vos ru­mos - a pre­si­dên­cia do sin­di­ca­to es­tá a car­go de uma mu­lher, um si­nal cla­ro de que a pro­fis­si­o­na­li­za­ção do se­tor tam­bém mu­dou al­guns pa­ra­dig­mas. “An­ti­ga­men­te es­sa era uma pro­fis­são pre­do­mi­nan­te­men­te mas­cu­li­na. Até 1995, éra­mos ape­nas 8% do to­tal, ho­je as mu­lhe­res re­pre­sen­tam cer­ca de 34% do mer­ca­do”, co­me­mo­ra Ma­ri­sa. Nes­se rit­mo, em seis anos es­ti­ma-se que as mu­lhe­res re­pre­sen­tem cer­ca de 50% dos cor­re­to­res no Bra­sil.

Pi­o­nei­ros - Ma­ri­sa lem­bra que ca­da in­di­ví­duo tem seu pa­pel quan­to à va­lo­ri­za­ção da pro­fis­são de cor­re­tor. Ela lem­bra que os pi­o­nei­ros ba­ta­lha­ram mui­to pa­ra que a pro­fis­são evo­luís­se e o sin­di­ca­to che­gas­se on­de es­tá. En­tre eles, a di­re­to­ria des­ta­ca Jorge Fre­ga­dol­li, Claudio San­dri (atu­al vi­ce-pre­si­den­te) e Ataí­des Tam­ba­ni, que há 38 anos se de­di­ca ao sin­di­ca­to.

Na ga­le­ria de ex-pre­si­den­tes do Sin­di­mó­veis es­tão fi­gu­ras co­nhe­ci­das no mer­ca­do co­mo Jorge Fre­ga­dol­li (1974/1978), Gil­son da Sil­va Es­ca­da (1978/1980), Claudio San­dri (1985/1989), Ataí­des Tam­ba­ni (1989/1993), Aer­ce Nor­ber­to Fran­co (1993/1995), Ataí­des Tam­ba­ni (1995/1998), Eli­as Go­mes So­a­res (1998/2001), Sa­ti­co No­ma Ike­da (2001/2002), Ataí­des Tam­ba­ni (2002/2004), De­nir Sec­co (2005/2007) e Clau­di­o­mar San­dri (2007/2011).

Divulgação

Em Ma­rin­gá, o nú­me­ro de cons­tru­ções e lo­te­a­men­tos é um es­tí­mu­lo pa­ra in­gres­sar na pro­fis­são. O su­ces­so des­ses em­pre­en­di­men­tos de­pen­de da com­pe­tên­cia dos cor­re­to­res de imó­veis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.