Cor­re­to­res, par­cei­ros do bom ne­gó­cio

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

O prin­ci­pal car­tão de vi­si­ta do cor­re­tor é a cre­di­bi­li­da­de e o sin­di­ca­to lu­ta pa­ra mos­trar à so­ci­e­da­de a im­por­tân­cia de se fa­zer tran­sa­ções imo­bi­liá­ri­as com a con­sul­to­ria de um pro­fis­si­o­nal ha­bi­li­ta­do. A en­ti­da­de de­fen­de que é pre­ci­so cri­ar nas pes­so­as o há­bi­to de pe­dir a cre­den­ci­al do cor­re­tor pa­ra con­fe­rir se ele é mes­mo cor­re­tor de imó­veis re­gu­la­ri­za­do. Mui­tas ve­zes às pes­so­as so­men­te des­co­brem que fi­ze­ram um pés­si­mo ne­gó­cio e que fo­ram aten­di­das por um “pi­ca­re­ta” depois que já ti­ve­ram um pre­juí­zo. Nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos mais de 90% dos negócios imo­bi­liá­ri­os são fei­tos acom­pa­nha­dos pe­los cor­re­to­res de imó­veis, mas no Bra­sil o con­cei­to ain­da pre­ci­sa mu­dar. As­sim co­mo não se com­pra um se­gu­ro sem a as­ses­so­ria de um cor­re­tor de se­gu­ros, tam­bém não se po­de ar­ris­car na com­pra de um bem, que mui­tas ve­zes reú­ne a eco­no­mia da vi­da to­da da fa­mí­lia, sem o acom­pa­nha­men­to de um cor­re­tor de imó­veis. O cor­re­tor é o pro­fis­si­o­nal mais pre­pa­ra­do pa­ra a ven­da, ele é o res­pon­sá­vel por me­di­ar ne­go­ci­a­ções en­tre o ven­de­dor do imó­vel e o pos­sí­vel com­pra­dor. Es­se pro­fis­si­o­nal po­de atu­ar tam­bém com com­pra, ven­da, per­mu­ta, lo­ca­ção e de­mais fun­ções re­la­ci­o­na­das com o mer­ca­do imo­bi­liá­rio, mas com to­das es­tas atri­bui­ções vêm agre­ga­das res­pon­sa­bi­li­da­des dos cor­re­to­res, co­mo de­fi­ne o art. 273 do Có­di­go Ci­vil. “O cor­re­tor é obri­ga­do a exe­cu­tar a me­di­a­ção com a di­li­gên­cia e pru­dên­cia que o ne­gó­cio re­quer, pres­tan­do ao cli­en­te, es­pon­ta­ne­a­men­te, to­das as in­for­ma­ções so­bre o an­da­men­to dos negócios; de­ve, ain­da, sob pe­na de res­pon­der por per­das e da­nos, pres­tar ao cli­en­te to­dos os es­cla­re­ci­men­tos que es­ti­ve­rem ao seu al­can­ce, acer­ca da se­gu­ran­ça ou ris­co do ne­gó­cio, das al­te­ra­ções de va­lo­res e do mais que pos­sa in­fluir nos re­sul­ta­dos da in­cum­bên­cia”. Va­le sa­ber que o cor­re­tor de imó­veis res­pon­de ci­vil e cri­mi­nal­men­te por atos pro­fis­si­o­nais da­no­sos ao cli­en­te cau­sa­dos por im­pe­rí­cia, im­pru­dên­cia, ne­gli­gên­cia ou in­fra­ções éti­cas. Des­de a co­lo­ni­za­ção do Bra­sil, o cor­re­tor foi o gran­de res­pon­sá­vel pe­lo de­sen­vol­vi­men­to das ci­da­des, pri­mei­ro ven­den­do imó­veis ru­rais, depois ven­den­do a ideia das ci­da­des. Ele ven­de o so­nho de se mo­rar bem, de se in­ves­tir bem. Com o pas­sar dos tem­pos, o cor­re­tor de imó­veis dei­xou de ser um in­ter­me­di­a­dor de negócios imo­bi­liá­ri­os pa­ra ser um con­sul­tor. Ho­je o cor­re­tor não so­men­te ven­de, ele in­di­ca bons in­ves­ti­men­tos, o cli­en­te não quer ape­nas com­prar, ele quer a opi­nião pro­fis­si­o­nal de­le. Is­so traz à to­na a res­pon­sa­bi­li­da­de que o cor­re­tor pre­ci­sa ter, por is­so não se de­ve nun­ca fa­zer negócios com qu­em não se­ja cre­den­ci­a­do no Con­se­lho Re­gi­o­nal dos Cor­re­to­res de Imó­veis (Cre­ci).

Pa­ra ser cor­re­tor pre­ci­sa an­tes de tudo ter gar­ra, for­ça de von­ta­de pa­ra es­tu­dar e es­tar cons­tan­te­men­te se qua­li­fi­can­do e se atu­a­li­zan­do, ser éti­co, não ser ime­di­a­tis­ta, pre­ci­sa sa­ber que é me­lhor de­mo­rar mais pa­ra re­ce­ber, mas ter a cer­te­za que in­di­cou a me­lhor op­ção pa­ra aque­le cli­en­te. Pre­ci­sa ter uma vi­são glo­bal, en­ten­der o que ocor­re no mun­do e sa­ber qual se­rá a con­sequên­cia dis­so na sua re­gião. Ser co­mu­ni­ca­ti­vo e ha­bi­li­do­so com as pa­la­vras tam­bém aju­da na pro­fis­são. Sim! Ma­rin­gá tem uma es­tru­tu­ra fan­tás­ti­ca, atraí­mos no­vos mo­ra­do­res por nos­sa qua­li­da­de de vi­da, pe­lo en­si­no e de­ve­mos mui­to dis­so à ad­mi­nis­tra­ção da pre­fei­tu­ra ma­rin­ga­en­se, que co­or­de­nou Ma­rin­gá nes­ta di­re­ção. Mas tam­bém aos cor­re­to­res, eles que ven­de­ram o so­nho de se mo­rar nu­ma ci­da­de pla­ne­ja­da e bem es­tru­tu­ra­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.