O ca­so dos royal­ti­es da so­ja trans­gê­ni­ca

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A res­sa­ca do Car­na­val de 2013 es­tá sen­do mais amar­ga pa­ra al­guns se­to­res. Depois de pu­la­rem de ale­gria com a ex­pec­ta­ti­va da sa­fra 2012/2013 (que ain­da é ex­pec­ta­ti­va), os so­ji­cul­to­res de nos­so ama­do Bra­sil ama­nhe­ce­ram a qu­ar­ta-fei­ra de cin­zas com um ce­ná­rio bem cin­zen­to pe­la fren­te.

Es­tão re­ce­ben­do de su­as co­o­pe­ra­ti­vas e dis­tri­bui­do­res de se­men­tes um do­cu­men­to cha­ma­do de “acor­do de li­cen­ci­a­men­to de tec­no­lo­gia e qui­ta­ção ge­ral”, im­pos­to pe­la Mon­san­to do Bra­sil LT­DA, que ob­je­ti­va três coi­sas: a) fa­zer o pro­du­tor abrir mão de seus di­rei­tos que es­tão sen­do qu­es­ti­o­na­dos na jus­ti­ça em re­la­ção aos royal­ti­es da so­ja RR1; b) acei­tar um sis­te­ma de co­bran­ça de royal­ti­es so­bre a futura RR2, que ja­mais se aca­ba­rá; e c) es­cra­vi­zar e do­mi­nar o mer­ca­do bra­si­lei­ro de so­ja.

O que me es­pan­ta, co­mo ju­ris­ta, não é o nú­me­ro de pro­du­to­res ru­rais que, mal ori­en­ta­dos, vai ade­rir, sem ques­ti­o­nar, aos in­fer­nais ter­mos do tal acor­do. O que me es­pan­ta é que o go­ver­no fe­de­ral não to­me qual­quer pro­vi­dên­cia e as­sis­ta, dei­ta­do eter­na­men­te em ber­ço es­plên­di­do, à Pá­tria ama­da ser es­po­li­a­da e lan­ça­da pe­la ci­ta­da mul­ti­na­ci­o­nal num ver­da­dei­ro pro­ces­so de de­pen­dên­cia des­le­al, aten­ta­tó­ria à so­be­ra­nia na­ci­o­nal e que, na prá­ti­ca, faz do so­lo bra­si­lei­ro o quin­tal des­ta gi­gan­te do agronegócio. Va­mos exa­mi­nar al­guns fa­tos ape­nas.

A lei 9.456/97, que es­ta­be­le­ce as pro­te­ções, obri­ga­ções e nor­mas pa­ra os cul­ti­va­res, den­tre eles não ape­nas os di­rei­tos da­que­les que de­sen­vol­vem no­vos cul­ti­va­res (co­mo o ca­so da Mon­san­to), mas tam­bém os di­rei­tos dos pro­du­to­res ru­rais. E o ar­ti­go 10 da ci­ta­da lei é cla­ro ao per­mi­tir, isen­to de pa­ga­men­to de royal­ti­es, que o pro­du­tor reserve se­men­tes de seu plan­tio pa­ra uso pró­prio, em seu es­ta­be­le­ci­men­to ou em es­ta­be­le­ci­men­to de ter­cei­ro que de­te­nha a pos­se.

Es­ta é uma das dis­cus­sões que es­tá sen­do tra­va­da no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), pois a Mon­san­to co­bra royal­ti­es so­bre es­tas se­men­tes re­ser­va­das. O que pre­ten­de o acor­do é não ape­nas que o pro­du­tor re­nun­cie ao di­rei­to que es­tá sen­do dis­cu­ti­do quan­to às co­bran­ças pas­sa­das, co­mo re­co­nhe­ça a le­ga­li­da­de da co­bran­ça, pa­ra o fu­tu­ro (RR2), do pa­ga­men­to de royal­ti­es em ca­so de re­ser­va de se­men­tes. Is­to ofen­de, cla­ra­men­te, os ter­mos da Lei 9.456/97, e não de­ve re­ce­ber o aval dos pro­du­to­res.

Mais ain­da o que es­tá por de­trás do mal­fa­da­do acor­do é a ame­a­ça ve­la­da pa­ra aque­les que não as­si­na­rem de que não po­de­rão (sem ade­rir ao acor­do) ter aces­so à tec­no­lo­gia RR2, que en­tra­rá no mer­ca­do em subs­ti­tui­ção á RR1. Tal ame­a­ça, ca­so ve­nha a se con­cre­ti­zar, haverá de ser debelada atra­vés da apli­ca­ção do ar­ti­go 2º, in­ci­so I, da Lei 1.521, de 26 de De­zem­bro de 1951, co­nhe­ci­da co­mo Lei da Eco­no­mia Po­pu­lar.

Ali­a­do a is­so, e aqui é que me es­pan­ta o go­ver­no, o Bra­sil já vi­ve uma de­pen­dên­cia da so­ja trans­gê­ni­ca (em 2011 em tor­no de 80% da so­ja bra­si­lei­ra era trans­gê­ni­ca), a pon­to de que não te­mos se­men­tes pa­ra ou­tra op­ção de plan­tio, co­mo o or­gâ­ni­co por exem­plo, o que co­lo­ca a pro­du­ção na­ci­o­nal, e con­se­quen­te­men­te a so­be­ra­nia na­ci­o­nal, nas mãos e de­bai­xo dos in­te­res­ses de uma em­pre­sa que não é na­ci­o­nal.

Aqui no Bra­sil, a Apro­so­ja e ou­tras en­ti­da­des já tem se po­si­ci­o­na­do e con­de­na­do o acor­do so­bre royal­ti­es da so­ja RR1. Pen­so que ca­da agri­cul­tor de nos­so ama­do Bra­sil de­ve re­fle­tir mui­to e con­sul­tar um ad­vo­ga­do an­tes de pen­sar em as­si­nar o ca­nhes­tro acor­do. O que es­pe­ra­mos é que o Go­ver­no Fe­de­ral in­ter­ve­nha no ca­so, em de­fe­sa dos in­te­res­ses da so­be­ra­nia na­ci­o­nal e da li­ber­da­de de mer­ca­do dos pro­du­to­res na­ci­o­nais.

Por fim, o si­nis­tro acor­do im­põe o de­ver do pro­du­tor rural, pa­ra usar a futura RR2, de plan­tar 20% da área co­mo “re­fú­gio” com so­ja não re­sis­ten­te a pra­gas. Se o pro­du­tor rural já es­tá im­pe­di­do de plan­tar em 20%, 35% ou 80% que é a área da re­ser­va le­gal de­pen­den­do da re­gião, o que ocor­re­rá é que, na prá­ti­ca, ain­da haverá uma re­du­ção de 20% so­bre a área de plan­tio. O plan­tio de 20% da área com so­ja não re­sis­ten­te pa­ra ser de­vo­ra­da pe­los in­se­tos, co­mo diz tex­tu­al­men­te o tal acor­do, “é es­sen­ci­al pa­ra pre­ser­var a Tec­no­lo­gia In­tac­ta RR2 PRO”.

Não é pre­ci­so mui­to es­for­ço pa­ra per­ce­ber on­de es­ta­mos sen­do lan­ça­dos. Acor­da Bra­sil!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.