As ilu­sões pre­mi­a­das

ES­PE­TÁ­CU­LO Prê­mi­os de “Ar­go” e “As Aven­tu­ras de Pi” pro­vam que Hollywood apos­ta mais na for­ça da ilu­são e do “ci­ne­ma co­mo ele é”, do que na con­ten­ção e in­ves­ti­ga­ção his­tó­ri­ca

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ubi­ra­tan Bra­sil

No con­fron­to com a po­lí­ti­ca, Hollywood pre­fe­riu a ar­te do ilu­si­o­nis­mo. Foi es­sa a men­sa­gem pas­sa­da pe­la Aca­de­mia de Ar­tes Ci­ne­ma­to­grá­fi­cas na fes­ta da en­tre­ga do Os­car, que ter­mi­nou na ma­dru­ga­da des­ta se­gun­da­fei­ra, em Los An­ge­les. As vi­tó­ri­as de “Ar­go” (me­lhor fil­me e ro­tei­ro adap­ta­do) e “As Aven­tu­ras de Pi” (di­re­ção, além de uma sé­rie de prê­mi­os téc­ni­cos) com­pro­vam que a me­ca do ci­ne­ma ain­da apos­ta em su­as pró­pri­as for­ças, ba­se­a­das na téc­ni­ca e na ma­gia.

O re­ca­do tam­bém foi pas­sa­do a Ste­ven Spi­el­berg, um dos res­pon­sá­veis­pe­la­con­so­li­da­ção­dain­dús­tria da ilu­são e que, com sua bi­o­gra­fia por­ten­to­sa de Lin­coln, fi­cou ape­nas com a pre­vi­sí­vel es­ta­tu­e­ta pa­ra Da­ni­el Day-Lewis co­mo ator; e prin­ci­pal­men­te a Kathryn Bi­ge­low, cu­jo lon­ga “A Ho­ra Mais Es­cu­ra” e sua tra­ma incô­mo­da foi ig­no­ra­do­pe­laA­ca­de­mia.

“Eu que­ria tra­ba­lhar com es­ses ca­ras (os tam­bém pro­du­to­res Grant Hes­lov e Ge­or­ge Clo­o­ney) e eles­me­con­ven­ce­ra­ma­di­ri­gi­res­se ro­tei­ro”, co­men­tou Ben Af­fleck, na­en­tre­vis­ta­co­le­ti­va­de­pois­da­ce­rimô­nia. “Ar­go”, em su­as mãos, mais que um re­la­to po­lí­ti­co, res­sal­ta a for­ça da ilu­são hollywo­o­di­a­na­a­o­con­ta­rahis­tó­ri­a­do­mi­ra­bo­lan­te­res­ga­te­de­ci­da­dão­sa­me­ri­ca­nos­doI­rã,em1979.

Ain­da que fi­el ao li­vro que ins­pi­rou a tra­ma, Af­fleck re­co­nhe­ceu que foi pre­ci­so to­mar li­ber­da­des cri­a­ti­vas. “Quan­do se faz um fil­me his­tó­ri­co, na­tu­ral­men­te é ne­ces­sá­rio que se fa­çam es­co­lhas cri­a­ti­vas a fim de con­den­sar a tra­ma em uma es­tru­tu­ra de três atos. Não é uma coi­sa fá­cil de se fa­zer. Pro­cu­rei hon­rar a ver­da­de da es­sên­cia, o ti­po de ver­da­de fun­da­men­tal­que­mar­ca­a­nar­ra­ti­va.”

Ao fi­nal, po­rém, os pro­ta­go- nis­tas do fil­me ten­dem mais pa­ra os ar­tis­tas do ci­ne­ma, in­ter­pre­ta­dos por John Go­od­man e Alan Ar­kin, que pro­pri­a­men­te os agen­tes da CIA res­pon­sá­veis pe­lo res­ga­te. “O de­sa­fio era não des­res­pei­tar a re­al ex­pe­ri­ên­cia vi­vi­da pe­las pes­so­as que vi­vi­am co­mo re­féns na em­bai­xa­da ca­na­den­se”, afir­mou o ro­tei­ris­ta Ch­ris Ter­rio. “Acre­di­to que o pon­to de equi­lí­brio é o per­so­na­gem John Cham­bers, vi­vi­do por Go­od­man:

“Pi”: ima­gem e som

en­quan­to cri­a­va as más­ca­ras pa­ra o fil­me O Pla­ne­ta dos Ma­ca­cos, ele tam­bém fa­zia os dis­far­ces que a CIA usa­va em su­as in­fil­tra­ções. Gra­ças a ele, ti­ve­mos dois tons no fil­me e, de uma cer­ta for­ma, is­so me deu per­mis­são pa­ra usar um diá­lo­go cáus­ti­co, irô­ni­co, bemhu­mo­ra­do.” Os de­sa­fi­os de Ang Lee, em “As Aven­tu­ras de Pi”, fo­ram dis­tin­tos. “Foi um mi­la­gre ter re­a­li­za­do es­se fil­me”, ob­ser­vou. “É um li­vro fi­lo­só­fi­co, que im­pli­ca­va uma pro­du­ção ca­ra. Ou se­ja, a pi­or com­bi­na­ção pos­sí­vel.” A so­lu­ção en­con­tra­da foi re­a­li­zar o fil­me em 3D, o que po­de­ria as­se­gu­rar um su­ces­so na bi­lhe­te­ria. Lee, po­rém, ti­nha ou­tro ob­je­ti­vo pa­ra a téc­ni­ca. “Pa­ra mim, fil­mes as­sim são uma gran­de ar­te vi­su­al, não é ape­nas um ela­bo­ra­do tra­ba­lho de com­pu­ta­ção grá­fi­ca”, co­men­tou. “Mi­nha gran­de ins­pi­ra­ção con­ti­nua sen­do 2001: Uma Odis­seia no Es­pa­ço. É pu­ra ex­pe­ri­ên­cia vi­su­al, uma vi­a­gem vis­ce­ral e psi­co­ló­gi­ca. É aí que es­tá a es­sên­ci­a­do­ci­ne­ma.”

Ima­gem e som, apren­deu Lee em seus anos nos EUA, for­mam a ba­se da sé­ti­ma ar­te. Em dez anos de con­vi­vên­cia e apren­di­za­do, ele des­co­briu que a gra­má­ti­ca vi­su­al apli­ca­da aqui é so­fis­ti­ca­da. E, co­mo en­si­na “Ar­go”, a ilu­são é a es­sên­cia do ne­gó­cio.

É nis­so em que tam­bém acre­di­tam os pro­du­to­res da fes­ta do Os­car, Craig Za­dan e Neil Me­ron. Eles cri­a­ram uma ce­rimô­nia que, sob o co­man­do de Seth MacFar­la­ne, foi mais sar­cás­ti­ca e ma­li­ci­o­sa, cul­mi­nan­do com a gran­de sur­pre­sa da par­ti­ci­pa­ção da pri­mei­ra-da­ma ame­ri­ca­na, Mi­chel­le Oba­ma. “Fo­ram se­ma­nas de ne­go­ci­a­ção, sem­pre em se­gre­do”, con­tou Za­dan. “Vi­a­ja­mos em um ja­to fre­ta­do pe­la ABC (re­de de TV que trans­mi­te o Os­car pa­ra to­do o mun­do) e, na Ca­sa Bran­ca, to­dos usa­ram iden­ti­da­de se­cre­ta pa­ra não cha­mar aten­ção.” Mais um pon­to pa­ra os ilu­si­o­nis­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.