Spi­el­berg adul­to é es­no­ba­do

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Za­nin Oric­chio

Di­zem que Hollywood é a me­ca do es­pe­tá­cu­lo. Ven­do-se o Os­car 2013 há ra­zões pa­ra du­vi­dar. Além do hu­mor pa­ra lá de du­vi­do­so do apresentador Seth MacFar­la­ne, di­ri­gin­do uma ce­rimô­nia lon­ga, ar­ras­ta­da e te­di­o­sa, a Aca­de­mia pre­si­diu uma his­tó­ri­ca opor­tu­ni­da­de per­di­da. Já ima­gi­na­ram o efei­to da pri­mei­ra-da­ma Mi­chel­le Oba­ma anun­ci­an­do Lin­coln co­mo ven­ce­dor? Afi­nal, o fil­me de Ste­ven Spi­el­berg tra­ta do pro­ces­so his­tó­ri­co que se ini­cia com a apro­va­ção da 13ª Emen­da, pas­sa pe­la lu­ta pe­los di­rei­tos ci­vis dos anos 1960 e cul­mi­na com a che­ga­da de um ca­sal afro­des­cen­den­te à Ca­sa Bran­ca, fa­to im­pen­sá­vel, di­ga­mos, uns 15 anos atrás. Que na­da: Mi­chel­le, char­mo­sís­si­ma, li­mi­tou-se a anun­ci­ar a vi- tó­ria de “Ar­go”, fil­me que tem, sim, qua­li­da­des, e celebra a ação da CIA na po­lí­ti­ca ex­ter­na. Na épo­ca dos dro­nes, tal­vez se­ja es­sa mes­ma a ver­da­de so­bre o go­ver­no Oba­ma, pa­ra de­cep­ção de ca­be­ças mais li­be­rais.

Em to­do ca­so, pa­ra qu­em vi­ve de es­pe­tá­cu­lo, a vi­tó­ria de “Lin­coln” te­ria si­do um trun­fo e tan­to. Mas não acon­te­ceu. Pe­lo con­trá­rio, foi uma aca­cha­pan­te der­ro­ta pa­ra Spi­el­berg, que além de per­der o tro­féu de di­re­tor pa­ra Ang Lee, viu seu fil­me, in­di­ca­do em 12 ca­te­go­ri­as, em­pla­car ape­nas em du­as - ator, na bar­ba­da mai­or des­ta edi­ção, pa­ra Da­ni­el Day-Lewis, e di­re­ção de ar­te, que ago­ra es­tão cha­man­do de de­sign de pro­du­ção.

“Lin­coln” era, no en­tan­to, o fil­me mais só­li­do em con­cur­so - ti­ran­do, é cla­ro, o me­lhor de to­dos, “Amor”, do aus­tría­co Mi­cha­el Ha­ne­ke, que ven­ceu na par­te que lhe to­ca­va, fil­me es­tran­gei­ro, e não nas ou­tras ca­te­go­ri­as em que es­ta­va in­di­ca­do, atriz (Em­ma­nu­el­le Ri­va) e di­re­tor (Ha­ne­ke).

O ven­ce­dor, “Ar­go”, faz con­ces­sões de­mais ao cli­chês do sus­pen­se, em­bo­ra se­ja bom de se ver. Nin­guém se en­te­dia com es­sa boa his­tó­ria do res­ga­te de seis ci­da­dãos ame­ri­ca­nos de Te­e­rã, em 1979. Exal­ta a cri­a­ti­vi­da­de de um agen­te, Tony Men­dez (o pró­prio Af­fleck) e do seu su­por­te ci­ne­ma­to­grá­fi­co, en­ga­be­lan­do a mi­lí­cia xi­i­ta, o que tal­vez pro­por­ci­o­ne pra­zer adi­ci­o­nal ao es­pec­ta­dor nos Es­ta­dos Uni­dos.

Tudo so­ma­do, qu­em se deu bem foi “As Aven­tu­ras de Pi”, que saiu com qua­tro tro­féus, in­cluí­do o de me­lhor di­re­tor, es­te mes­mo que to­dos jul­ga­vam des­ti­na­do a Spi­el­berg pe­lo mais den­so, sé­rio, sem con­ces­sões e ma­du­ro de seus fil­mes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.