Be­a­tles boê­mi­os vi­ra mu­si­cal

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ro­ber­to Nas­ci­men­to

Em um dos me­lho­res mo­men­tos de “Back­be­at”, um mu­si­cal so­bre os pri­mór­di­os dos Be­a­tles, em car­taz em Los An­ge­les, John Len­non ta­teia a me­lo­dia de “Twist and Shout”, pro­cu­ran­do a me­lhor rou­pa­gem pa­ra a can­ção. Paul McCart­ney en­tra em ce­na e pal­pi­ta que o acom­pa­nha­men­to es­tá mui­to len­to. Faz uma pi­a­da so­bre o viés la­ti­no da com­po­si­ção, e aos pou­cos os dois trans­for­mam “sha­ke it up baby” no re­frão que co­nhe­ce­mos. É uma es­per­ta in­tro­du­ção pa­ra o du­e­to que su­ce­de, e uma das vá­ri­as re­cons­ti­tui­ções da di­nâ­mi­ca da ban­da na épo­ca em que la­pi­da­vam ta­len­to em sets de seis ho­ras, nos ca­ba­rés de Ham­bur­go, an­tes de do­mi­na­rem o mun­do.

O ro­tei­ro de “Back­be­at” é uma adap­ta­ção do fil­me de mes­mo no­me, de Ste­ven Jef­freys, lan­ça­do em 1994. A his­tó­ria se pas­sa du­ran­te os dois anos em que o gru­po es­te­ve na Ale­ma­nha e tem co­mo per­so­na­gens mú­si­cos co­mo Pe­te Best e Stu­art Sut­clif­fe, que in­te­gra­ram a ban­da no pe­río­do de for­ma­ção, mas tor­na­ram-se ro­da- pés na his­tó­ria da ban­da. Co­mo no fil­me, os ga­ro­tos de Li­ver­po­ol são ca­rac­te­ri­za­dos co­mo fan­far­rões bri­lhan­tes e an­fe­ta­mi­na­dos, de­di­ca­dos tan­to ao rock´n roll quan­to à vi­da bo­e­mia da zo­na ale­mã. Ar­ran­jam bri­gas, se es­qui­vam de ca­dei­ra­das, to­cam pe­sa­do e não ig­no­ram os ser­vi­ços se­xu­ais in­clu­sos no mé­ti­er.

Mas se a di­re­ção mais ób­via a ser to­ma­da por um mu­si­cal so­bre a ban­da mais fa­mo­sa de to­dos os tem­pos se­ria a re­cons­ti­tui­ção de hits, “Back­be­at” sur­pre­en­de e man­tém-se fi­el aos fa­tos. O que ou­vi­mos en­tre os dra­mas que im­pul­si­o­nam a nar­ra­ti­va é o rock pri­mi­ti­vo de Chuck Ber­ry e ou­tros, que in­flu­en­ci­a­vam a ban­da na épo­ca.

É uma dei­xa pa­ra in­se­rir clás­si­cos co­mo “Johnny B. Go­o­de”, de Ber­ry, ou “Go­od Golly Miss Molly”, de Lit­tle Ri­chard, e usar a ex­plo­si­vi­da­de de tais riffs pa­ra ilus­trar a re­bel­dia tur­bi­na­da, de je­ans e ja­que­ta de cou­ro, que os Be­a­tles tra­zi­am ao re­per­tó­rio. A tri­lha so­no­ra do fil­me de Jef­freys exem­pli­fi­ca a pro­pos­ta: mú­si­cos al­ter­na­ti­vos, co­mo Da­ve Grohl e Thurs­ton Mo­o­re, re­cons­truí­ram o som do Be­a­tles, al- me­jan­do uma ca­ra pré-punk à abor­da­gem mu­si­cal do gru­po. Es­sa agres­si­vi­da­de rock n ´roll é fei­ta ao vi­vo pe­los ato­res An­drew Knott (John), Da­ni­el Healy (Paul), Da­ni­el Westwick (Ge­or­ge), e Oli­ver Ben­nett (Pe­te Best, pois Rin­go en­tra pa­ra a ban­da ape­nas no fim do se­gun­do ato), uma com­bi­na­ção de his­tó­ria e tri­lha, qua­se um show, vis­ta em ou­tros mu­si­cais fa­mo­sos da atu­a­li­da­de, co­mo Fe­la! e On­ce (Ape­nas uma Vez).

Ou­tra cu­ri­o­si­da­de de “Back­be­at” é a cen­tra­li­za­ção de Stu­art Sut­clif­fe na his­tó­ria. Ele foi o pri­mei­ro bai­xis­ta dos Be­a­tles, mas dei­xou a ban­da pa­ra se­guir car­rei­ra de ar­tis­ta plás­ti­co an­tes de o gru­po al­can­çar a fa­ma.

No mu­si­cal, seu ro­man­ce com a fo­tó­gra­fa ale­mã Astrid Kir­chherr é a prin­ci­pal for­ça mo­triz do en­re­do, e dei­xa Len­non e McCart­ney em se­gun­do pla­no. Kir­chherr co­nhe­ceu Sut­clif­fe por­que era a na­mo­ra­da de um cer­to Klaus, o pri­mei­ro fã da ban­da. Os di­le­mas de Sut­clif­fe, que era mú­si­co mas que­ria ser pin­tor e tem de es­co­lher en­tre a ban­da ou a na­mo­ra­da, tra­zem o dra­ma à his­tó­ria, com uma boa do­se de trai­ção e cri­ses exis­ten­ci­ais.

Além de seus pro­ble­mas com a ga­ro­ta, sua ami­za­de com Len­non é in­ten­sa, e a ob­ses­são do cantor com a ami­za­de dos dois adi­ci­o­na faís­cas aos pro­ble­mas. Mas es­tes fa­tos tam­bém res­sal­tam a obra do des­ti­no na for­ma­ção do Fab Four, pois se Stu­art não ti­ves­se se apai­xo­na­do por Kir­chherr, e ig­no­ras­se os con­se­lhos da fo­tó­gra­fa, tal­vez não re­sol­ves­se sair da ban­da, e Paul McCart­ney nun­ca te­ria se tor­na­do o bai­xis­ta e prin­ci­pal par­cei­ro mu­si­cal de Len­non.

Ou­tras cu­ri­o­si­da­des tam­bém in­te­gram o ro­tei­ro. Se um pro­du­tor ale­mão não ti­ves­se con­tra­ta­do os ra­pa­zes de Li­ver­po­ol pa­ra acom­pa­nhar Tony She­ri­dan, no sin­gle “My Bon­nie” (par­te de uma boa ce­na, em que os Be­a­tles in­je­tam adre­na­li­na na can­ção ca­re­ta de She­ri­dan), que se­ria apre­sen­ta­do no pro­gra­ma de Bri­an Eps­tein, tal­vez o ma­na­ger não co­nhe­ces­se os Be­a­tles, e não os apre­sen­tas­se a Ge­or­ge Mar­tin, que pe­diu pa­ra eles tro­ca­rem o ba­te­ris­ta Pe­te Best por Rin­go. Não fos­sem es­ses acon­te­ci­men­tos, tal­vez a ban­da mais in­flu­en­te da his­tó­ria se tor­nas­se ape­nas mais uma.

Divulgação

An­drew Knott co­mo John e Da­ni­el Healy co­mo Paul em “Back­be­at”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.