Bai­xan­do o ní­vel de exi­gên­cia

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

há mui­to tem­po nu­ma ga­lá­xia mui­to, mui­to distante. Ar­ran­jar um es­pé­ci­me que man­te­nha a mé­dia de um “saú­de!” pa­ra ca­da cin­co es­pir­ros po­de ser con­si­de­ra­do uma gra­ça. E já car­re­go por aí blu­sas ex­tras por­que não es­pe­ro nin­guém pa­ra co­brir meus om­bros. Não vou car es­can­da­li­za­da por vo­cê não no­tar quan­do cor­to o ca­be­lo, sua in­di­fe­ren­ça an­te as dis­tin­tas nu­an­ces dos ver­me­lhos ruby e re­bu não se­rá tó­pi­co pre­sen­te na mi­nha pró­xi­ma ses­são com o ana­lis­ta. Quan­to ao se­nhor, use o que qui­ser, re­ga­ta, po­che­te, pa­li­te os den­tes – não em mi­nha pre­sen­ça, por fa­vor. Quan­do qui­ser as­sis­tir a al­gu­ma co­mé­dia ro­mân­ti­ca, vou ao ci­ne­ma so­zi­nha ou ape­lo pa­ra al­gu­ma ami­ga em igual si­tu­a­ção. Vo­cê não gos­ta de pi­po­ca mes­mo. A ho­ra do fu­te­bol é sa­gra­da, não con­tes­to, até ve­jo jun­to se vo­cê faz ques­tão: de­sen­vol­vi uma téc­ni­ca mui­to con­vin­cen­te pa­ra ngir que tor­ço pa­ra seu ti­me, vo­cê só pre­ci­sa me lem­brar qual é mes­mo o ti­me. O sor­ve­te que vo­cê com­prou é seu, já apren­di a man­ter a po­lí­ti­ca dos po­tes se­pa­ra­dos. O bi­fe tem de ser mal­pas­sa­do. A lou­ça, quan­do la­va­da lo­go após o uso, nem é uma dor de ca­be­ça tão gran­de as­sim. Pos­so en­xa­guar e en­sa­bo­ar can­tan­do, se mi­nhas even­tu­ais no­tas de­sa na­das não o in­co­mo­da­rem em seu mo­men­to de re­pou­so, tão tra­di­ci­o­nal en­tre a des­cen­dên­cia ibé­ri­ca. Quan­to às to­a­lhas jo­ga­das no chão, já de­sis­ti de en­cher seu sa­co. A nal, quan­to tem­po se gas­ta pa­ra abai­xar e pe­gá­las? Dois se­gun­dos? Não va­le a pe­na fa­zer es­car­céu por is­so, né? Quan­do apa­re­ce al­gu­ma vi­si­ta (eu ha­via avi­sa­do) e vo­cê es­tá com ca­ra de so­no e sem ca­mi­sa, eu dou uma ri­sa­di­nha, fa­lo “vo­cês me des­cul­pem, ele não tem jei­to” e ca tudo bem. Depois de tan­to pra­ti­car, pe­guei o jei­to e até con­si­go abrir so­zi­nha os po­tes de pal­mi­to, cham­pig­non, ge­leia – o de pi­cles é mais cha­ti­nho, não sei por quê, mas depois de um tem­po a coi­sa gi­ra. Pneus, nes­ta vi­da eu ain­da não con­se­gui­rei tro­cá-los, mas me dis­se­ram que o se­gu­ro ofe­re­ce es­se ser­vi­ço, eu nem sa­bia! Qual­quer pro­ble­ma, pe­go o car­tão­zi­nho no por­ta-lu­vas e não pre­ci­so ti­rá-lo de seu tra­ba­lho ou o que quer vo­cê es­te­ja fa­zen­do. Eu não es­pe­ro que vo­cê se dê bem com a mi­nha mãe, sei co­mo ela po­de ser di­fí­cil, man­do­na, im­pli­can­te, uma bru­xa. A sua, cla­ro, é uma san­ta de asa e au­réo­la, qu­em sou eu pa­ra con­tes­tar? Tá tudo bem, eu aguen­to, con­to até dez, sus­pi­ro, jo­go um co­po na pa­re­de vez ou ou­tra e re­la­xo, eu aguen­to, eu sou for­te, tudo is­so eu aguen­to. Mas pe­lo amor de Deus, na ho­ra “h” vo­cê podia ao me­nos fa­zer o ser­vi­ço di­rei­to, né?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.