Saú­de dis­tri­bui 15 mi de com­pri­mi­dos a hi­per­ten­sos

ME­DI­CA­MEN­TOS Con­ta é anu­al. De uma lis­ta de 10 re­mé­di­os mais en­tre­gues pe­la re­de mu­ni­ci­pal a pa­ci­en­tes, três são an­ti-hi­per­ten­si­vos. Já os psi­co­tró­pi­cos so­mam 6,3 mi­lhões de uni­da­des anu­al­men­te

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com Os ma­rin­ga­en­ses aten­di­dos pe­la re­de mu­ni­ci­pal de saú­de con­so­mem 1.253.478 com­pri­mi­dos an­ti-hi­per­ten­si­vos por mês, em mé­dia. Is­so cor­res­pon­de a 41.782 uni­da­des por dia. Os da­dos são da Se­cre­ta­ria de Saú­de. En­tre os 10 ti­pos de re­mé­di­os mais dis­tri­buí­dos por uni­da­des mu­ni­ci­pais, três são pa­ra tra­ta­men­to da hi­per­ten­são: Lo­sar­tan, Cap­to­pril e Ate­no­lol.

O pro­gra­ma Hi­per­dia, da Se­cre­ta­ria de Saú­de de Ma­rin­gá, acom­pa­nha cer­ca de 25 mil hi­per­ten­sos e di­a­bé­ti­cos. Nos ca­sos de hi­per­ten­são, os pa­ci­en­tes to­mam até três com­pri­mi­dos por dia, de­pen­den­do da pres­cri­ção mé­di­ca e do con­tro­le da do­en­ça de ca­da um.

O pri­mei­ro lu­gar no ran­king dos 10 me­di­ca­men­tos mais dis­tri­buí­dos pe­la re­de mu­ni­ci­pal é do an­ti-hi­per­ten­si­vo Lo­sar­tan 50 mg ( prin­cí­pio ati­vo), com 647.530 com­pri­mi­dos por mês. Nes­ta lis­ta, ou­tro hi­per­ten­si­vo, o Cap­to­pril 50 mg, ocu­pa o quin­to lu­gar, com a dis­tri­bui­ção de 404.640 com­pri­mi­dos por mês. Ou­tro hi­per­ten­si­vo que es­tá na lis­ta é o Ate­no­lol 50 mg, ocu­pan­do a no­na po­si­ção na lis­ta, com 201.308 com­pri­mi­dos por mês. “Se fi­zer­mos as contas, con­si­de­ran­do que ca­da cai­xa con­tém 30 com­pri­mi­dos, te­re­mos cer­ca de 13,9 mil pa­ci­en­tes que con­so­mem, em mé­dia, três com­pri­mi­dos por dia”, diz Antônio Car­los Nar­di, se­cre­tá­rio de Saú­de de Ma­rin­gá.

Ain­da se­gun­do as contas do se­cre­tá­rio, são 1.390 cai­xas por mês. Ele não con­si­de­ra que se­ja uma quan­tia exa­ge­ra­da e res­sal­ta que re­mé­di­os con­tra hi­per- ten­são não cau­sam de­pen­dên­cia. “Ser­vem ape­nas pa­ra con­tro­lar a do­en­ça”, ob­ser­va.

A co­or­de­na­do­ra de Saú­de do Adul­to e do Ido­so da Se­cre­ta­ria de Saú­de, Eve­lin Newa Na­kashi­ma Bra­ga, diz que o mu­ni­cí­pio ofe­re­ce tra­ta­men­to pa­ra hi­per­ten­sos nas Uni­da­des Bá­si­cas de Saú­de (UBSs). O pro­gra­ma de­no­mi­na­do Hi­per­dia – aten­de hi­per­ten­sos e di­a­bé­ti­cos (daí o no­me) – for­man­do gru­pos que re­ce­be­rão ori­en­ta­ção pa­ra con­tro­le da do­en­ça. “Em prin­cí­pio, há uma te­ra­pia não me­di­ca­men­to­sa que in­clui di­e­ta ali­men­tar, exer­cí­ci­os fí­si­cos e há­bi­tos sau­dá­veis de vi­da. Ca­so a pes­soa, com to­das es­sas ori­en­ta­ções, não ob­ti­ver res­pos­ta, o mé­di­co pres­cre­ve me­di­ca­men­to”, ex­pli­ca.

Eve­lin des­ta­ca que o Hi­per­dia é um pro­gra­ma do Mi­nis­té­rio da Saú­de que ca­das­tra os pa­ci­en­tes, pa­ra fa­ci­li­tar o acom­pa­nha­men­to e tra­ta­men­to pe­la re­de pú­bli­ca de saú­de. Pes­so­as que com hi­per­ten­são ou que acham que têm a do­en­ça de­vem pro­cu­rar a UBS mais pró­xi­ma de ca­sa.

Do­en­ça

A hi­per­ten­são é po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­da co­mo pres­são al­ta. Se­gun­do a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Hi­per­ten­são (SBH), a pres­são é con­si­de­ra­da al­ta quan­do é igual ou mai­or que 14 por 9. “A pres­são se ele­va por vá­ri­os mo­ti­vos, mas prin­ci­pal­men­te por­que os va­sos nos quais o san­gue cir­cu­la se con­tra­em. O co­ra­ção e os va­sos po­dem ser com­pa­ra­dos a uma tor­nei­ra aber­ta li­ga­da a vá­ri­os es­gui­chos. Se fe­char­mos a pon­ta dos es­gui­chos a pres­são lá den­tro au­men­ta. O mes­mo ocor­re quan­do o co­ra­ção bom­beia o san­gue. Se os va­sos são es­trei­ta­dos a pres­são so­be”, ex­pli­ca a ins- ti­tui­ção em seu si­te.

Nar­di res­sal­ta que os pa­ci­en­tes hi­per­ten­sos de­vem se­guir à ris­ca o tra­ta­men­to, ca­so con­trá­rio a do­en­ça po­de ame­a­çar ou­tros ór­gãos do cor­po, a exem­plo do co­ra­ção, rins, va­sos san­guí­ne­os e cé­re­bro. Os an­ti-hi­per­ten­si­vos são dis­tri­buí­dos na UBSs e far­má­ci­as po­pu­la­res me­di­an­te apre­sen­ta­ção de re­cei­ta mé­di­ca.

A Se­cre­ta­ria de Saú­de fez a lis­ta dos dez me­di­ca­men­tos mais pro­cu­ra­dos na re­de pú­bli­ca, de di­ver­sas clas­ses te­ra­pêu­ti­cas. Além dos an­ti-hi­per­ten­si­vos, es­tá o Hi­dro­clo­ro­ti­a­zi­da 25 mg, um diu­ré­ti­co que ocu­pa o se­gun­do lu­gar no ran­king. Por mês, em mé­dia, são con­su­mi­dos 495.595 des­ses com­pri­mi­dos. Em ter­cei­ro lu­gar, es­tá o Met­for­mi­na 850 mg, um hi­po­gli­ce­mi­an­te (di­a­be­tes), com saí­da de 438.208 com­pri­mi­dos, em mé­dia, por mês.

Me­ça a pres­são pe­lo me­nos uma vez por ano.

Pra­ti­que ati­vi­da­des fí­si­cas to­dos os di­as.

Man­te­nha o pe­so ide­al, evi­te a obe­si­da­de.

Ado­te ali­men­ta­ção sau­dá­vel: pou­co sal, sem fri­tu­ras e mais fru­tas, ver­du­ras e le­gu­mes. Re­du­za o con­su­mo de ál­co­ol. Se pos­sí­vel, não be­ba. Aban­do­ne o ci­gar­ro. Nun­ca pa­re o tra­ta­men­to, é pa­ra a vi­da to­da.

Si­ga as ori­en­ta­ções do seu mé­di­co ou pro­fis­si­o­nal da saú­de. Evi­te o es­tres­se. Te­nha tem­po pa­ra a fa­mí­lia, os ami­gos e o la­zer.

Ame e se­ja ama­do.

Ra­fa­el Sil­va

Apa­re­ci­da Sil­va, di­re­to­ra do Ci­sam: “O in­te­res­sa­do po­de li­gar e agen­dar um aten­di­men­to”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.