CCZ ga­nha R$ 1 mi da União pa­ra obras

Ver­ba ain­da não foi li­be­ra­da, mas de­ve ser usa­da pa­ra me­lho­ri­as na es­tru­tu­ra do lo­cal, inau­gu­ra­do em 2004; ve­re­a­do­res es­tu­dam mu­dan­ça na le­gis­la­ção so­bre o te­ma

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com O Mi­nis­té­rio da Saú­de li­be­rou R$ 1 mi­lhão pa­ra obras no Cen­tro de Con­tro­le de Zo­o­no­ses (CCZ) de Ma­rin­gá. O di­nhei­ro, que ain­da não es­tá dis­po­ní­vel e não tem pre­vi­são de che­ga­da, de­ve ser uti­li­za­do pa­ra a com­pra de veí­cu­los, ins­ta­la­ção de cer­cas e cons­tru­ção de gua­ri­ta.

A quan­tia, se­gun­do a di­re­to­ra da Vi­gi­lân­cia em Saú­de do mu­ni­cí­pio, Ro­sân­ge­la Trei­chel, é re­sul­tan­te de so­bras do or­ça­men­to do mi­nis­té­rio. “Nós pe­di­mos R$ 3 mi­lhões, mas veio R$ 1 mi­lhão e va­mos ver o que dá pa­ra fa­zer com o di­nhei­ro.”

Um das pos­si­bi­li­da­des tam­bém con­si­de­ra­da é a cons­tru­ção de um cen­tro ci­rúr­gi­co, já que a sa­la on­de eram fei­tas as cas­tra­ções não é ade­qua­da por­que fi­ca a pou­cos pas­sos do ca­nil, o que cria pro­ble­mas de hi­gi­e­ne. Trei­chel avi­sa que o as­sun­to ain­da te­rá de ser dis­cu­ti­do. “O que não dá é pa­ra a Se­cre­ta­ria de Saú­de ar­car com es­sa con­ta (dos ani­mais de rua aban­do­na­dos).” A su­ges­tão é que mais pas­tas es­te­jam en­vol­vi­das pa­ra tra­tar do pro­ble­ma e achar uma so­lu­ção.

Vi­si­ta

Um gru­po de ve­re­a­do­res vi­si­tou on­tem as ins­ta­la­ções do CCZ e não gos­tou do que viu. “A es­tru­tu­ra é mui­to pre­cá­ria”, re­su­miu Humberto Hen­ri­que (PT). “É mui­to tris­te ver o ani­mal­zi­nho ago­ni­zan­do por­que foi atro­pe­la­do e sa­ber que o que res­ta pa­ra ele é a eu­ta­ná­sia”, la­men­tou Ulis­ses Maia (PP), pre­si­den­te da Ca­sa.

Uma co­mis­são for­ma­da por qua­tro ve­re­a­do­res – Humberto Hen­ri­que, Car­los Ma­riuc­ci (PT), Car­mem Ino­cen­te (PP) e Ca­pi­tão Ide­val (PMN) – es­tá es­tu­dan­do a le­gis­la­ção mu­ni­ci­pal que tra­ta de ani­mais de rua e pos­se res­pon­sá­vel pa­ra pro­por mu­dan­ças. Uma das idei­as é a co­lo­ca­ção de chips nos cães. O dis­po­si­ti­vo le­va­ria in­for­ma­ções so­bre os do­nos, que pa­ga­ri­am pe­lo ser­vi­ço. Ca­so a fa­mí­lia não te­nha con- di­ções fi­nan­cei­ras, o mu­ni­cí­pio ar­ca­ria com os cus­tos.

Ou­tra pro­pos­ta em aná­li­se pe­lo gru­po é o ca­das­tra­men­to de to­dos os cães e ga­tos da ci­da­de pa­ra que se­ja fei­to o con­tro­le po­pu­la­ci­o­nal, com a cas­tra­ção. Pa­ra Hen­ri­que, é pre­ci­so tra­ba­lhar de ime­di­a­to em du­as fren­tes: au- “Nós pe­di­mos R$ 3 mi­lhões, mas veio R$ 1 mi­lhão e va­mos ver o que dá pa­ra fa­zer com o di­nhei­ro.” men­tar o nú­me­ro de cas­tra­ções e fa­zer cam­pa­nhas per­ma­nen­tes so­bre pos­se res­pon­sá­vel.

Pro­te­to­res in­de­pen­den­tes e re­pre­sen­tan­tes de or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais (ONGs), que bus­cam la­res pa­ra ani­mais aban­do­na­dos na ci­da­de, acom­pa­nha­ram a vi­si­ta. “Os pro­te­to­res que­rem sa­ber qu­em vai pagar a con­ta das ONGs, já que não exis­te um abri­go mu­ni­ci­pal”, ques­ti­o­na Isa Si­mões, uma das vo­lun­tá­ri­as.

As ins­ta­la­ções do CCZ fo­ram inau­gu­ra­das em 2004. Ho­je, o lo­cal con­ta com dois ve­te­ri­ná­ri­os – um es­tá de li­cen­ça –, no­ve bai­as, um es­pa­ço de iso­la­men­to pa­ra ani­mais agres­si­vos e ma­chu­ca­dos, uma sa­la de pro­ce­di­men­tos e a área ad­mi­nis­tra­ti­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.