De vol­ta ao

Im­pul­si­o­na­da por Ade­le, Tay­lor Swift e One Di­rec­ti­on, re­cu­pe­ra­ção da in­dús­tria fo­no­grá­fi­ca, po­de ser com­pro­va­do por nú­me­ros: ar­re­ca­da­ção mun­di­al foi de US$ 16,5 bi­lhões

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - He­loi­sa Aruth Sturm

2012 se­rá lem­bra­do co­mo o ano de re­cu­pe­ra­ção da in­dús­tria fo­no­grá­fi­ca. Com uma ar­re­ca­da­ção mun­di­al de US$ 16,5 bi­lhões, foi a pri­mei­ra vez, des­de 1999, que o mer­ca­do mu­si­cal glo­bal re­gis­trou um au­men­to em sua re­cei­ta bru­ta. O cres­ci­men­to foi tí­mi­do, de ape­nas 0,3%, mas re­pre­sen­ta um gran­de avan­ço no se­tor que é um dos mais afetados pe­la pirataria. Dois fa­to­res são apon­ta­dos co­mo os prin­ci­pais res­pon­sá­veis por es­sa mu­dan­ça: o au­men­to ex­pres­si­vo das ven­das di­gi­tais e a ex­pan­são de mercados in­ter­na­ci­o­nais­co­mo­aÍn­di­a­e­oB­ra­sil.

So­men­te no mer­ca­do di­gi­tal de mú­si­ca, hou­ve um au­men­to de 9% de re­cei­ta em re­la­ção ao ano an­te­ri­or, fe­chan­do 2012 com US$ 5,6 bi­lhões de ar­re­ca­da­ção. É o se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo que as ven­das di­gi­tais re­gis­tram um cres­ci­men­to ace­le­ra­do, e já res­pon­dem por 34% de to­da a ar­re­ca­da­ção do se­tor. Os nú­me­ros da in­dús­tria fo­ram di­vul­ga­dos nes­ta ter­ça-fei­ra no Re­la­tó­rio de Mú­si­ca Di­gi­tal no Mun­do, ela­bo­ra­do anu­al­men­te pe­la Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal da In­dús­tria Fo­no­grá­fi­ca (IFPI).“No iní­cio da re­vo­lu­ção di­gi­tal, era co­mum di­zer ‘o meio di­gi­tal es­tá ma­tan­do a mú­si­ca’. Mas a re­a­li­da­de é que o di­gi­tal es­tá sal­van­do a mú­si­ca. Nós atra­ves­sa­mos uma de­sa­fi­a­do­ra dé­ca­da de tran­si­ção. De­ve ha­ver al­guns so­la­van­cos no ca­mi­nho mas, no ge­ral, se­rá uma tra­je­tó­ria de cres­ci­men­to pa­ra a in­dús­tria”, dis­se Ed­gard Berger, pre­si­den­te da Sony Mu­sic En­ter­tain­ment.

Com a di­fu­são dos apa­re­lhos por­tá­teis, co­mo os ta­blets e smartpho­nes, os con­su­mi­do­res pu­de­ram ter aces­so ex­pan­di­do a seus ar­tis­tas pre­fe­ri­dos. O lan­ça­men­to de ser­vi­ços em nu­vem por gran­des em­pre­sas co­mo Go­o­gle, Ama­zon e Mi­cro­soft, a exem­plo do já pra­ti­ca­do pe­la Ap­ple, am­pli­ou o le­que de op­ções dis­po­ní­veis pa­ra qu­em quer con­su­mir mú­si­ca na internet. “A ex­pe­ri­ên­cia de ser­vi­ços em nu­vem dá aces­so con­tí­nuo a bi­bli­o­te­cas de mú­si­ca, e is­so não só dá ao con­su­mi­dor uma sen­sa­ção mai­or de pro­pri­e­da­de, por­que eles têm mais con­fi­an­ça no ar­qui­vo di­gi­tal, co­mo tam­bém o en­co­ra­ja a in­gres­sar em um ecos­sis­te­ma legalizado”, ava­lia Fran­cis Ke­e­ling, di­re­tor co­mer­ci­al pa­ra negócios di­gi­tais da Uni­ver­sal Mu­sic Group.

Es­sas bi­bli­o­te­cas mu­si­cais são cri­a­das não só por meio do down­lo­ad de can­ções, mas tam­bém pe­lo aces­so a ser­vi­ços de as­si­na­tu­ra men­sal e a si­tes que ofe­re­cem stre­a­ming de ví­de­os mu­si­cais re­mu­ne­ra­do por pu­bli­ci­da­de, ca­so do YouTu­be e VEVO. Pa­ra Fran­ces Mo­o­re, pre­si­den­te da IFPI, o re­la­tó­rio re­fle­te o cres­cen­te oti­mis­mo sen­ti­do pe­lo se­tor no úl­ti­mo ano. “Os nú­me­ros mos­tram co­mo a in­dús­tria da mú­si­ca se adap­tou ao mun­do da internet.”

Se em ja­nei­ro de 2011 os ser­vi­ços de down­lo­ad e as­si­na­tu­ra men­sal es­ta­vam pre­sen­tes em 23 paí­ses, ho­je eles já atin­gem mais de 100. E dos 20 mai­o­res mer- ca­dos mu­si­cais, o Bra­sil fi­gu­ra en­tre os oi­to com mai­or cres­ci­men­to, ao la­do de paí­ses co­mo Ca­na­dá, Aus­trá­lia, Mé­xi­co, Ín­dia e Ja­pão. “O Bra­sil tem gran­de im­por­tân­cia nes­se ce­ná­rio por­que, dos emer­gen­tes, é o que tem apre­sen­ta­do des­de 2008 um qua­dro bas­tan­te in­te­res­san­te, de pra­ti­ca­men­te es­ta­bi­li­da­de no su­por­te fí­si­co, e que no mer­ca­do di­gi­tal tem cres­ci­do de for­ma con­sis­ten­te nos úl­ti­mos anos”, diz o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Pro­du­to­res de Dis­cos (ABPD), Pau­lo Ro­sa.

De acor­do com a ABPD, o fa­tu­ra­men­to da in­dús­tria na­ci­o­nal apre­sen­tou cres­ci­men­to de 5,13% em com­pa­ra­ção a 2011, atin­gin­do R$ 392,8 mi­lhões. O au­men­to de 83% nas re­cei­tas da área di­gi­tal com­pen­sou com fol­ga a que­da de 10% nas ven­das de CDs, DVDs e blu-rays, quan­do fo­ram co­mer­ci­a­li­za­das 25 mi­lhões de uni­da­des em 2012 (sen­do 67% cor­res­pon­den­te a re­per­tó­rio bra­si­lei­ro, 30% a con­teú­do in­ter­na­ci­o­nal e 3% a mú­si­ca clás­si­ca).

O cres­ci­men­to das ven­das di­gi­tais no Bra­sil é in­flu­en­ci­a­do di­re­ta­men­te pe­la aber­tu­ra do iTu­nes ao mer­ca­do na­ci­o­nal. Des­de que a lo­ja vir­tu­al pas­sou a co­mer­ci­a­li­zar com cli­en­tes bra­si­lei­ros, em de­zem­bro de 2011, o nú­me­ro de down­lo­ads pas­sou de 2,3 mi­lhões pa­ra 23,8 mi­lhões.

O re­la­tó­rio da IFPI tam­bém di­vul­gou os gran­des hits do ano. Ade­le, Tay­lor Swift e One Di­rec­ti­on do­mi­na­ram as ven­das em 2012. Jun­tos, eles fo­ram res­pon­sá­veis por 22,4 mi­lhões de ál­buns ven­di­dos no mun­do. O hit “Ai Se Eu Te Pe­go”, de Mi­chel Te­ló, que e se trans­for­mou em vi­ral depois de ser lem­bra­do pe­lo jo­ga­dor Cris­ti­a­no Ro­nal­do du­ran­te co­me­mo­ra­ção de um gol fei­to pe­lo Re­al Ma­drid em ou­tu­bro de 2011, foi bai­xa­do 7,2 mi­lhões de ve­zes, fi­gu­ran­do em sex­to lu­gar na lis­ta, que te­ve “Call me May­be”, de Carly Rae Jep­sen, S”ome­body that I used to know”, de Gotye, e “Gang­nam Sty­le”, de Psy, en­tre os três­mais­ven­di­dos­do­a­no.

Divulgação

Te­ló: hit pla­ne­tá­rio “Ai Se Eu Te Pe­go” con­tri­buiu pa­ra o cres­ci­men­to de 0,3% do mer­ca­do mun­di­al

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.