Ma­rin­gá se­gun­do John dos Pas­sos

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

as pá­gi­nas do ca­pí­tu­lo 4, in­ti­tu­la­do “A po­ei­ra ver­me­lha de Ma­rin­gá”, va­lo­ri­zei mais a per­cep­ção do olhar do ob­ser­va­dor do que pro­pri­a­men­te as in­for­ma­ções que ele do­cu­men­ta­ria. Em ou­tras pa­la­vras, in­te­res­san­te mes­mo é a al­te­ri­da­de do seu olhar de es­tran­gei­ro. Tam­bém me cha­mou a aten­ção o ti­po de in­for­ma­ções que, na­que­la épo­ca, seus in­ter­lo­cu­to­res, mo­ra­do­res de Ma­rin­gá, sis­te­ma­ti­za­vam pa­ra seu co­nhe­ci­men­to. Aler­tan­do que a ci­da­de ti­nha ape­nas se­te anos de fun­da­ção, os an triões pron­ti ca­ram-se a mos­trar­lhe as áre­as de ores­ta na­ti­va que ha­vi­am si­do pre­ser­va­das. Da mes­ma for­ma, exal­tam a fer­ti­li­da­de da ter­ra ver­me­lha: “Ne­la cres­ce qual­quer coi­sa”. Foi in­for­ma­do de que, em­bo­ra a ter­ra fos­se pro­pí­cia ao cul­ti­vo do ca­fé, os pro­du­to­res pre­pa­ra­vam-se pa­ra a di­ver­si ca­ção, pre­o­cu­pa­dos com as in­tem­pé­ri­es e as os­ci­la­ções do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. Re­cep­ci­o­na­do por agen­tes da com­pa­nhia co­lo­ni­za­do­ra, foi ini­ci­a­do ra­pi­da­men­te na his­tó­ria do em­pre­en­di­men­to que ela re­a­li­zou, des­de sua fa­se ini­ci­al até o pre­sen­te vi­vi­do. Quan­do se fa­la em se­te anos de fun­da­ção, a re­fe­rên­cia, pe­lo que se de­duz, é à eman­ci­pa­ção mu­ni­ci­pal, ocor­ri­da em 1951. A nar­ra­ti­va já re­gis­tra o pro­je­to de cons­tru­ção da no­va ca­te­dral em for­ma­to de co­ne, des­ti­na­da a ser a mais al­ta da Amé­ri­ca La­ti­na. O vi­a­jan­te nar­ra que co­nhe­ceu edi­fí­ci­os de es­ti­los ar­qui­tetô­ni­cos di­ver­si ca­dos, um jó­quei clube, par­ques re­cém-plan­ta­dos, em­ble­mas da ci­da­de que se mo­der­ni­za­va, mas tam­bém foi ins­ta­do a co­nhe­cer a “Ve­lha Ma­rin­gá”, cons­truí­da 10 anos an­tes, com su­as edi ca­ções pre­cá­ri­as. Seu in­ter­lo­cu­tor e guia não dis­pen­sou a fa­mo­sa com­pa­ra­ção com os lmes de “fa­ro­es­te”. De qual­quer mo­do, John dos Pas­sos for­mu­la a com­pa­ra­ção de que Ma­rin­gá fa­zia pen­sar no Oes­te sel­va­gem de Mark Twain e Bret Har­te de cem anos atrás, com a di­fe­ren­ça de que os pi­o­nei­ros da­qui an­da­vam de ji­pe e che­ga­vam à re­gião de avião. O li­vro va­le não ape­nas pe­lo ca­pí­tu­lo de­di­ca­do a Ma­rin­gá. Mes­mo pa­ra con­tex­tu­a­li­zar es­sa nar­ra­ti­va es­pe­cí ca, é im­por­tan­te co­nhe­cer o con­jun­to da obra e os ma­ti­zes do olhar do gran­de es­cri­tor so­bre nos­so país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.