Uma do­se de boa von­ta­de pa­ra a saú­de no Bra­sil

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Ava­li­a­ção di­vul­ga­da no iní­cio des­te ano pe­la Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa) apon­ta que os re­mé­di­os co­mer­ci­a­li­za­dos no Bra­sil, en­tre 2004 e 2011, ti­ve­ram um cus­to 35% me­nor pa­ra os con­su­mi­do­res do que o su­ge­ri­do pe­los fa­bri­can­tes.

O fei­to se deu gra­ças à Câ­ma­ra de Re­gu­la­ção do Mer­ca­do de Me­di­ca­men­tos (CMED), cri­a­da em 2003, jus­ta­men­te pa­ra mo­ni­to­rar os pre­ços dos re­mé­di­os co­mer­ci­a­li­za­dos no País, de acor­do com re­gras pré-es­ta­be­le­ci­das. No en­tan­to, ape­sar des­se avan­ço, pes­qui­sa di­vul­ga­da em 2012 pe­lo Instituto Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­cas (IBGE)re­ve­la que o gas­to com a saú­de es­tá en­tre as qua­tro mai­o­res des­pe­sas das fa­mí­li­as bra­si­lei­ras - jun­to com ha­bi­ta­ção, ali­men­ta­ção e trans­por­te.

Num país em que gran­de par­te da po­pu­la­ção en­fren­ta enor­mes di­fi­cul­da­des pa­ra ter aces­so a cui­da­dos mé­di­cos e on­de os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos na área da saú­de pa­re­cem ca­da vez mais es­cas­sos, a par­ti­ci­pa­ção do se­tor pri­va­do se tor­na ca­da vez mais im­por­tan­te e in­dis­pen­sá­vel. Ci­en­tes dis­so, gran­des em­pre­sas já ade­ri­ram ao Pro­gra­ma de Be­ne­fí­cio em Me­di­ca­men­tos (PBM), que ofe­re­ce aos seus fun­ci­o­ná­ri­os sub­sí­dio pa­ra a com­pra de re­mé­di­os em uma re­de de far­má­ci­as cre­den­ci­a­das, ga­ran­tin­do co­ber­tu­ra que po­de che­gar a até 100% do va­lor – em­bo­ra a mé­dia pra­ti­ca­da se­ja de 53%. En­tre as em­pre­sas que já ofe­re­cem es­te be­ne­fí­cio pa­ra os seus fun­ci­o­ná­ri­os es­tão a Petrobras, Uni­le­ver, Nes­tlé, Oi e IBM.

Mas, mes­mo ten­do gran­des em­pre­sas já adep­tas do PBM, o con­cei­to ain­da não é mui­to co­nhe­ci­do no Bra­sil. Ho­je, pou­co mais de 2 mi­lhões de em­pre­ga­dos re­ce­bem sub­sí­dio das em­pre­sas on­de tra­ba­lham pa­ra a com­pra de me­di­ca­men­tos. Nos Es­ta­dos Uni­dos, on­de o sub­sí­dio é ofe­re­ci­do a fun­ci­o­ná­ri­os des­de a dé­ca­da de 1980, já são mais de 200 mi­lhões de be­ne­fi­ciá­ri­os. No en­tan­to, há uma gran­de ex­pec­ta­ti­va de que o nú­me­ro de be­ne­fi­ciá­ri­os no Bra­sil cres­ça con­si­de­ra­vel­men­te nos pró­xi­mos anos, atin­gin­do a mar­ca de 20 mi­lhões até 2017. A pró­pria di­fu­são do PBM, o au­men­to da im­por­tân­cia de be­ne­fí­ci­os pa­ra o or­ça­men­to dos fun­ci­o­ná­ri­os e os pos­sí­veis in­cen­ti­vos fis­cais que po­dem vir a ser con­ce­di­dos pe­lo go­ver­no de­vem con­tri­buir pa­ra is­so.

To­dos sa­em ga­nhan­do. O fun­ci­o­ná­rio pas­sa a ter­mais con­di­ções de se­guir o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so pres­cri­to pe­lo es­pe­ci­a­lis­ta e, con­se­quen­te­men­te, a cui­dar me­lhor da sua saú­de; a em­pre­sa pas­sa a con­tar com fun­ci­o­ná­ri­os mais pro­du­ti­vos, di­mi­nui o nú­me­ro de ab­sen­teís­mo e de di­ver­sas des­pe­sas com a saú­de dos em­pre­ga­dos; o go­ver­no tam­bém re­du­zi­ria gas­tos, co­mo,por exem­plo, os do Instituto Na­ci­o­nal de Se­gu­ri­da­de So­ci­al (INSS), com pro­ble­mas de saú­de da po­pu­la­ção e com os afas­ta­men­tos pro­vo­ca­dos por do­en­ças do tra­ba­lho. De ja­nei­ro a no­vem­bro do ano pas­sa­do, só pa­ra apoi­ar pro­fis­si­o­nais que nun­ca mais po­de­rão exer­cer nor­mal­men­te su­as ati­vi­da­des, o INSS de­sem­bol­sou mais de R$ 30 bi­lhões.

Co­mo se vê, é pos­sí­vel pro­mo­ver me­lho­ri­as à saú­de da po­pu­la­ção. Bas­ta ape­nas uma do­se de boa von­ta­de!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.