Emprego

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Abre-se o Clas­si­fi­ca­dos do jor­nal e é pos­sí­vel en­con­trar di­ver­sas va­gas de emprego. As agên­ci­as es­tão abar­ro­ta­das de ofer­tas e tan­ta gen­te de­sem­pre­ga­da, in­clu­si­ve eu. Na úl­ti­ma ter­ça fei­ra, con­fi­an­te que vol­ta­ria pa­ra ca­sa em­pre­ga­da, fiz 22 en­tre­vis­tas pa­ra con­se­guir um emprego co­mo re­cep­ci­o­nis­ta e cai­xa. O in­crí­vel é que em to­dos os lu­ga­res que fui eles já ti­nham em mãos um cur­rí­cu­lo meu com to­das as in­for­ma­ções e fo­to. Mes­mo as­sim fo­ram “22 nãos” que re­ce­bi. As res­pos­tas pa­ra tan­tos nãos: “É mui­to ve­lha pa­ra a fun­ção (só te­nho 40 anos ): “Eu pre­ci­so de uma pes­soa sol­tei­ra (eu sou di­vor­ci­a­da), mas sou sol­tei­ra; “Pes­soa que não te­nha fi­lhos me­no­res de 15 anos (te­nho dois, um de 16 e ou­tro de 19 anos); “Que se­ja bo­ni­ta, que te­nha cor­pão (is­so tam­bém não es­ta­va no anún­cio), que se­ja sexy. En­ten­de, is­so é pa­ra atrair o cli­en­te (eu pen­sa­va que era a edu­ca­ção, a in­te­li­gên­cia, sim­pa­tia e pro­fis­si­o­na­lis­mo que atrai­am cli­en­tes)”. Che­guei ate ser con­tra­ta­da em uma ad­vo­ca­cia, mas 40 mi­nu­tos depois fui de­mi­ti­da por­que a pro­pri­e­tá­ria dis­se que eu era mui­to in­te­li­gen­te, sim­pá­ti­ca, su­pe­re­du­ca­da, mui­to aten­ci­o­sa e que eu não apre­sen­ta­va ter a ida­de que te­nho por ter boa apa­rên­cia e que ela na ver­da­de pre­ci­sa­va de uma pes­soa que ti­ves­se me­nos qua­li­da­des, que fos­se mais ve­lha e ar­ro­gan­te. Vai en­ten­der... É a lei da ofer­ta e da pro­cu­ra. Eu, a exem­plo de mui­tos ou­tros, con­ti­nu­a­rei a mi­nha bus­ca. Não vou de­sis­tir!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.