Na des­pe­di­da, Ben­to 16 diz que não ‘lar­ga a cruz’

RE­LI­GIÃO Em seu úl­ti­mo ato pú­bli­co no Va­ti­ca­no, com mi­lha­res de pes­so­as, pa­pa dis­se que vi­veu mo­men­tos di­fí­ceis à fren­te da Igre­ja e que re­nún­cia não sig­ni­fi­ca vol­tar à vi­da pri­va­da An­te­ci­pa­ção do con­cla­ve é im­por­tan­te

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Ju­an La­ra Agên­cia Es­ta­do

Mi­lha­res de pes­so­as se des­pe­di­ram on­tem, de Ben­to 16 em seu úl­ti­mo ato pú­bli­co no Va­ti­ca­no an­tes de dei­xar o pon­ti­fi­ca­do, no qual dis­se que seu pe­río­do à fren­te da igre­ja te­ve mo­men­tos “di­fí­ceis” e que sua re­nún­cia não sig­ni­fi­ca vol­tar à vi­da pri­va­da, já que “não aban­do­na a cruz”.

Se­re­no, sor­ri­den­te, “cons­ci­en­te de ter re­a­li­za­do um bom tra­ba­lho”, se­gun­do afir­mou o por­ta­voz, Fe­de­ri­co Lom­bar­di, Ben­to 16 re­pas­sou seus qua­se 8 anos de pon­ti­fi­ca­do e as­se­gu­rou que nun­ca se sen­tiu só, que sem­pre se sen­tiu pro­te­gi­do por Deus e que re­nun­ci­ou ao pon­ti­fi­ca­do não por seu bem, mas pe­lo da Igre­ja, ao no­tar que já não ti­nha for­ças pa­ra gui­ar a bar­ca de Pe­dro.

“Mi­nha de­ci­são de re­nun­ci­ar ao Mi­nis­té­rio pe­tri­no não re­vo­ga a de­ci­são que to­mei em 19 de abril de 2005 (quan­do foi elei­to pa­pa). Não re­tor­no à vi­da pri­va­da, a uma vi­da de vi­a­gens, en­con­tros, con­fe­rên­ci­as. Não aban­do­no a Cruz, si­go de uma ma­nei­ra no­va com o Se­nhor Cru­ci­fi­ca­do. Si­go a seu ser­vi­ço no re­cin­to de São Pe­dro”, afir­mou.

Jo­seph Rat­zin­ger as­se­gu­rou que des­de o mo­men­to em que se acei­ta ser pa­pa, a vi­da pri­va­da de­sa­pa­re­ce e se per­ten­ce “to­tal­men­te a to­da a Igre­ja”, e que ele, em­bo­ra não irá mais go­ver­ná-la, se­gui­rá ser­vin­do a ela com su­as pre­ces.

So­bre o pon­ti­fi­ca­do afir­mou que “o Se­nhor nos deu mui­tos di­as de sol e li­gei­ra bri­sa, di­as nos quais a pes­ca foi abun­dan­te, mas tam­bém mo­men­tos nos quais as águas es­ti­ve­ram mui­to agi­ta­das e o ven­to con­trá­rio, co­mo em to­da a his­tó­ria da Igre­ja, e o Se­nhor pa­re­cia dor­mir”.

Ben­to 16 dis­se que se sen­tiu em al­guns mo­men­tos co­mo são Pe­dro com os após­to­los na bar­ca no la­go da Ga­li­léia e que sem­pre sou­be que o Se­nhor es­ta­va o acom­pa­nhan­do.

“E sem­pre sou­be que a bar­ca da Igre­ja não é mi­nha, não é nos­sa, mas sua e Ele não a dei­xa afun­dar. É qu­em a con­duz atra­vés dos ho­mens que ele­geu. Es­ta é uma cer­te­za que na­da po­de ofus­car e é por is­so que meu co­ra­ção es­tá cheio de agra­de­ci­men­to a Deus, por­que não me fal­tou e a to­da a Igre­ja com seu con­so­lo, sua luz e seu amor”, dis­cur­sou.

Ben­to 16, que an­tes de ser elei­to pa­pa de­nun­ci­ou que a Igre­ja era uma bar­ca que “fa­zia água” e que ha­via su­jei­ra en­tre seus mem­bros, afir­mou que Deus guia sua Igre­ja e atua “so­bre­tu­do nos mo­men­tos di­fí­ceis”, por is­so não se de­ve per­der ja­mais “es­ta vi­são de fé”.

Os ana­lis­tas do Va­ti­ca­no ob­ser­va­ram es­tas pa­la­vras co­mo uma re­fe­rên­cia aos es­cân­da­los que re­cen­te­men­te atin­gi­ram o Va­ti­ca­no. Ben­to 16 in­sis­tiu que a Igre­ja tem que ser um “cor­po vi­vo, uma uni­da­de de irmãos”, e pe­diu que os fiéis le­vas­sem uma vi­da cris­tã “co­e­ren­te”.

So­bre o mo­ti­vo de sua re­nún­cia, ad­mi­tiu que não ti­nha mais for­ças (Ben­to 16 tem qua­se 86 anos) e con­tou que “pe­diu” a Deus “com in­sis­tên­cia” que o “ilu­mi­nas­se” pa­ra to­mar a de­ci­são “mais jus­ta”, não pa­ra ele, “mas pa­ra o bem da Igre­ja”. “To­mei es­ta de­ci­são sa­ben­do da im­por­tân­cia da mes­ma e da no­vi­da­de que re­pre­sen­ta, mas com uma pro­fun­da se­re­ni­da­de de âni­mo. Amar a Igre­ja sig­ni­fi­ca tam­bém ter co­ra­gem de to­mar de­ci­sões di­fí­ceis, so­fri­das, ten­do sem­pre pre­sen­te o bem da Igre­ja e não o de um”, ma­ni­fes­tou.

Ben­to 16 pe­diu que re­zem por ele e pe­los car­de­ais, “cha­ma­dos à de­li­ca­da ta­re­fa de es­co­lher um no­vo Su­ces­sor de Pe­dro”. A au­di­ên­cia foi acom­pa­nha­da por fiéis de to­do mun­do, que não pa­ra­ram de can­tar “be­ne­dic­to, be­ne­dic­to” e “vi­va o pa­pa”, as­sim co­mo per­so­na­li­da­des po­lí­ti­cas, co­mo o pre­si­den­te da Es­lo­vá­quia, Ivan Gas­pa­ro­vic.

Es­te foi o úl­ti­mo ato pú­bli­co de Jo­seph Rat­zin­ger no Va­ti­ca­no. Ben­to 16 se des­pe­di­rá ho­je, dos car­de­ais e, à tar­de vai pa­ra a re­si­dên­cia de Cas­tel Gan­dol­fo, on­de cum­pri­men­ta­rá os mo­ra­do­res do pe­que­no po­vo­a­do. Às 20h de Ro­ma (16h de Brasília) dei­xa­rá de ser pa­pa. Não haverá ce­rimô­nia al­gu­ma e o úni­co si­nal vi­sí­vel que anun­ci­a­rá que Ben­to XVI não é mais pon­tí­fi­ce ocor­re­rá quan­do a Guar­da Suí­ça fe­char as por­tas do pa­lá­cio do Va­ti­ca­no.

re­da­cao@odi­a­rio.com A an­te­ci­pa­ção do con­cla­ve, pro­pos­to pe­lo pa­pa Ben­to 16, se­rá “mui­to im­por­tan­te” pa­ra dar um bas­ta às “es­pe­cu­la­ções” que ron­dam a Igre­ja e que trans­for­ma­ram a su­ces­são do pon­tí­fi­ce em uma crise aber­ta na San­ta Sé. A ava­li­a­ção é do car­de­al dom Ge­ral­do Ma­jel­la Ag­ne­lo, ar­ce­bis­po emé­ri­to de Sal­va­dor, que ama­nhã te­rá seu úl­ti­mo en­con­tro com o pa­pa.

No iní­cio da se­ma­na, Ben­to 16 emi­tiu um de­cre­to per­mi­tin­do que a elei­ção fos­se adi­an­ta­da e que não ti­ves­sem de es­pe­rar até o dia 15 de mar­ço pa­ra ini­ci­ar o pro­ces­so, co­mo man­da­va a lei. No mes­mo dia, o pon­tí­fi­ce anun­ci­ou que acei­ta­va a de­mis­são do car­de­al Keith O’Bri­en, acu­sa­do de abu­sos se­xu­ais há 30 anos.

Di­an­te do de­sa­fio, não são pou­cos os que já pre­ve­em uma elei­ção mais lon­ga. Pa­ra d. Ge­ral­do, “o con­cla­ve cor­re o ris­co de ser mais lon­go que o de 2005”, quan­do Jo­seph Rat­zin­ger foi elei­to depois de ape­nas 26 ho­ras de reu­niões.

Na úl­ti­ma ter­ça-fei­ra, jor­nais ita­li­a­nos vol­ta­ram a apon­tar pa­ra a mo­bi­li­za­ção que car­de­ais ita­li­a­nos es­ta­ri­am re­a­li­zan­do pa­ra fe­char um acor­do em tor­no de An­ge­lo Sco­la, ar­ce­bis­po de Mi­lão e a pes­soa que o pró­prio Ben­to 16 es­ta­ria apoi­an­do pa­ra ser seu su­ces­sor. A ten­ta­ti­va de união dos vo­tos ita­li­a­nos - que so­mam 29 dos 115 elei­to­res - te­ria co­mo me­ta evi­tar a re­pe­ti­ção do ce­ná­rio de 1978, quan­do a dis­pu­ta en­tre dois car­de­ais ita­li­a­nos, Be­nel­li e Si­ri, abriu ca­mi­nho pa­ra um no­me de fo­ra e de con­sen­so: Ka­rol Wojty­la, o pa­pa João Pau­lo II. “A pri­mei­ra ro­da­da de vo­ta­ção se­rá fun­da­men­tal e de­ci­di­rá o que vai ocor­rer no res­tan­te do con­cla­ve”, ex­pli­cou . “São mui­tos os no­mes que cir­cu­lam e va­mos ver co­mo se­rá o re­sul­ta­do da pri­mei­ra eta­pa.”

Ales­san­dro Bi­an­chi /REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.