Ca­sos de ala­ga­men­tos cres­cem 142% na re­gião

Ma­rin­gá e Sa­ran­di con­cen­tram a mai­or par­te das ocor­rên­ci­as; ape­sar do au­men­to, não hou­ve fe­ri­dos, se­gun­do da­dos do Quar­tel Cen­tral do Cor­po de Bom­bei­ros

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Com o au­men­to nas chu­vas, cres­ceu tam­bém o nú­me­ro de ca­sos de ala­ga­men­to. So­men­te na área de abran­gên­cia do 5º Gru­pa­men­to dos Bom­bei­ros de Ma­rin­gá – que com­pre­en­de 93 mu­ni­cí­pi­os do no­ro­es­te do Es­ta­do – a al­ta foi de 142%. O com­pa­ra­ti­vo le­va em con­ta os dois pri­mei­ros me­ses des­te ano e os de 2012.

A mai­o­ria das ocor­rên­ci­as se con­cen­trou em Ma­rin­gá e Sa­ran­di. Um dos lo­cais de gran­de in­ci­dên­cia é a Vi­la Mo­ran­guei­ra, pró­xi­mo ao Cen­tro So­ci­al Ur­ba­no. “Quan­do a chu­va vem, so­mos obri­ga­dos a co­lo­car al­gu­ma coi­sa no por­tão, se não a água en­tra mes­mo”, co­men­tou a do­na de ca­sa Clau­de­ni­ce Mar­con­de.

No fim do ano pas­sa­do, a for­ça da en­xur­ra­da des­truiu par­te de uma ca­sa na re­gião. “An­ti­ga­men­te is­so não acon­te­cia tan­to. A água des­ce da Pal­ma­res e da Gu­ai­a­pó (ave­ni­das pró­xi­mas) com mui­ta for­ça”, dis­se o mo­to­ris­ta Val­teir Rodrigues, que mo­ra na re­gião há mais de 20 anos.

Por cau­sa do vo­lu­me das chu­vas, as ga­le­ri­as plu­vi­ais não são su­fi­ci­en­tes pa­ra es­co­ar a água. “É mui­to co­mum os fun­ci­o­ná­ri­os en­con­tra­rem li­xo e res­tos de cons­tru­ção nas bo­cas-de-lo­bo. Fa­ze­mos o tra­ba­lho di­a­ri­a­men­te, mas os mo­ra­do­res po­dem co­la­bo­rar, evi­tan­do prin­ci­pal­men­te jo­gar li­xo nes­ses pon­tos”, co­men­tou o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Ser­vi­ços Pú­bli­cos, Vag­ner Mus­sio.

Em Sa­ran­di a re­por­ta­gem de O Diá­rio mos­trou on­tem que os pro­ble­mas ocor­rem em vá­ri­os bair­ros da ci­da­de. Um de­les era o Par­que Al­va­mar. A for­ça da chu­va des­truiu par­te do as­fal­to e cau­sou ala­ga­men­tos ao lo­go da rua João Go­mes Re­don­do. A pre­fei­tu­ra se com­pro­me­teu em ar­ru­mar o lo­cal, mas não es­ta­be­le­ceu uma da­ta pa­ra ini­ci­ar os ser­vi­ços, já que pa­ra is­so pre­ci­sa que as chu­vas pa­rem.

Cui­da­dos

Nos ca­sos de ala­ga­men­tos, não hou­ve re­gis­tro de fe­ri­dos ou mor­tos nes­te ano na re­gião. Mes­mo as­sim, o Cor­po de Bom­bei­ros re­for­ça o aler­ta pa­ra evi­tar aci­den­tes em si­tu­a­ções des­te ti­po. “As pes­so­as de­vem evi­tar ir pa­ra as ru­as e não an­dar em meio a en­chen­tes, por­que há ris­cos de le­sões e de do­en­ças, co­mo a lep­tos­pi­ro­se”, ex­pli­cou o ofi­ci­al de comunicação do 5º GB, te­nen­te Nivaldo do Re­go. Se hou­ver ris­co de de­sa­ba­men­to do imó­vel, se­gun­do o ofi­ci­al, a pes­soa de­ve abri­gar-se em pon­tos se­gu­ros da ca­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.