Ex­ten­são

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

mo, al­go to­tal­men­te abo­mi­na­do pe­los mé­di­cos de plan­tão.

O otor­ri­no­la­rin­go­lo­gis­ta Ra­mi­rez San­ches avi­sa que o vo­lu­me dos fo­nes de­ve­ria fi­car em no má­xi­mo 85 de­ci­béis (dB). Ele to­ma­ria um sus­to se pas­sas­se ao la­do do motoboy e ci­clis­ta Lu­cas Fer­nan­des, 16 anos. Em ci­ma da bi­ke, com os ou­vi­dos plu­ga­dos em fo­nes po­ten­tes, a re­por­ta­gem con­se­guia ter uma ideia do gos­to mu­si­cal do ra­paz mes­mo sem ele ti­rar os fo­nes dos ou­vi­dos: era reg­gae.

Lu­cas, que es­ta­va ou­vin­do “Reg­gae Power”, dos Na­ti­ruts, diz que só ou­ve no vo­lu­me má­xi­mo as mú­si­cas ar­ma­ze­na­das em seu ce­lu­lar, en­quan­to faz co­bran­ças no Cen­tro de Ma­rin­gá. “Uma vez, ba­ti com a bi­ke na tra­sei­ra de um car­ro, me dis­traí com o fo­ne, mas tam­bém es­ta­va can­sa­do depois de um dia in­tei­ro de tra­ba­lho”, con­ta.

Um fo­ne de ou­vi­do in­tra-au­ri­cu­lar co­mum tem sen­si­bi­li­da­de de 105 dB quan­do co­lo­ca­do no vo­lu­me má­xi­mo. Se­ria o mes­mo do que fi­car du­ran­te trin­ta mi­nu­tos con­se­cu­ti­vos ou­vin­do os ba­ru­lhos de uma obra den­tro de ca­sa, diz o otor­ri­no­lo­gis­ta.

San­ches tam­bém de­sa­pro­va­ria a tá­ti­ca que a es­tu­dan­te Gi­o­va­na Tef­fa, 15, uti­li­za pa­ra não ou­vir um ba­ru­lhi­nho se­quer das ru­as en­quan­to ca­mi­nha pe­lo Cen­tro, an­tes ou depois das au­las: vo­lu­me do Ipod qua­se no má­xi­mo pa­ra ou­vir rock in­die e pop. Ela, que se en­ver­go­nhou em di­zer que re­me­mo­ra­va os clás­si­cos dos Backs­tre­et Boys quan­do foi abor­da­da pe­la re­por­ta­gem, lo­go tro­cou a mú­si­ca e pas­sou a ou­vir Two Do­or Ci­ne­ma Club. “Ou­ço mú­si­ca al­ta pa­ra me des­li­gar do mun­do. Mi­nha mãe sem­pre diz que, se o te­to de al­gum lu­gar es­ti­ver cain­do por on­de eu es­ti­ver pas­san­do, nem vou no­tar.”

A fo­no­au­dió­lo­ga Ka­ren Rai­o­co­vit­ch, que apon­ta co­mo sin­to­mas co­muns de qu­em exa­ge­ra no som do fo­ne de ou­vi­do a per­da pre­co­ce de au­di­ção e os zum­bi­dos, acon­se­lha os jo­vens a não ul­tra­pas­sa­rem a me­ta­de da ca­pa­ci­da­de de al­tu­ra do vo­lu­me de seus to­ca­do­res de mú­si­cas. As­sim es­ta­rão evi­tan­do os ma­le­fí­ci­os já anun­ci­a­dos. “Pes­qui­sas re­cen­tes mos­tram que os jo­vens de ho­je de­sen­vol­ve­rão pro­ble­mas au­di­ti­vos an­tes que seus pais”,con­ta a pro­fis­si­o­nal.

O mú­si­co e pro­du­tor mu­si­cal Pau­lo Ma­cha­do, 43, sen­te is­so na pe­le. Por de­ver de pro­fis­são, há qua­se 30 anos pas­sa to­dos os di­as úteis com fo­nes co­la­dos nas ore­lhas, mas já se can­sou de aler­tar os dois fi­lhos ado­les­cen­tes pa­ra abai­xa­rem o vo­lu­me de seus fo­nes. Mes­mo há tan­tos anos ten­do que se va­ler dos fo­nes no tra­ba­lho, em seu es­tú­dio na Zo­na 2, diz que nun­ca pre­ci­sou ir ao mé­di­co – sim­ples­men­te por- que sa­be dos ris­cos de se ou­vir mú­si­ca al­ta e da im­por­tân­cia de se ter bons ou­vi­dos em sua área de atu­a­ção.

“Sem­pre ou­ço, nos fo­nes, em vo­lu­me bai­xo, qua­se no mí­ni­mo. Ago­ra meus fi­lhos, que gos­tam de rock pe­sa­do e pop, es­tão com o vo­lu­me sem­pre al­to em seus fo­nes, se­ja no com­pu­ta­dor, no Ipod, no Ipad”, diz Ma­cha­do. Ele, que afir­ma ter um gos­to eclé­ti­co, in­do da MPB, blu­es, jazz e sam­ba, diz que, no tra­ba­lho, a mai­o­ria dos mú­si­cos que en­co­men­dam gra­va­ções faz o es­ti­lo ser­ta­ne­jo uni­ver­si­tá­rio. “Gra­vei com Hu­go Pe­na, Yu­di e Le­an­dro, e Ro­ber­ta e San­ti­a­go, re­cen­te­men­te. Mas já gra­vei tam­bém pa­ra vá­ri­os co­rais e ago­ra es­tou fe­chan­do um tra­ba­lho com a ban­da de rock Kic­king Bul­lets”, adi­an­ta.

Pa­go­dei­ras

As ami­gas Eloá Mo­ni­que, 15, e Dé­bo­ra So­a­res, 16, am­bas es­tu­dan­tes em Sa­ran­di, não ve­em na­da me­lhor do que di­vi­dir o fo­ne de ou­vi­do do ce­lu­lar de uma de­las ou­vin­do pa­go­de ou ser­ta­ne­jo en­quan­to o ôni­bus não che­ga. Elas fo­ram ao Cen­tro de Ma­rin­gá na tar­de de on­tem pa­ra con­fe­rir as va­gas de emprego na agên­cia do tra­ba­lha­dor. En­quan­to o emprego não vem, elas se di­ver­tem, com o vo­lu­me no má­xi­mo, es­cu­tan­do “Lan­ci­nho”, da Tur­ma do Pa­go­de.

“Tam­bém gos­ta­mos de ser­ta­ne­jo. Ago­ra es­tá to­can­do ‘So­grão Ca­pri­chou’, do Lu­an San­ta­na, es­cu­ta”, diz Eloá, rin­do. “Que cul­tu­ra hein”, res­sal­ta ela, num exer­cí­cio de au­toi­ro­nia fi­na.

Pa­ra Dé­bo­ra, que nem den­tro de ca­sa lar­ga o fo­ne de ou­vi­do, é es­cu­tan­do mú­si­ca que ela po­de se abs­ter do som ao re­dor . “Na cir­cu­lar, o fo­ne de ou­vi­do fi­ca no vo­lu­me má­xi­mo pa­ra não es­cu­tar os ‘con­ver­sei­ros’ (sic). Aqui no ce­lu­lar tem pa­go­de e ser­ta­ne­jo: Thi­a­gui­nho, Gust­ta­vo Lima, Fer-

nan­do e So­ro­ca­ba.”

Es­tu­do mó­vel

O mo­çam­bi­ca­no Ti­mó­teo La­me­que, 29, tam­bém não abre mão do fo­ne de ou­vi­do en­quan­to an­da pe­las ru­as do Cen­tro. Mas, di­fe­ren­te­men­te dos jo­vens en­tre­vis­ta­dos, qua­se não es­cu­ta mú­si­ca, nem gos­ta de som al­to. Ele, que es­tá na ci­da­de pa­ra es­tu­dar, con­ta que pas­sa to­do o tem­po ou­vin­do, por meio dos fo­nes do ce­lu­lar, su­as au­las do cur­so de Ges­tão Pú­bli­ca e da pós-gra­du­a­ção de Ges­tão Em­pre­sa­ri­al à dis­tân­cia. Não con­ten­te, con­ta que faz tam­bém o cur­so pre­sen­ci­al de Te­o­lo­gia. “Fa­ço três cur­sos, não te­nho tem­po a per­der. Com­prei o ce­lu­lar com ca­pa­ci­da­de pa­ra ar­ma­ze­nar áu­di­os jus­ta­men­te pa­ra poder me lo­co­mo­ver e, ao mes­mo tem­po, ou­vir as au­las do cur­so a dis­tân­cia. Qua­se não ou­ço mú­si­ca. De vez em quan­do, ou­ço can­ções do pas­tor Charles Cha­ram­ba, mas é bem ra­ra­men­te”, diz La­me­que.

Fo­tos: Ra­fa­el Sil­va

A es­tu­dan­te Gi­o­va­na Tef­fa, que não vi­ve sem o fo­ne: “Ou­ço mú­si­ca al­ta pa­ra me des­li­gar do mun­do”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.