As gran­des

Dra­ma­tur­go e di­re­tor Nel­son Bas­ker­vil­le mos­tra o hor­ror da gu­er­ra por meio de re­la­tos in­fan­tis, em es­pe­tá­cu­lo em car­taz em São Pau­lo

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Maria Eu­gê­nia de Me­ne­zes

Gu­er­ras são aqui­lo a que as­sis­ti­mos pe­la te­le­vi­são. Acon­te­cem em paí­ses dis­tan­tes, em rin­cões da Eu­ro­pa ou do Ori­en­te. “O que elas, afi­nal, têm a ver com a gen­te?”, in­da­ga o di­re­tor Nel­son Bas­ker­vil­le. “E qual é a nos­sa gu­er­ra?”

No es­pe­tá­cu­lo “As Es­tre­las Ca­den­tes do Meu Céu São Fei­tas de Bom­bas do Ini­mi­go”, em car­taz no Sesc Con­so­la­ção, o en­ce­na­dor con­duz a Cia. Pro­vi­só­rio-De­fi­ni­ti­vo em uma in­ves­ti­ga­ção so­bre o te­ma. Traz uma sé­rie de epi­só­di­os bé­li­cos - da Pri­mei­ra Gu­er­ra Mun­di­al aos con­fli­tos do trá­fi­co em São Pau­lo. Sem­pre fil­tra­dos pe­lo olhar in­fan­til.

Ao ele­ger cri­an­ças, diz Bas­ker­vil­le, “a ideia era en­con­trar um olhar me­nos vi­ci­a­do, me­nos apá­ti­co do que o nos­so. Co­mo uma ten­ta­ti­va de vol­tar no tem­po, de re­to­mar cer­ta sim­pli­ci­da­de per­di­da.”

A dra­ma­tur­gia foi cons­truí­da a par­tir de um clás­si­co ab­so­lu­to do gê­ne­ro: “O Diá­rio de An­ne Frank”. Es­cri­to en­tre 1942 e 1944, o li­vro traz as me­mó­ri­as de uma me­ni­na ju­dia que se es­con­deu com a fa­mí­lia na Ams­ter­dã ocu­pa­da pe­los na­zis­tas. A es­se tí­tu­lo se so­mou um ou­tro, mais re­cen­te. Lan­ça­do em 2008, “Vo­zes Rou­ba­das - Diá­ri­os de Gu­er­ra” é um com­pên­dio de re­la­tos de jo­vens ví­ti­mas de con­fli­tos ar­ma­dos.

Tudo o que vai à ce­na, ou qua­se tudo, ba­seia-se em fa­tos ve­rí­di­cos. A re­a­li­da­de tem o con­dão de em­ba­sar o en­re­do. Mas é com tin­tas fan­ta­si­o­sas que se re­co­bre a encenação. Co­mo se tudo se pas­sas­se fo­ra do mun­do. Cri­an­ças mor­tas re­tor­nam co­mo fan­tas­mas pa­ra re­la­tar o pas­sa­do. Es­tão em al­gum lu­gar em que os adul­tos são mons­tros. On­de o chão, for­ra­do de es­to­pa bran­ca, tem a apa­rên­cia de nu­vem ou ne­ve. On­de to­dos os ob­je­tos são fei­tos de pa­pe­lão, co­mo em uma brin­ca­dei­ra in­fan­til. “Pa­ra tra­tar da­qui­lo que é ver­da­de, de­ci­di ir pa­ra o ter­ri­tó­rio da men­ti­ra, do so­nho”, diz o di­re­tor.

Cri­a­ções an­te­ri­o­res de Bas­ker­vil­le en­ve­re­da­ram por ca­mi­nho se­me­lhan­te. Tan­to em “Por que a Cri­an­ça Co­zi­nha na Po­len­ta” (2008) quan­to em “Luís Antônio - Gabriela” (2011), ele bus­ca­va re­la­tos bi­o­grá­fi­cos. Mos­tra­va cri­an­ças que fo­ram ver­da­dei­ra­men­te ex­pos­tas à vi­o­lên­cia. Fu­gia, no en­tan­to, da pre­ten­são de cons­truir qua­dros pre­ci­sos ou re­a­lis­tas. Tan­ta si­mi­la­ri­da­de nas pro­pos­tas po­de­ria su­ge­rir uma pes­qui­sa es­té­ti­ca con­tí­nua. Mas não é dis­so que se tra­ta, as­se­gu­ra o cri­a­dor. “Não que­ro me pren­der a um es­ti­lo. O que me in­te­res­sou ago­ra foi a pos­si­bi­li­da­de de dis­cu­tir es­se as­sun­to. De tra­zer a gu­er­ra so­bre ou­tra pers­pec­ti­va.”

À sua ma­nei­ra, “As Es­tre­las Ca­den­tes do Me Céu...” pre­ten­de mos­trar as gu­er­ras pa­ra além de su­as jus­ti­fi­ca­ti­vas. Dá a im­pres­são de des­con­fi­ar de to­das as ex­pli­ca­ções que os ho­mens in­ven­tam an­tes de pe­gar em armas. Por trás de ca­da uma das his­tó­ri­as en­ce­na­das - se­ja em Cin­ga­pu­ra se­ja em Is­ra­el - exis­te ape­nas um mo­tor de de­se­jo e am­bi­ção. Na­da de gu­er­ras san­tas. De mo­ti­va­ções no­bres. Só a von­ta­de ir­re­fre­a­da de con­quis­tar aqui­lo que o ou­tro tem. “Os ame­ri­ca­nos na gu­er­ra do Gol­fo ou me­ni­no que rou­ba um tê­nis - os dois vão to­mar à for­ça al­go que não é seu”, con­si­de­ra Bas­ker­vil­le.

Soa, sem dúvida, pe­ri­go­sa a op­ção da pe­ça de ni­ve­lar gu­er­ras aos per­cal­ços do trá­fi­co no Bra­sil. O epi­só­dio con­vo­ca­do pe­lo es­pe­tá­cu­lo, po­rém, é su­fi­ci­en­te­men- te con­tun­den­te pa­ra con­ven­cer os mais cé­ti­cos da mag­ni­tu­de de nos­so ge­no­cí­dio co­ti­di­a­no. Re­co­lhi­do do do­cu­men­tá­rio Jar­dim Ân­ge­la, de Eval­do Mo­car­zel, o re­la­to de um ado­les­cen­te dis­se­ca ses­sões de tor­tu­ra e hu­mi­lha­ção Ex­põe a fe­ri­da da vi­o­lên­cia po­li­ci­al, in­si­di­o­sa e fre­quen­te. Tal­vez se­ja o mais cruel e ater­ra­dor dos de­poi­men­tos.

Uma gu­er­ra não é fei­ta só de bom­bas, ti­ros e da des­trui­ção vi­sí­vel. A mon­ta­gem en­ve­re­da pe­los efei­tos in­sus­pei­tos des­ses com­ba­tes. Exis­te a ro­ti­na que de­ve ser rein­ven­ta­da. “É pre­ci­so re­a­pren­der a co­zi­nhar. In­ven­tar no­vas re­cei­tas”, con­ta uma me­ni­na de Sa­ra­je­vo. Há tam­bém a vi­da que se man­tém, à re­ve­lia da mor­te. “Be­bês con­ti­nu­am sen­do fei­tos”, ela re­la­ta.

Até mes­mo atos de ca­ri­da­de são des­mis­ti­fi­ca­dos na obra. O en­vio de cri­an­ças ju­di­as pa­ra a In­gla­ter­ra du­ran­te a Se­gun­da Gu­er­ra sal­vou mi­lha­res de vi­das. Mas lá elas per­de­ram o di­rei­to à pró­pria lín­gua. Amar­ga­ram a sau­da­de dos pais, de la­res que nun­ca vol­ta­ram a re­ver. Qu­em é ca­paz de di­zer qual dor ma­chu­ca mais?

Divulgação

“As Es­tre­las Ca­den­tes do Meu Céu...”: cri­an­ças mor­tas re­tor­nam co­mo fan­tas­mas pa­ra re­la­tar o pas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.