O Sr. Sur­do e o Sr. Per­nas

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Quan­do fa­lam do Wi­li­am, di­zem: o en­tre­ga­dor de per­nas. Di­an­te da ca­ra de es­tra­nhe­za de qu­em ou­ve is­so, vem a ex­pli­ca­ção: “Ele vi­si­ta os que pre­ci­sam de pró­te­ses, faz me­di­ções, en­tre­ga, tes­ta, en­cai­xa as per­nas nas pes­so­as.” Quan­do me con­ta­ram, ima­gi­nei sua ca­mi­nho­ne­te atu­lha­da de pés, per­nas, mãos, bra­ços, bun­das. Mas avi­sa­ram: nããão, não é uma ca­mi­nho­ne­te, é uma van e as pró­te­ses vão to­das em­ba­la­das bo­ni­ti­nhas, em cai­xas, com eti­que­tas e os no­mes dos do­nos. Aí co­nhe­ci o Wi­li­am, na ho­ra do ca­fe­zi­nho, quan­do ele vol­ta­va de uma en­tre­ga. En­tão ele de­sa­tou a fa­lar e me con­tou, ra­pá, ho­je a coi­sa foi bra­va. Aca­bei de che­gar do Sr. Sur­do, fui en­tre­gar uma per­na no­va, to­quei a cam­pai­nha e a fi­lha de­le aten­deu o in­ter­fo­ne, to­da fe­liz com a no­vi­da­de. Saí do ele­va­dor, ela já me es­pe­ra­va sor­ri­den­te no cor­re­dor, veio me abra­çan­do e agra­de­cen­do por eu ir aten­der seu pai em ca­sa, sem ser pre­ci­so ela des­lo­cá-lo. Ela pa­re­cia um de­se­nho ani­ma­do, fa­lan­do, ges­ti­cu­lan­do, mas não por is­so. Nem sei co­mo me abra­çou, pois ti­nha uma bar­ri­ga do ti­po des­sas que a gen­te nun­ca viu. Uma coi­sa gi­gan­te, pa­re­ci­da ter en­go­li­do a bo­la da pró­xi­ma co­pa, mal da­va pa­ra ela se me­xer de um la­do a ou­tro. Mas os bra­ços não pa­ra­vam com os vol­tei­os, a bo­ca não ces­sa­va de fa­lar. Ao la­do da­que­la bar­ri­ga seus bra­ços fi­nos pa­re­ci­am ain­da mais fi­nos, pois ela era in­cri­vel­men­te ma­gra. Com di­fi­cul­da­de an­dou e en­trou no pe­que­no apar­ta­men­to. Por fal­ta de as­sun­to per­gun­tei co­mo ela es­ta­va, es­sas per­gun­tas que a gen­te faz por fa­zer e foi o que bas­tou. Ela bo­tou uma pro­cis­são pa­ra an­dar di­zen­do que es­tão in­ves­ti­gan­do seu abdô­men pois des­co­bri­ram um cis­to que pa­re­ce mui­tos ou mui­tos que pa­re­cem um, não sei, que fi­ze­ram sua bar­ri­ga au­men­tar e que vai fa­zer no­vos exa­mes pois mal con­se­gue an­dar e quan­do an­da até aca­ba per­den­do o equi­lí­brio. Que­ren­do fa­zer lo­go a me­di­ção da per­na, per­gun­tei pe­lo pai de­la, que se­ria o be­ne­fi­ci­a­do, o tal Sr. Sur­do que na ver­da­de não é sur­do, mas sem per­na. Ela dis­se que ele não an­da e fi­ca aca­ma­do com seus 80 e tan­tos anos e que es­tá “per­den­do a vis­ta” e os mé­di­cos que­rem fa­zer trans­plan­te de cór­nea. En­trei no quar­to e fa­lei com o Sr. Sur­do, e aí, vai fa­zer ci­rur­gia pra en­xer­gar? Ele me olhou tor­to ten­tan­do me ver e de mau-hu­mor foi di­zen­do que não vai fa­zer na­da mais nes­ta vi­da. Mas co­mo não, eu dis­se, tem que fa­zer pa­ra en­xer­gar sua no­va per­na! Pe­lo me­nos is­so! No fim até que ani­mei o ca­ra, que, de tão agra­de­ci­do ao se ver em pé, cha­mou to­dos os santos pa­ra me pro­te­ge­rem. A fi­lha de­le me ofe­re­ceu um ca­fe­zi­nho mas eu dis­se que não pre­ci­sa­va não. Eu não ia con­se­guir to­mar, pois o pi­or de tudo era o chei­ro na­que­le apar­ta­men­to. Fui me­din­do a per­na e fi­can­do com o estô­ma­go vi­ra­do, pen­sei no coi­ta­do do pa­pa lá em Ro­ma, so­li­tá­rio no poder, ta­di­nho, dis­traí o en­joo, até que con­se­gui sair pa­ra a rua e en­cher os pul­mões de ar fres­co, mas não adi­an­tou mui­to não, pois mal vi­rei a es­qui­na e ti­ve que de­vol­ver a so­bre­me­sa do al­mo­ço no meio fio. Pen­sei que fos­se fi­car sem per­nas, que ia me in­char a bar­ri­ga que nem aque­la mu­lher, pen­sei que não fos­se con­se­guir che­gar mais aqui no emprego, di­an­te des­te ca­fe­zi­nho. Só sei que di­an­te do de­sa­ba­fo do Sr. Per­nas eu fi­quei sem pa­la­vras e qua­se es­tou por me re­de­no­mi­nar Sr. Mu­do e Es­tu­pe­fa­to di­an­te de tan­ta com­pli­ca­ção de gen­te que há no mun­do, a co­me­çar por mim, que na­da te­nho a di­zer mas te­nho que fi­car ta­pan­do um bu­ra­co e en­chen­do-o com pa­la­vras. O Sr. Per­nas ta­pa bu­ra­cos com pró­te­ses, o Sr. Vão lá da ma­nu­ten­ção de ru­as usa as­fal­to, o Sr. Pio jo­ga gen­te e ter­ra lá nas co­vas e eu, olha, to­ma-lhe pa­la­vras, nem sei mais o que di­zer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.