Maria Ma­da­le­na, de ma­dru­ga­da, viu o tú­mu­lo va­zio

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O evan­ge­lis­ta João co­me­ça a nar­ra­ti­va do tú­mu­lo va­zio na ma­dru­ga­da do pri­mei­ro dia da se­ma­na, di­zen­do: “No pri­mei­ro dia da se­ma­na, Maria Ma­da­le­na foi ao tú­mu­lo de Je­sus bem de ma­dru­ga­da, quan­do ain­da es­ta­va es­cu­ro, e viu que a pe­dra ti­nha si­do re­ti­ra­da do tú­mu­lo. Cor­reu en­tão e foi ter com Si­mão Pe­dro e com o dis­cí­pu­lo ama­do e dis­se-lhes: Le­va­ram o Se­nhor do tú­mu­lo e não sa­be­mos on­de o pu­se­ram” (Jo.20,1-2).

Na­que­la ma­dru­ga­da Maria Ma­da­le­na fez e ex­pe­ri­ên­cia do va­zio. Nem mes­mo o ca­dá­ver do Se­nhor Je­sus es­ta­va ali. Na­da res­ta­va pa­ra fa­zer o lu­to. Co­mo é do­lo­ro­so a mor­te de um en­te que­ri­do quan­do seu cor­po de­sa­pa­re­ceu, on­de não exis­te tú­mu­lo pa­ra ir em ho­me­na­gem. Quan­tas Ma­da­le­nas, qu­an­tos Pe­dros e Joãos ain­da ho­je vi­vem a mes­ma ex­pe­ri­ên­cia.

Aque­le co­ra­ção de mu­lher, trans­pas­sa­do pe­la dor, nun­ca ima­gi­na­ria que se tra­ta­va de res­sur­rei­ção. Era o pri­mei­ro dia da se­ma­na, um no­vo dia, um no­vo tem­po, uma no­va vi­da co­me­ça­va a exis­tir fo­ra do tú­mu­lo.

O Ho­mem no­vo ini­ci­a­va a sua exis­tên­cia cons­ta­ta­do por uma mu­lher que vai so­zi­nha, na ma­dru­ga­da, no es­cu­ro. Foi ela que fez Pe­dro e João cor­re­rem pa­ra tes­te­mu­nhar que o tú­mu­lo es­ta­va va­zio e os len­çóis do­bra­dos. Dois si­nais ape­nas: o tú­mu­lo e os len­çóis. Ca­mi­nho de per­da e de si­lên­cio, ne­nhu­ma ex­pli­ca­ção, só o tem­po vai dar ra­zões pa­ra con­ti­nu­ar vi­ven­do.

A co­mu­ni­da­de co­me­ça a acre­di­tar na no­tí­cia depois do tes­te­mu­nho, da mu­lher e dos dis­cí­pu­los. Tudo co­me­ça no es­cu­ro da ma­dru­ga­da, do nas­cer de um no­vo dia. No ca­mi­nho da vi­da, as noi­tes es­cu­ras po­dem ofe­re­cer um no­vo ca­mi­nho. As tre­vas não são só cau­sa de do­mí­nio do mal, são opor­tu­ni­da­des de ver a luz de ma­nei­ra no­va, ver de no­vo que tudo po­de ter um re­co­me­ço mes­mo sem sa­ber co­mo se­rá.

A per­gun­ta que cer­ta­men­te cru­za­va a men­te e o co­ra­ção da­que­les ho­mens e mu­lhe­res era: O que fa­re­mos ago­ra depois que per­de­mos o Mes­tre?

Na me­di­da em que a co­mu­ni­da­de se une pa­ra bus­car uma saí­da, apa­re­ce Je­sus, e o po­vo co­me­ça a en­ten­der que Je­sus de­via res­sus­ci­tar dos mor­tos.

A ex­pe­ri­ên­cia do res­sus­ci­ta­do não acon­te­ce au­to­ma­ti­ca­men­te. Não se tor­na al­go com­pre­en­sí­vel de ime­di­a­to. Tudo se­rá en­ten­di­do na me­di­da em que jun­tos bus­cam uma luz.

Mes­mo sem a pre­sen­ça de to­dos, ali se ma­ni­fes­ta o Se­nhor, o Mes­tre, Aque­le que so­pra so­bre Ele o Es­pí­ri­to da vi­da, do en­tu­si­as­mo, da ale­gria, dis­si­pan­do o me­do. “Não te­nhais me­do! Sou eu que fa­lo com vo­cês”. O so­pro do Es­pí­ri­to abre a men­te e o co­ra­ção e faz can­tar : Ale­luia o Se­nhor res­sus­ci­tou! Ele es­tá vi­vo. Ale­luia! Des­de aque­la ma­dru­ga­da es­cu­ra e fria, a no­tí­cia é sem­pre a mes­ma: “O tú­mu­lo es­tá va­zio, só fi­cou o len­çol do­bra­do. A vi­da ven­ceu a mor­te! Eu tam­bém vou ven­cer e con­tem­plar o tú­mu­lo da mi­nha vi­da, va­zio das mi­nhas mi­sé­ri­as, e re­co­me­çar um ca­mi­nho no­vo na di­re­ção do céu, da ver­da­dei­ra vi­da. As­sim a Pás­coa (pas­sa­gem) não se­rá um dia e sim um pro­pó­si­to de vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.