10 anos depois, é ho­ra de re­a­brir a re­ser­va

Au­di­ên­cia pú­bli­ca pa­ra dis­cus­são do Pla­no de Ma­ne­jo do Hor­to Flo­res­tal de Ma­rin­gá é opor­tu­na pa­ra a de­fe­sa da re­cu­pe­ra­ção ime­di­a­ta e da re­a­ber­tu­ra da área ver­de ao pú­bli­co

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Mu­ri­lo Gat­ti mgat­ti@odi­a­rio.com

Depois de man­ter o Hor­to Flo­res­tal de Ma­rin­gá Dr. Luiz Tei­xei­ra Men­des com o por­tão fe­cha­do ao pú­bli­co por 10 anos, a Com­pa­nhia Me­lho­ra­men­tos Nor­te do Pa­ra­ná (CMNP) e a Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá co­me­çam a cum­prir a sen­ten­ça ju­di­ci­al que de­ter­mi­na a re­cu­pe­ra­ção da área. O Pla­no de Ma­ne­jo da re­ser­va foi con­cluí­do, e a po­pu­la­ção es­tá sen­do con­vi­da­da a par­ti­ci­par de au­di­ên­cia pú­bli­ca no dia 18 de abril.

O es­tu­do e dis­cus­são com os ma­rin­ga­en­ses são ape­nas o pri­mei­ro item da sen­ten­ça as­si­na­da em 2005 pe­lo juiz Al­ber­to Marques dos Santos, da 4ª Va­ra Cí­vel - atu­al­men­te em fa­se de exe­cu­ção - mas re­pre­sen­tam um mo­men­to opor­tu­no pa­ra se rei­vin­di­car as so­lu­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra a re­a­ber­tu­ra da re­ser­va à vi­si­ta­ção.

O juiz ex­pli­ca que é pos­sí­vel que o hor­to vol­te a ser usa­do co­mo es­pa­ço de la­zer, edu­ca­ção am­bi­en­tal e con­tem­pla­ção, des­de que a CMNP e a pre­fei­tu­ra cum­pram com as de­ter­mi­na­ções ju­di­ci­ais a que fo­ram con­de­na­das. Tre­cho da sen­ten­ça diz que am­bos são obri­ga­dos a “abs­ter-se de re­a­li­zar qual­quer ati­vi­da­de que pos­sa cau­sar im­pac­to am­bi­en­tal ne­ga­ti­vo, sem pré­vio es­tu­do e sem de­ba­te pú­bli­co.”

Na prá­ti­ca, is­so sig­ni­fi­ca que pa­ra re­a­brir o hor­to é ne­ces­sá­rio, em pri­mei­ro lu­gar, re­cu­pe­rar as áre­as de­gra­da­das pe­la ero­são e cons­truir ga­le­ri­as plu­vi­ais e dis­si­pa­do­res de ener­gia ne­ces­sá­ri­os pa­ra aca­bar com es­te pro­ble­ma his­tó­ri­co, e em se­gui­da fa­zer uma ava­li­a­ção da pre­sen­ça do pú­bli­co pa­ra se de­li­mi­tar as re­gras de aces­so.

“Não se po­de afir­mar que tem sen­ten­ça proi­bin­do o uso pa­ra fi­na­li­da­de de la­zer. Exis­te a proi­bi­ção se não se me­dir o im­pac­to e sem ha­ver um de­ba­te pú­bli­co”, afir­ma Santos. O úni­co lo­cal on­de o aces­so de­ve ser to­tal­men­te res­tri­to é a “área de pre­ser­va­ção per- ma­nen­te da nas­cen­te e da ba­cia do cór­re­go Borba Ga­to”.

CMNP

O ad­vo­ga­do Erik Gu­e­des Na­vrocky, re­pre­sen­tan­te da CMNP, pro­pri­e­tá­ria do hor­to, diz que a “com­pa­nhia la­men­ta o fe­cha­men­to e tem so­ma­do es­for­ços com o mu­ni­cí­pio pa­ra ten­tar re­sol­ver de­fi­ni­ti­va­men­te a ques­tão das ga­le­ri­as plu­vi­ais e re­cu­pe­rar a área de­gra­da­da.” Ao mes­mo tem­po, ele afir­ma que a re­a­ber­tu­ra dos por­tões é do in­te­res­se da em­pre­sa. “A CMNP não des­car­ta a re­a­ber­tu­ra ao pú­bli­co, que se­rá opor­tu­na­men­te dis­cu­ti­da com a mu­ni­ci­pa­li­da­de.”

Na ava­li­a­ção da Pro­mo­to­ria de De­fe­sa do Meio Am­bi­en­te, au­to­ra da ação ci­vil pú­bli­ca pro­pos­ta em 2003 com o ob­je­ti­vo de ga­ran­tir a pre­ser­va­ção des­te im­por­tan­te re­du­to ver­de de Ma­rin­gá, o fo­co prin­ci­pal nes­te mo­men­to é re­cu­pe­rar a re­ser­va. “Va­mos acom­pa­nhar pa­ra que se cum­pra a de­ci­são ju­di­ci­al. É pre­ci­so re­sol­ver os pro­ble­mas am­bi­en­tais”, afir­ma o pro­mo- tor de De­fe­sa do Meio Am­bi­en­te, José La­fai­e­te Bar­bo­sa Tou­ri­nho.

En­tre as obri­ga­ções pre­vis­tas, du­as ca­bem ex­clu­si­va­men­te à pre­fei­tu­ra: a cons­tru­ção de ga­le­ri­as plu­vi­ais e dis­si­pa­do­res de ener­gia pa­ra evi­tar a con­ti­nui­da­de do pro­ces­so ero­si­vo e de de­gra­da­ção da ma­ta; e iden­ti­fi­ca­ção pa­ra de­sa­ti­var to­dos os pon­tos de es­go­to clan­des­ti­no des­pe­ja­dos den­tro do hor­to ou na re­de de cap­ta­ção das águas plu­vi­ais que de­sa­guam na re­ser­va.

Na ava­li­a­ção da CMNP, es­tes pro­ble­mas fo­ram pro­vo­ca­dos “em de­cor­rên­cia úni­ca e ex­clu­si­va do cres­ci­men­to da ci­da­de, que pro­vo­cou o au­men­to das áre­as im­per­me­a­bi­li­za­das, que aca­ba­ram oca­si­o­nan­do o au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo do de­sá­gue de águas plu­vi­ais nas ga­le­ri­as que são di­re­ci­o­na­das ao cór­re­go Borba Ga­to, den­tro da área do hor­to.”

Na ava­li­a­ção da CMNP, os de­je­tos só­li­dos en­con­tra­dos com frequên­cia em par­te da ma­ta e nos cór­re­gos tam­bém são con­sequên­cia do des­pe­jo ir­re­gu­lar das águas plu­vi­ais dos bair­ros vi­zi­nhos, prin­ci­pal­men­te da Zo­na 5. “Os de­je­tos só­li­dos even­tu­al­men­te en­con­tra­dos na área acom­pa­nham as águas des­pe­ja­das. Mas atu­al­men­te, não há li­xo acu­mu­la­do uma vez que pe­ri­o­di­ca­men­te a CMNP efe­tua a lim­pe­za do lo­cal”, afir­ma o ad­vo­ga­do da com­pa­nhia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.