‘A Igre­ja de­ve ser a ca­sa do Po­vo de Deus’

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com Vi­ver na sim­pli­ci­da­de e pra­ti­car a ca­ri­da­de. Ao con­trá­rio do que se pen­sa, mui­tas pes­so­as bus­cam es­se es­ti­lo de vi­da com ba­se, prin­ci­pal­men­te, na re­li­gião. Em en­tre­vis­ta a O Diá­rio, o pa­dre Bruno Eli­zeu Ver­sa­ri, da Pa­ró­quia San­ta Maria Go­ret­ti, em Ma­rin­gá, O DIÁ­RIO - A Qu­a­res­ma e a Se­ma­na San­ta atra­em mais fiéis pa­ra a Igre­ja? Estimula uma re­fle­xão vol­ta­da pa­ra a fé cris­tã? PA­DRE BRUNO ELI­ZEU VER­SA­RI - Sim. Es­se é um tem­po que aju­da as pes­so­as a pen­sar e re­fle­ti­rem mais so­bre a vi­da de Je­sus. So­bre a fé e em seus en­si­na­men­tos. Ir à Igre­ja é o de­se­jo de en­con­trar os irmãos que acre­di­tam no mes­mo Deus que se en­car­nou e Fez-se um de nós e morreu na cruz pa­ra sal­var a hu­ma­ni­da­de. Pen­sar em Je­sus que se faz Pão Eu­ca­rís­ti­co pa­ra ali­men­tar os fiéis nos re­me­te ao de­se­jo de Je­sus: que to­dos te­nham um pe­da­ço de pão. Ou pen­sar na cruz que ele car­re­ga. Faz-nos lem­brar da cruz de tan­tas pes­so­as que to­dos os di­as car­re­gam a sua cruz e mais de uma vez tam­bém ca­em pe­lo ca­mi­nho. Quan­do o po­vo vai à igre­ja, ele quer re­zar por aque­le que sen­do Deus se iden­ti­fi­ca com ele. O se­nhor ado­tou a sim­pli­ci­da­de co­mo le­ma pa­ra sua vi­da? Nas­ci e fui cri­a­do nu­ma fa­mí­lia bem hu­mil­de, agri­cul­to­res mi­gran­tes do Es­ta­do de São Pau­lo. Gran­de par­te de mi­nha ju­ven­tu­de vi­vi na re­gião de Flo­res­ta(ci­da­de a 25 km de Ma­rin­gá), ali tam­bém fiz meus es­tu­do bá­si­cos e com mui­to sa­cri­fí­cio e aju­da dos Irmãos Ma­ris­tas es­tu­dei o se­gun­do grau no Co­lé­gio Ma­ris­ta de Ma­rin­gá. Es­se é um re­qui­si­to pa­ra o sa­cer­dó­cio? Eu pen­so que o pa­dre é um ho­mem de­di­ca­do ao ser­vi­ço das coi­sas de Deus. Por is­so, de­ve dar tes­te­mu­nho da­qui­lo que pre­ga e en­si­na. Vi­ver na sim­pli­ci­da­de diz que mui­tos vi­vem, na­tu­ral­men­te, na sim­pli­ci­da­de. “O pro­ble­ma é que a im­pren­sa, de um mo­do es­pe­ci­al a TV, ge­ral­men­te mos­tra pes­so­as ves­ti­das ele­gan­te­men­te, com rou­pas de gri­fe, ca­sas lu­xu­o­sas, car­rões, ia­tes, re­a­li­da­des que são apre­sen­ta­das co­mo sen­do co­mum a to­dos, mas são pou­cos os que têm aces­so a is­so”, ob­ser­va . Pa­ra ele, a mai­o­ria da po­pu­la­ção en­fren­ta di­fi­cul­da­des pa­ra ir ao tra­ba­lho, não é mui­to di­fí­cil pa­ra qu­em sem­pre te­ve uma vi­da sim­ples. Eu pen­so que is­so me aju­da a vi­ver o meu mi­nis­té­rio, mi­nha con­sa­gra­ção à Igre­ja e ao Evan­ge­lho. O se­nhor acha que o fa­to de o Pa­pa ado­tar o no­me de Francisco, é uma men­sa­gem pa­ra dar mais aten­ção às pes­so­as po­bres? São Francisco de As­sis era um ho­mem sim­ples e de­di­cou sua vi­da à cau­sa do po­bre, da Igre­ja e do Evan­ge­lho. Eu en­ten­do que o Pa­pa pen­sa nis­so: dar mai­or aten­ção aos po­bres, aos aban­do­na­dos, co­mo en­con­tra­mos no Evan­ge- lho: “Eu es­ta­va com fo­me e me des­te de co­mer, com se­de e me des­tes de be­ber, nu e me ves­tis­tes, pre­so e do­en­te e fos­te me vi­si­tar” (Mt 25, 35-36). Is­so, sem dú­vi­das, de­ve nos mo­ti­var a vi­ver de uma ma­nei­ra sim­ples, de­sa­pe­ga­da das coi­sas des­te mun­do. É um exem­plo que as pes­so­as co­muns de­vem se­guir? Os santos nos dei­xam um exem­plo de vi­da pa­ra qu­em de­se­ja le­var a sé­rio o se­gui­men­to de Je­sus. Não é pos­sí­vel se­guir Je­sus e não se in­co­mo­dar com os mais ne­ces­si­ta­dos, os que so­frem e os que vi­vem à mar­gem da so­ci­e­da­de. Se­guir o exem­plo de­le ou do Pa­pa Francisco de­ve mo­ti­var e ilu­mi­nar qu­em de­se­ja ser cris­tão fi­el. Os santos tam­bém nor­tei­am a vi­da das pes­so­as e são exem­plos se­gui­dos? Eu cos­tu­mo di­zer que os santos são ba­li­zas, pla­cas no ca­mi­nho. Quan­do te­mos uma vi­a­gem a fa­zer, se­gui­mos su­as pla­cas, prin­ci­pal­men­te se for ter­re­nos des­co­nhe­ci­dos. Os santos são co­mo es­sas pla­cas, o ca­mi­nho é Je­sus, as pla­cas in­di­cam o ca­mi­nho, se­gui­las é a ga­ran­tia de che­gar em se­gu­ran­ça ao des­ti­no, mas se fi­car pa­ra­do na “pla­ca”, po­de não che­gar ao des­ti­no. As­sim, pen­so que te­mos mui­tos exem­plos que nos aju­dam a se­guir o ca­mi­nho que é Je­sus, e o Pa­pa Francisco tam­bém é um de­les. Em sua opi­nião, as pes­so­as vão co­brar mais sim­pli­ci­da­de da Igre­ja? As pes­so­as se iden­ti­fi­cam com a sim­pli­ci­da­de por­que são sim­ples. Qu­em faz a Igre­ja são as pes­so­as, acre­di­to que is­so de­ve ser na­tu­ral, sim­ples não sig­ni­fi­ca ser sim- pa­ra tra­ta­men­to de saú­de, pa­ra ter uma ca­sa ou um au­to­mó­vel.O fa­to de o Pa­pa ter ado­ta­do o no­me Francisco, se­gun­do pa­dre Bruno, é uma men­sa­gem pa­ra dar mais aten­ção aos po­bres e aos aban­do­na­dos. O pa­dre Bruno tam­bém fa­la de um dos te­mas po­lê­mi­cos: a or­de­na­ção de mu­lhe­res na Igre­ja Ca­tó­li­ca. “No mo­men­to, é as­sim. Até ho­je sem­pre foi as­sim, mas qu­em sa­be no fu­tu­ro po­de ser di­fe­ren­te. plis­ta, is­so é, não le­var em con­ta a cul­tu­ra e a his­tó­ria do po­vo e re­du­zir a um com­por­ta­men­to ex­tra­va­gan­te. A Igre­ja de­ve vi­ver na sim­pli­ci­da­de de mo­do a aco­lher to­das as cul­tu­ras, ra­ças e si­tu­a­ção so­ci­al. A Igre­ja de­ve ser a ca­sa do po­vo de Deus. Por­tan­to, de­ve vi­ver co­mo o po­vo. O se­nhor acha que no mun­do atu­al é di­fí­cil as pes­so­as pra­ti­ca­rem a sim­pli­ci­da­de? Não. Tem mui­tas pes­so­as que vi­vem na sim­pli­ci­da­de. O pro­ble­ma é que a im­pren­sa, de um mo­do es­pe­ci­al a TV, ge­ral­men­te Não ve­jo pro­ble­ma ne­nhum, afi­nal, Deus nos fez à sua ima­gem e se­me­lhan­ça, so­mos seus fi­lhos com igual im­por­tân­cia”, de­cla­ra. Ele fa­la tam­bém so­bre a par­ti­ci­pa­ção do jo­vem na igre­ja e a di­mi­nui­ção de pes­so­as com vo­ca­ção pa­ra o sa­cer­dó­cio.Pa­ra ele, a Se­ma­na San­ta é um pe­río­do que aju­da as pes­so­as a pen­sar e re­fle­ti­rem mais so­bre a vi­da de Je­sus. Leia os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta. mos­tra pes­so­as ves­ti­das ele­gan­te­men­te com rou­pas de gri­fe, ca­sas lu­xu­o­sas, car­rões, ia­tes, re­a­li­da­des que são apre­sen­ta­das co­mo sen­do co­mum a to­dos, mas na re­a­li­da­de, são pou­cos os que tem aces­so, is­so in­fluên­cia a vi­da das pes­so­as que aca­bam pensando que vi­ver as­sim é o nor­mal, na re­a­li­da­de não é; o po­vo ain­da so­fre mui­to. Se­ja pa­ra ir ao tra­ba­lho, pa­ra tra­ta­men­to de saú­de, ter uma ca­sa ou um car­ro. A mai­o­ria do po­vo vi­ve na sim­pli­ci­da­de. Co­mo o se­nhor ava­lia o com­por­ta­men­to dos jo­vens atu­al­men­te? Os jo­vens vi­vem uma cons­tan­te bus­ca. Na Igre­ja não é di­fe­ren­te. Quan­do eles vão à Igre­ja tam­bém bus­cam al­go no­vo. Bus­cam uma pa­la­vra pa­ra dar sen­ti­do às su­as vi­das. De­se­jam des­co­brir ali um ca­mi­nho que va­le a pe­na, eles sa­bem que o ca­mi­nho da Igre­ja não vai de­cep­ci­o­ná-los. Ir à Igre­ja é per­cor­rer um ca­mi­nho que lhes fa­rá fe­liz. Na fa­mí­lia, no tra­ba­lho, nos es­tu­dos e na vi­da so­ci­al, na Igre­ja eles sem­pre vão en­con­trar apoio. En­quan­to que ou­tros ca­mi­nhos po­dem cau­sar tris­te­zas ir­re­pa­rá­veis e de­cep­ções in­cor­ri­gí­veis. Há uma di­mi­nui­ção de pes­so­as com vo­ca­ção pa­ra o sa­cer­dó­cio? Na nos­sa re­gião sim, mas não no mun­do. Do ano 2000 a 2010, pas­sou de 405 mil pa­ra 413 mil sa­cer­do­tes (nú­me­ros do Va­ti­ca­no). Na mai­o­ria das ca­sas, os pais in­flu­en­ci­am os fi­lhos na ho­ra de de­ci­dir seu fu­tu­ro, sua vo­ca­ção. Mas os pais cos­tu­mam usar vá­ri­os cri­té­ri­os. Co­mo é is­so? Ge­ral­men­te, o cri­té­rio é se vai ga­nhar di­nhei­ro e não se vai ser fe­liz exer­cen­do aque­la fun­ção e depois de per­cor­ri­do um ca­mi­nho e for­ma­do a fa­mí­lia fi­ca im­pos­si­bi­li­ta­da de vol­tar atrás. O cri­té­rio pa­ra ser pa­dre é con­sa­grar a vi­da a Deus ser­vin­do uma co­mu­ni­da­de, ge­ral­men­te em uma pa­ró­quia, aju­dan­do o bis­po na mis­são de evan­ge­li­zar. Co­mo is­so não dá di­nhei­ro nem ne­tos, aca­ba sen­do dei­xa­do de la­do, in­fe­liz­men­te. Uma das po­lê­mi­cas que a Igre­ja Ca­tó­li­ca en­fren­ta re­fe­re-se às mu­lhe­res não po­de­rem ser or­de­na­das pa­dres. Co­mo o se­nhor vê is­so? No mo­men­to é as­sim, até ho­je sem­pre foi as­sim, mas qu­em sa­be no fu­tu­ro po­de ser di­fe­ren­te. Não ve­jo pro­ble­ma ne­nhum, afi­nal, Deus nos fez a sua ima­gem e se­me­lhan­ça so­mos seus fi­lhos com igual im­por­tân­cia. O fu­tu­ro a Deus per­ten­ce. Mas exis­te uma par­ti­ci­pa­ção das mu­lhe­res na Igre­ja... Ho­je nós já te­mos mu­lhe­res pre­si­din­do co­mu­ni­da­des, fa­zen­do pre­ga­ções, dis­tri­buin­do a Eu­ca­ris­tia, re­a­li­zan­do ba­ti­za­dos e as­sis­tin­do co­mo tes­te­mu­nha qua­li­fi­ca­da o sacramento do ma­trimô­nio. Há um tem­po atrás is­so era im­pen­sá­vel. O Es­pí­ri­to San­to tem seus ca­mi­nhos. Que men­sa­gem o se­nhor gos­ta­ria de le­var aos éis nes­sa do­min­go de Pás­coa? Que­ro de­se­jar uma Fe­liz Pás­coa a to­dos. E di­zer que a mor­te não tem a úl­ti­ma pa­la­vra, crer e se­guir Je­sus va­le a pe­na por­que Ele nos ofe­re­ce a Vi­da Eter­na.

Fo­tos/Ra­fa­el Sil­va

“Os jo­vens vi­vem uma cons­tan­te bus­ca. Na Igre­ja não é di­fe­ren­te. Quan­do eles vão à Igre­ja tam­bém bus­cam al­go no­vo. Bus­cam uma pa­la­vra pa­ra dar sen­ti­do às su­as vi­das, des­co­brir um ca­mi­nho’’

“Não é pos­sí­vel se­guir Je­sus e não se in­co­mo­dar com os mais ne­ces­si­ta­dos, os que so­frem e os que vi­vem à mar­gem da so­ci­e­da­de. Se­guir o exem­plo de Je­sus ou do Pa­pa de­ve mo­ti­var o cris­tão’’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.