Em Ma­rin­gá e no País, ca­da vez mais gêmeos

Se­guin­do ten­dên­cia na­ci­o­nal mos­tra­da por pes­qui­sa do IBGE, re­gis­tros em car­tó­rio ma­rin­ga­en­se apon­tam que par­tos múl­ti­plos es­tão au­men­tan­do na ci­da­de

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com Re­gis­tros de par­tos múl­ti­plos – nos quais nas­cem os fa­mo­sos gêmeos – em um car­tó­rio de Ma­rin­gá são um bom in­di­ca­ti­vo de que es­te ti­po de nas­ci­men­to es­tá em al­ta na ci­da­de, se­guin­do ten­dên­cia na­ci­o­nal mos­tra­da pe­lo Instituto Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE). No Car­tó­rio Maria Re­gi­na – 2º Ofí­cio de Re­gis­tro Ci­vil, hou­ve al­ta de 55,5% nes­te ti­po de par­to en­tre 2007 e 2012. O IBGE apon­ta mo­vi­men­to me­nor, mas se­me­lhan­te no País: cres­ci­men­to de 17% em 7 anos, de acor­do com a Pes­qui­sa de Re­gis­tro Ci­vil de 2010.

O avan­ço, do pon­to de vis­ta da me­di­ci­na, de­ve-se a tra­ta­men­tos con­tra a in­fer­ti­li­da­de e téc­ni­cas de re­pro­du­ção. Mas há ca­sos na­tu­rais, de­ter­mi­na­dos sim­ples­men­te pe­la ge­né­ti­ca.

O gi­ne­co­lo­gis­ta Mar­ce­lo Mu­ra­ta afir­ma per­ce­ber o au­men­to no nú­me­ro de gêmeos e des­ta­ca que es­te cres­ci­men­to se de­ve tam­bém à quan­ti­da­de de ca­sais que procuram tra­ta­men­to nas clí­ni­cas de re­pro­du­ção hu­ma­na. “No tra­ta­men­to de re­pro­du­ção as­sis­ti­da usa­mos in­du­to­res, pos­si­bi­li­tan­do as­sim a ovu­la­ção de mais de um óvu­lo, ge­ran­do gra­vi­dez múl­ti­pla”, ex­pli­ca. Ele des­ta­ca que, atu­al­men­te, a me­di­ci­na pro­cu­ra não es­ti­mu­lar a ges­ta­ção múl­ti­pla de­vi­do aos al­tos ris­cos de pre­ma­tu­ri­da­de e ou- tras com­pli­ca­ções. “Pro­cu­ra­mos trans­fe­rir ca­da vez me­nos em­briões, sem pre­juí­zo às ta­xas de su­ces­so de gra­vi­dez”, ob­ser­va.

En­quan­to a ci­ên­cia pro­cu­ra aper­fei­ço­ar mé­to­dos, ca­sos na­tu­rais tam­bém ga­nham re­per­cus­são. As gê­me­as Re­na­ta e Ra­chel Tei­xei­ra de Sou­za, 32 anos, nas­ce­ram sem in­ter­fe­rên­cia de tra­ta­men­tos. Co­mo gê­me­as, elas fa­lam das van­ta­gens e des­van­ta­gens de ser uma o “clo­ne” da ou­tra. “Gos­to de ser gê­mea. Em­bo­ra te­nha­mos a mes­ma apa­rên­cia fí­si­ca, nos­sas per­so­na­li­da­des são bem diferentes”, ob­ser­va Re­na­ta. Ela con­ta que as se­me­lhan­ças eram exal­ta­das pe­los pais, que pro­cu­ra­vam ves­tí-las com rou­pas idên­ti­cas, mu­dan­do só a cor, du­ran­te a in­fân­cia. “Os brin­que­dos eram sem­pre iguais. Ho­je pen­so que is­so é um pou­co cha­to”, diz Re­na­ta.

“Ve­jo, en­tre os ami­gos, que os re­la­ci­o­na­men­tos (en­tre irmãos não gêmeos) não são tão es­trei­tos quan­to os dos gêmeos”, diz Ra­chel. Ela con­ta que até a sen­si­bi­li­da­de é mai­or. “Já acon­te­ceu uma vez de a Re­na­ta se sen­tir mal e eu, que es­ta­va em ou­tro lu­gar, tam­bém me sen­tir mal”, lem­bra.

Elas di­zem que nun­ca ti­ra­ram pro­vei­to do fa­to, mas já fi­ze­ram al­gu­mas brin­ca­dei­ras. “Sem­pre tem aqui­lo de per­gun­ta­rem: é a Re­na­ta ou é a Ra­chel? Quan­do acon­te­cia is­so fa­zía­mos brin­ca­dei­ras rá­pi­das”, des­cre­ve.

Pa­ra elas, a des­van­ta­gem é que as pes­so­as es­pe­ram que os gêmeos te­nham a mes­ma per­so­na­li­da­de, ou que não ha­ja ne­nhum ti­po de di­fe­ren­ça en­tre eles. “Tal­vez as pes­so­as te­nham as mes­mas ex­pec­ta­ti­vas com nós du­as. Acham que de­ve­ría­mos pen­sar igual, e não é as­sim. As per­so­na­li­da­des são diferentes.” Re­na­ta, que é pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria de Edu­ca­ção Fí­si­ca, con­ta que gos­ta mais de es­por­tes, e Ra­chel, que é co­or­de­na­do­ra mi­nis­te­ri­al de uma igre­ja, é mais for­mal. “Eu gos­to de usar sa­pa­to de sal­to e Re­na­ta prefere tê­nis e sa­pa­tos bai­xos, até pe­la pro­fis­são”, diz Ra­chel.

Ricardo Lo­pes

Ra­chel e Re­na­ta (ou se­ria Re­na­ta e Ra­chel?); as pes­so­as es­pe­ram que elas se­jam idên­ti­cas em tudo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.