Evo­lu­ção cul­tu­ral vai se re­fle­tir sem­pre na lín­gua

Ze­lo no uso de ter­mos aju­dou a afas­tar pre­con­cei­tos his­tó­ri­cos, mas tam­bém cri­ou si­tu­a­ções exa­ge­ra­das e em­ba­ra­ço­sas;

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Fá­bio Lin­jar­di

lin­jar­di@odi­a­rio.com Fra­ses e pa­la­vras que te­nham car­ga de pre­con­cei­to ou sim­ples­men­te in­co­mo­dem de­ter­mi­na­dos gru­pos vêm sen­do ca­ça­das com o avan­ço – para ci­ma ou para os la­dos – da so­ci­e­da­de. É a on­da do po­li­ti­ca­men­te cor­re­to, que ao mes­mo tem­po que con­tri­bui para o dis­tan­ci­a­men­to de pre­con­cei­tos his­tó­ri­cos, tem enor­me po­ten­ci­al para cri­ar mui­to ba­ru­lho por pou­cas le­tras. Com o apro­fun­da­men­to da dis­cus­são, dentro do ra­ci­o­cí­nio de ba­nir o que é des­ca­bi­do, tam­bém se­ria vá­li­do o uso de “po­li­ti­ca­men­te” co­mo sinô­ni­mo de cor­re­ção.

Pro­va da ins­ta­bi­li­da­de do ter­re­no foi a ten­ta­ti­va ofi­ci­al de se es­ta­be­le­cer, em vão, o que não de­ve ser di­to. Isso foi por meio da car­ti­lha “Po­li­ti­ca­men­te Cor­re­to & Di­rei­tos Hu­ma­nos”, ela­bo­ra­da pe­la Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al dos Di­rei­tos Hu­ma­nos da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Fo­ram im­pres­sos 5 mil exem­pla­res em 2005, mas o ma­te­ri­al foi des­car­ta­do após uma sé­rie de po­lê­mi­cas.

A car­ti­lha con­ta­va com pa­la­vras e ex­pres­sões que de­ve­ri­am ser evi­ta­das. “Ne­gro de al­ma bran­ca”, por exem­plo, fi­gu­ra­va en­tre al­guns dos poucos exem­plos do que é ni­ti­da­men­te pre­con­cei­tu­o­so e de­ve ser evi­ta­do. Mas a car­ti­lha não che­gou a ata­car pro­ble­mas ób­vi­os - e se su­pe­rou. Soa mal cha­mar al­gum ser­vi­dor do mu­ni­cí­pio, Es­ta­do ou go­ver­no fe­de­ral de fun­ci­o­ná­rio público? Se­gun­do a car­ti­lha, o ter­mo te­ria fi­ca­do des­gas­ta­do após “sis­te­má­ti­cas cam­pa­nhas de des­pres­tí­gio con­tra o ser­vi­ço público, ini­ci­a­das no go­ver­no Col­lor (1990-1992)”. O cor­re­to, de­fen­de o do­cu­men­to, é “ser­vi­dor público”.

A pu­bli­ca­ção tam­bém não re­co­men­da o uso de pa­la­vras co­mo anão, me­nor, me­ni­no de rua, la- drão, bê­ba­do, clas­se bai­xa, barbeiro (no trân­si­to), bran­que­lo, pros­ti­tui­ção in­fan­til, ho­mos­se­xu­a­lis­mo e pros­ti­tui­ção in­fan­til.

O as­ses­sor mu­ni­ci­pal da Igual­da­de Ra­ci­al e pro­fes­sor de His­tó­ria Hér­cu­les Ana­ni­as lem­bra de fra­ses que não es­tão na car­ti­lha do go­ver­no fe­de­ral e são mui­to mais gra­ves. “O pre­con­cei­to ain­da é la­ten­te na so­ci­e­da­de e mui­tas fra­ses re­for­çam isso. ‘Ser­vi­ço de pre­to’ é uma de­las”, ci­tou, en­tre ou­tras. “O pre­con­cei­to é ge­ral. O ci­da­dão fa­la: veio aqui um ca­ra e um negrão. Isso é pre­con­cei­to. Vo­cê tem dez fun­ci­o­ná­ri­os, três de­les ne­gros, se acon­te­ce al­go de er­ra­do no ser­vi­ço a cul­pa, vão pen­sar, é de quem? E tu­do isso é ali­men­ta­do pe­la re­pe­ti­ção do pre­con­cei­to, por­que a cri­an­ça não nas­ce com es­se sen­ti­men­to.”

Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Ma­rin­ga­en­se dos De­fi­ci­en­tes Fí­si­cos, Ru­bens Mon­tei­ro diz que a pa­la­vra mais incô­mo­da que já ou­viu foi alei­ja­do. “O pes­so­al fa­la mui­to ‘alei­ja­do’, é ruim isso”, diz ele, que per­deu os mo­vi­men­tos das per­nas em de­cor­rên­cia de um aci­den­te de trân­si­to. Além de “alei­ja­do”, a car­ti­lha de 2005 ci­ta “por­ta­dor de ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais” co­mo re­fe­rên­cia in­cor­re­ta. Mon­tei­ro não ava­lia que es­sa úl­ti­ma se­ja gra­ve. “Por­ta­dor de ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, de­fi­ci­en­te fí­si­co, pes­soa com de­fi­ci­ên­cia, não ve­jo na­da de mais”, diz.

Pós-dou­tor em Es­tu­dos Lin­guís­ti­cos pe­la Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al Pau­lis­ta (Unesp) e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), Ju­li­a­no De­si­de­ra­to Antonio diz que a “ten­dên­cia ge­ral é bus­car o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to”, diz. “A lín­gua re­fle­te a cul­tu­ra, o jei­to de se com­por­tar de um grupo”. Se­gun­do Mon­tei­ro, se a so­ci­e­da­de está mu­dan­do, a ma­nei­ra co­mo va­mos fa­lar tam­bém pas­sa por ajus­tes. “Vai mui­to da ten­dên­cia de ca­da pes­soa”.

Ricardo Lo­pes

Pes­so­as ca­mi­nham no cen­tro de Ma­rin­gá; pre­con­cei­to ain­da é la­ten­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.