44% in­ter­na­dos por rou­bo

Dos 72 in­ter­nos do Cen­tro de So­ci­o­e­du­ca­ção de Ma­rin­gá, mais de 30 co­me­te­ram as­sal­tos; 24% es­tão na uni­da­des por ho­mi­cí­dio; e 14% por trá­fi­co de dro­gas

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ru­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com Le­van­ta­men­to da Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Fa­mí­lia e De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al apon­ta que o rou­bo, trá­fi­co de dro­gas e ho­mi­cí­dio são res­pon­sá­veis por 82% das in­ter­na­ções de ado­les­cen­tes no Cen­tro de So­ci­o­e­du­ca­ção (Cen­se) de Ma­rin­gá. Des­te to­tal, 44% es­tão na uni­da­de por as­sal­tos, 24% por as­sas­si­na­tos e 14% trá­fi­co.

“Re­ce­be­mos ape­nas os ca­sos con­si­de­ra­dos gra­ves ou rein­ci­den­tes que não são pe­na­li­za­dos com me­di­das so­ci­o­e­du­ca­ti­vas cum­pri­das em li­ber­da­de, co­mo tra­ba­lho vo­lun­tá­rio ou re­pa­ra­ção de da­nos”, ex­pli­ca o di­re­tor do Cen­se Ma­rin­gá, Alex San­dro da Sil­va.

Não exis­tem da­dos so­bre a pro­por­ção de ado­les­cen­tes que cum­prem me­di­das so­ci­e­du­ca­ti­vas em li­ber­da­de, mas con­se­lhei­ros tu­te­la­res e pro­mo­to­res afir­mam que eles são a mai­o­ria. “Gran­de par­te dos ado­les­cen­tes apre­en­di­dos não é in­ter­na­da, pois co­me­te cri­mes le­ves, co­mo pe­que­nos fur­tos, di­ri­gir e bri­gas na es­co­la”, diz a pro­mo­to­ra da In­fân­cia e Ju­ven­tu­de de Ma­rin­gá, Mô­ni­ca Aze­ve­do.

O Cen­se pos­sui 86 va­gas, mas 71 es­tão ocu­pa­das. A uni­da­de re­ce­be jo­vens en­tre 12 e 17 anos de Ma­rin­gá e ou­tras ci­da­des. Hoje, o in­ter­no mais no­vo tem 15 anos. “Mas já re­ce­be­mos me­ni­nos de 12”, con­ta Sil­va. O tem­po de con­fi­na­men­to va­ria en­tre 6 me­ses e 3 anos.

A ta­xa de rein­ci­dên­cia em Ma­rin­gá é de 21,6%, abai­xo do ín­di­ce es­ta­du­al. Ape­sar dis­so, o di­re­tor do Cen­se não sa­be di­zer se os in­ter­na­dos vol­tam a co­me­ter cri­mes após os 18 anos. “Não fa­ze­mos es­se acom­pa­nha­men­to. Tem jo­vens que sa­em e de­pois nos li­gam avi­san­do so­bre o nas­ci­men­to do fi­lho, cha­man­do para ca­sa­men­to. Mas não fi­ca­mos sa­ben­do pe­lo no­ti­ciá­rio po­li­ci­al”, diz Sil­va.

Os as­sal­tos são os cri­mes mais co­me­ti­dos. Dos 72 in­ter­nos, pe­lo me­nos 30 co­me­te­ram es­se ti­po de cri­me. Para o con­se­lhei­ro tu­te­lar Van­dré Fer­nan­do, a vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al, as­so­ci­a­da à au­sên­cia de va­lo­res fa­mi­li­a­res e o in­cen­ti­vo ao con­su­mis­mo são os res­pon­sá­veis por es­te ce­ná­rio. “O jo­vem per­ce­be que vi­ve­mos em uma so­ci­e­da­de on­de é va­lo­ri­za­do quem tem o tê­nis e o ce­lu­lar da mo­da. Para ter sta­tus, ele co­me­te os de­li­tos. É o re­sul­ta­do da fal­ta de edu­ca­ção e va­lo­res hu­ma­nos.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.