No Cen­se, ati­vi­da­des pre­en­chem dia do me­nor

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ru­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com Ao pen­sar em cen­tros de in­ter­na­ção de ado­les­cen­tes in­fra­to­res, lo­go nos vem a ca­be­ça lo­cais co­mo a tão má fa­la­da, e por isso ex­tin­ta, Fe­bem. Em Ma­rin­gá, o si­mi­lar des­te es­pa­ço é o Cen­tro de So­ci­o­e­du­ca­ção (Cen­se), inau­gu­ra­do há 3 anos.

Em vez de um pré­dio em es­ti­lo clás­si­co de uni­da­des pri­si­o­nais, o que exis­te no Cen­se são se­te ca­sas es­pa­lha­das em vol­ta de uma qua­dra de fu­te­bol, uma es­co­la e um te­a­tro de are­na. Os alo­ja­men­tos são, na mai­o­ria, des­ti­na­dos a uma pes­soa, con­tan­do com ba­nhei­ros in­di­vi­du- ais e es­pa­ço para ali­men­ta­ção e lei­tu­ra. A ro­ti­na é re­ple­ta de ati­vi­da­des es­co­la­res, cul­tu­rais, es­por­ti­vas e cur­sos pro­fis­si­o­na­li­zan­tes. Por con­ta des­sa es­tru­tu­ra, a ar­qui­te­tu­ra do Cen­se Ma­rin­gá re­ce­beu prê­mi­os in­ter­na­ci­o­nais.

No Pa­ra­ná, exis­tem 18 cen­tros de in­ter­na­ção de ado­les­cen­tes, mas ape­nas qu­a­tro têm es­tru­tu­ra igual ao Cen­se de Ma­rin­gá: São Jo­sé dos Pi­nhais, La­ra­jei­ras do Sul, Pon­ta Gros­sa e Cas­ca­vel. “Apos­ta­mos em uma fór­mu­la que re­al­men­te fos­se ca­paz de re­a­bi­li­tar os ado­les­cen­tes”, con­ta o di­re­tor da uni­da­de, Alex San­dro da Sil­va.

A fór­mu­la in­clui ro­ti­na di­fe- ren­te da que os ado­les­cen­tes ti­nham nas ru­as. Gran­de par­te, se­gun­do Sil­va, era usuá­ria de dro­gas, não es­tu­da­va ou tra­ba­lha­va e vi­via em con­fli­to com a fa­mí­lia.

No Cen­se, to­dos são obri­ga­dos a cum­prir uma ro­ti­na que co­me­ça às 7h15, quan­do sa­em dos alo­ja­men­tos, to­mam ca­fé da ma­nhã e vão para a es­co­la. As sa­las de au­la pos­su­em no má­xi­mo cin­co es­tu­dan­tes. Du­ran­te a tar­de, fa­zem cur­sos pro­fis­si­o­na­li­zan­tes, a exem­plo de pa­ni­fi­ca­ção, piz­zai­o­lo, as­sen­ta­dor de pi­sos e azu­le­jos, jar­di­na­gem e al­mo­xa­ri­fa­do. Atu­al­men­te são 12 tur­mas com seis seis ado­les­cen­tes ca­da.

Por vol­ta das 18h, os ado­les­cen­tes en­cer­ram as ati­vi­da­des e re­tor­nam para os alo­ja­men­tos, sem di­rei­to à te­le­vi­são, ce­lu­lar ou in­ter­net. “Ape­nas os li­vros po­dem dis­traí-los”, con­ta Sil­va.To­dos têm acom­pa­nha­men­to de psi­có­lo­gos, te­ra­peu­tas ocu­pa­ci­o­nais e psi­co­pe­da­go­gos du­ran­te a se­ma­na. “Ofe­re­ce­mos apoio tam­bém à fa­mí­lia, par­te es­sen­ci­al na re­es­tru­tu­ra­ção do jo­vem.”

Os sá­ba­dos são reservados para a lim­pe­za dos alo­ja­men­tos e mo­men­tos de la­zer, co­mo fu­te­bol no gi­ná­sio ou fil­mes. Ape­nas os do­min­gos, eles re­ce­bem vi­si­tas de fa­mi­li­a­res. Mas não têm di­rei­to a vi­si­ta ín­ti­ma. “Para aque­les que têm fa­mi­li­a­res em ci­da­des dis­tan­tes, o Es­ta­do cus­teia uma vi­si­ta por mês”, con­ta Sil­va.

To­do o tra­ba­lho no Cen­se é re­a­li­za­do atu­al­men­te por 70 ser­vi­do­res pú­bli­cos. Ne­nhum an­da ar­ma­do. De lon­ge, o Cen­se até pa­re­ce um gran­de in­ter­na­to para ado­les­cen­tes se não exis­tis­sem pe­sa­das por­tas de fer­ro e gra­des em to­das os cô­mo­dos, além de vi­gi­as nas sa­las de au­la e alo­ja­men­tos.

“Ne­nhum ado­les­cen­te an­da sem es­tar as­sis­ti­do, nem para ir ao ba­nhei­ro du­ran­te a au­la. É im­por­tan­te não es­que­cer a pu­ni­ção, que é a pri­va­ção da li­ber­da­de.” e Hoje, aten­de aos ado­les­cen­tes da re­gião, mas já exis­te a pro­pos­ta da cons­tru­ção de uma no­va uni­da­de em Apu­ca­ra­na. A es­tru­tu­ra em Ma­rin­gá pos­sui es­pa­ço para aces­so e con­tro­le, ad­mi­nis­tra­ção, co­or­de­na­ções. Em tor­no de 21,%, abai­xo do ín­di­ce mé­dio es­ta­du­al. Lem­bran­do que nem to­dos os ado­les­cen­tes aten­di­dos são oriun­dos de Ma­rin­gá e re­gião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.