DE­POI­MEN­TOS

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

“Mi­nha fa­mí­lia é de um bair­ro bom de Ma­rin­gá. Aos 11 anos, co­me­cei a usar ma­co­nha na es­co­la. Lo­go veio a be­bi­da e o ci­gar­ro. Aos 15, vi­ci­ei em co­caí­na. Mi­nha fa­mí­lia não acei­ta­va, di­zia que ia me man­dar em­bo­ra. Pa­rei de es­tu­dar, não tra­ba­lha­va, co­nhe­ci umas pes­so­as do cri­me e acha­va tu­do o má­xi­mo. Um dia, eu es­ta­va tão doi­do que es­tou­rei a vi­dra­ça de uma con­ces­si­o­ná­ria e rou­bei um car­ro. Quan­do che­guei em ca­sa me ar­re­pen­di. Fui na de­le­ga­cia me en­tre­gar e meu pai pa­gou as des­pe­sas. Fui li­be­ra­do, mas de­pois fiz um rou­bo com fa­ca. Aí não te­ve jei­to. Aqui no Cen­se a ro­ti­na é pesada, dor­mi­mos e acor­da­mos ce­do e tem que es­tu­dar o dia to­do. Aqui é bom por­que quem quer es­tu­dar con­se­gue. Ago­ra, a mi­nha me­ta é sair e fa­zer uma fa­cul­da­de.” “Na es­co­la co­me­cei a an­dar com uns me­ni­nos que rou­ba­vam. Aos poucos co­me­cei a usar ma­co­nha e me en­vol­vi num bo­lo de ne­ve. Meu pri­mei­ro as­sal­to foi aos 14 anos. Em­pres­tei um re­vól­ver e, jun­to com um co­le­ga, as­sal­ta­mos um bar. Nes­sa épo­ca co­me­cei a usar mui­ta dro­ga. Para pa­gar co­me­cei a tra­fi­car tam­bém, mas eu usa­va mais que ven­dia. Os ca­ras me de­ram pra­zo com ju­ros , e o ju­ro de­les é al­to, qua­se do­bra. En­tão ou eu rou­ba­va ou mor­ria. Rou­bei o mes­mo res­tau­ran­te 2 ve­zes, no úl­ti­mo foi R$ 1800. Mil para os tra­fi­can­tes e o res­to pra mim. Mo­ro com uma ga­ro­ta e te­nho 2 fi­lhas, que sus­ten­ta­va com o cri­me. Caí quan­do câ­me­ras me fil­ma­ram. Uma noi­te os po­li­ci­ais in­va­di­ram mi­nha ca­sa e me pren­de­ram. Aqui fiz cur­so de azu­le­jis­ta. Que­ro se­guir es­te ca­mi­nho” “Ti­nha 12 anos quan­do ma­ta­ram meu pai. Um tem­po de­pois, os mes­mos ca­ras ma­ta­ram meu ir­mão. Es­tá­va­mos em ca­sa, con­ver­san­do, quan­do eles in­va­di­ram e de­ram se­te ti­ros. Ele ago­ni­zou nos meus bra­ços. Até hoje te­nho vi­sões com o san­gue que saia da bo­ca de­le. De­pois dis­so, os tra­fi­can­tes fi­ca­ram co­bran­do as dí­vi­das. Ti­ve­mos que mu­dar para ou­tro Es­ta­do. Es­ses tem­pos vol­tei para vi­si­tar mi­nha vó. Eles pen­sa­ram que eu ia vin­gar meus pa­ren­tes e me pe­ga­ram. Fa­la­ram que se eu não as­su­mis­se um as­sas­si­na­to iri­am ma­tar mi­nha fa­mí­lia. Acei­tei. Pen­sei que ia ser li­be­ra­do, mas me man­da­ram para o Cen­se. É di­fí­cil fi­car so­zi­nho, mas eu vol­tei a es­tu­dar. Fa­zia 4 anos que só tra­ba­lha­va. Apren­di uma pro­fis­são que pe­guei gos­to: piz­zai­o­lo.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.