Pu­ni­ção a ado­les­cen­te é jus­ta, diz pro­cu­ra­dor

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Mu­ri­lo Gat­ti

mgat­ti@odi­a­rio.com

O pro­cu­ra­dor e co­or­de­na­dor da Cen­tro de Apoio às Pro­mo­to­ri­as de Di­rei­tos Hu­ma­nos do Mi­nis­té­rio Público do Pa­ra­ná, Olym­pio de Sá Sot­to Mai­or Ne­to, es­te­ve em Ma­rin­gá na sex­ta-fei­ra para lan­çar o Co­mi­tê Con­tra a Re­du­ção da Mai­o­ri­da­de Pe­nal de Ma­rin­gá e Re­gião.

O DIÁ­RIO - Co­mo o se­nhor ava­lia o fa­to da mai­o­ria da po­pu­la­ção ser fa­vo­rá­vel à re­du­ção da mai­o­ri­da­de pe­nal? OLYM­PIO DE SÁ SOT­TO MAI­OR NE­TO - Não te­nho dú­vi­da em di­zer que gran­de par­te da po­pu­la­ção que se ma­ni­fes­ta pe­la di­mi­nui­ção se­quer tem co­nhe­ci­men­to de que o Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te (ECA) pre­vê as res­pos­tas e res­pon­sa­bi­li­za o ado­les­cen­te au­tor do ato in­fra­ci­o­nal. O dis­cur­so é que, com o Es­ta­tu­to, os ado­les­cen­tes po­dem pra­ti­car o ato que qui­se­rem e não vai acon­te­cer na­da. É uma por­tei­ra aber­ta da im­pu­ni­da­de. As pes­so­as que que­rem mu­dan­ça não co­nhe­cem a lei, não co­nhe­cem o Es­ta­tu­to, não es­tão a par de que é ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­rio, no Bra­sil to­do, que as uni­da­des de in­ter­na­ção pos­sam res­pon­der aos pro­pó­si­tos de re­e­du­ca­ção, de res­ga­te pes­so­al e so­ci­al, e não se­jam ape­nas de­pó­si­tos de ado­les­cen­tes in­de­se­ja­dos. Para di­zer que o ECA não fun­ci­o­na é pre­ci­so pri­mei­ro im­ple­men­tar os pro­gra­mas pre­vis­tos no pró­prio Es­ta­tu­to. Mas as me­di­das pre­vis­tas no ECA são mes­mo su­fi­ci­en­tes? Pre­ci­sa­mos re­a­fir­mar que o ECA, com as me­di­das so­ci­o­e­du­ca­ti­vas, pre­vê res­pos­tas jus­tas com o aten­di­men­to das ne­ces­si­da­des pe­da­gó­gi­cas. Por que re­a­fir­mar isso? Por­que vo­cê po­de res­ga­tar o ado­les­cen­te para a vi­da so­ci­al ou vo­cê po­de, di­mi­nuin­do a mai­o­ri­da­de pe­nal, en­tre­gar de vez para a cri­mi­na­li­da­de. A Cons­ti­tui­ção a to­do mo­men­to se re­fe­re ao fa­to de que as cri­an­ças e ado­les­cen­tes de­vem ser res­pei­ta­dos em pe­cu­li­ar fa­se de de­sen­vol­vi­men­to. Se co­lo­car­mos um ado­les­cen­te de 16 anos no sis­te­ma pe­ni­ten­ciá- rio bra­si­lei­ro para pas­sar não sei quan­tos anos pre­so, a úni­ca cer­te­za que te­mos é que vai ser de­vol­vi­do um ci­da­dão de pi­or ca­te­go­ria, tal­vez até in­te­gran­do um grupo de cri­mi­no­sos. Mas se o ado­les­cen­te sou­bes­se que cor­re o ris­co de fi­car pre­so nu­ma ca­deia, co­mo ocor­re com o adul­to, não ha­ve­ria re­fle­xo pre­ven­ti­vo? O ado­les­cen­te não ra­ci­o­ci­na. Nem os adul­tos ra­ci­o­ci­nam des­sa ma­nei­ra. Não es­tão de­sen­vol­vi­dos psi­co­lo­gi­ca­men­te para fa­zer o juí­zo do cer­to ou er­ra­do, para de­ter­mi­nar de acor­do com es­te en­ten­di­men­to. A ci­ên­cia mé­di­ca mes­mo con­si­de­ra a ado­les­cên­cia uma épo­ca crí­ti­ca de cri­se. É uma sín­dro­me nor­mal da ado­les­cên­cia de in­sur­gir a re­gras es­ta­be­le­ci­das. O com­por­ta­men­to in­fra­ci­o­nal está li­ga­do ao com­por­ta­men­to do grupo no qual se in­se­re. Se pra­ti­cou o ato, de­ve­mos ten­tar res­ga­tar para a vi­da so­ci­al, com apoio psi­co­ló­gi­co, fa­mi­li­ar e so­ci­al, para que cons­trua ou­tro pro­je­to di­ver­so da cri­mi­na­li­da­de. En­ca­mi­nhar para o sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio não tem sen­ti­do. Ire­mos re­ce­ber de vol­ta al­guém mais re­bel­de, mais ten­den­te à prá­ti­ca de atos vi­o­len­tos. De 2011 para 2012 no Pa­ra­ná au­men­to em 10% o nú­me­ro de ado­les­cen­tes en­vol­vi­dos com o trá­fi­co de dro­gas, mui­tos fa­zen­do o trans­por­te das subs­tân­ci­as en­tor­pe­cen­tes em ôni­bus. A re­du­ção da mai­o­ri­da­de pe­nal não mu­da­ria es­sa re­a­li­da­de? O que tem que se fa­zer é pu­nir com mais ri­gor quem se uti­li­za do ado­les­cen­te en­vol­vi­do, que não tem o do­mí­nio do fa­to, mas é um ins­tru­men­to. O que tem que se fa­zer é pu­nir quem o usa para a prá­ti­ca de cri­mes. Uma mu­dan­ça co­mo es­ta na lei tal­vez pu­des­se ini­bir que usas­sem os ado­les­cen­tes. Se eles ti­ves­sem os di­rei­tos fun­da­men­tais co­mo es­co­la, saú­de e pro­fis­si­o­na­li­za­ção ga­ran­ti­do, o ado­les­cen­te po­de­ria in­gres­sar no mer­ca­do for­mal de tra­ba­lho de for­ma ade­qua­da e não ser re­cru­ta­do. Se di­mi­nuir a im­pu­ta­bi­li­da­de, os tra­fi­can­tes vão se uti­li­zar de ado­les­cen­tes com 15 anos ou 14 anos. Isso não al­te­ra em na­da. O que al­te­ra é ga­ran­tir ao ado­les­cen­te a pos­si­bi­li­da­de de es­tu­dar. Não ra­ro, te­nho vis­to po­li­ci­ais que fa­zem a apre­en­são di­ze­rem que o ado­les­cen­te não se mos­trou ar­re­pen­di­do, deu ri­sa­da. Mas não ve­jo fa­la­rem de po­lí­ti­co cor­rup­to des­sa ma­nei­ra, di­zen­do que não se ar­re­pen­deu. Re­cen­te­men­te, em bo­le­tim de ocor­rên­cia da Po­lí­cia Mi­li­tar em Ma­rin­gá, hou­ve o re­la­to de que uma ado­les­cen­te, com o man­da­do de apre­en­são em aber­to, re­sis­tiu à or­dem po­li­ci­al e ao fi­nal afir­mou que ‘não da­va na­da por­que lo­go es­ta­ria na rua no­va­men­te’ O pro­ble­ma é ela es­tar na rua sem um pro­je­to de vi­da. Apos­to que está fo­ra da es­co­la, ex­pul­sa do sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal, que não tem apren­di­za­gem, não tem edu­ca­ção e nem pos­si­bi­li­da­de de en­trar no mer­ca­do de tra­ba­lho. Se os go­ver­nan­tes cum­pris­sem com a pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta de des­ti­na­ção pri­vi­le­gi­a­da de re­cur­sos às fa­mí­li­as e às cri­an­ças, a ado­les­cen­te se­ria re­ti­ra­da des­se ti­po de vi­da. O Diá­rio pu­bli­cou re­cen­te­men­te a his­tó­ria de um co­mer­ci­an­te que fi­cou 10 dias na UTI de­pois de um ado­les­cen­te ati­rar no ho­mem que foi obri­ga­do a se ajo­e­lhar. O co­mer­ci­an­te con­tou que se sen­tiu desconfortável na au­di­ên­cia por­que o sis­te­ma fez com que ele pa­re­ces­se ser o er­ra­do da his­tó­ria. A pe­na pre­vis­ta no ECA para um ado­les­cen­te co­mo es­se é su­fi­ci­en­te? O Es­ta­tu­to pre­vê a pos­si­bi­li­da­de da in­ter­na­ção por até 3 anos. De­pen­den­do da ida­de, ele se­gue pos­te­ri­or­men­te para uma ca­sa de se­mi­li­ber­da­de e, em se­gui­da, tem a li­ber­da­de as­sis­ti­da. Se con­si­de­rar um adul­to que hoje pratica ho­mi­cí­dio sim­ples, a pe­na é de 6 anos, mas em um ano ele está em li­ber­da­de, pois cum­priu um sex­to da pe­na. O im­por­tan­te, pen­so eu, é que o po­der público im­ple­men­te os pro­gra­mas para a exe­cu­ção das me­di­das so­ci­o­e­du­ca­ti­vas, es­pe­ci­al­men­te a li­ber­da­de as­sis­ti­da para acom­pa­nhar o ado­les­cen­te e a fa­mí­lia, com um tra­ba­lho mul­ti­dis­ci­pli­nar, com a es­co­la, para que in­gres­se no mer­ca­do de tra­ba­lho e se­ja des­vin­cu­la­do da cri­mi­na­li­da­de. Em São Pau­lo, on­de o Geraldo Alck­min de­fen­de mu­dan­ças na ques­tão da mai­o­ri­da­de, exis­tem uni­da­des com 2 mil ado­les­cen­tes. O ide­al é ter uma uni­da­de com até 40 ado­les­cen­tes e não ter um de­pó­si­to de ado­les­cen­tes. Se não faz a con­ten­ção téc­ni­ca com a equi­pe, faz a con­ten­ção com a vi­o­lên­cia, com o ca­ce­te pe­da­gó­gi­co. Os es­pa­ços é que não são ade­qua­dos para a pre­ten­di­da so­ci­a­li­za­ção. Co­mo está a si­tu­a­ção no Pa­ra­ná? Avan­ça­mos mui­to na pers­pec­ti­va de não ter um nú­me­ro tão ex­ces­si­vo de ado­les­cen­tes in­ter­na­dos e um pro­gra­ma de li­ber­da­de as­sis­ti­da. Mas quan­do fa­la­mos em di­mi­nui­ção da mai­o­ri­da­de, fa­la­mos para to­do o Bra­sil e não se fa­la só na apli­ca­ção do di­rei­to pe­nal de adul­tos para atos in­fra­ci­o­nais gra­ves. Se di­mi­nui, com dois fur­tos de io­gur­tes no mer­ca­do, o ado­les­cen­te vai aca­bar nu­ma pe­ni­ten­ciá­ria, o que não tem sen­ti­do ne­nhum. Os ca­sos mais gra­ves são ex­cep­ci­o­nais. Mui­tos ava­li­am que um pro­ble­ma é que as leis im­pe­dem o tra­ba­lho para quem tem me­nos de 14 anos e ci­tam exem­plos de quem co­me­çou co­mo en­gra­xa­te e cres­ceu na vi­da? São ca­sos ex­cep­ci­o­nais. A re­gra para quem co­me­ça a tra­ba­lhar com 8, 10 anos é vi­rar in­di­gen­te, pois vai fi­car fo­ra do sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal, da ca­pa­ci­ta­ção. A cri­an­ça e o ado­les­cen­te pre­ci­sam es­tu­dar, cons­truir a ci­da­da­nia. A par­tir dos 14 po­de ter a apren­di­za­gem, se en­vol­ver com ati­vi­da­des prá­ti­cas, sob ori­en­ta­ção téc­ni­ca, na con­di­ção de apren­diz, para se in­se­rir no mer­ca­do com ga­ran­ti­as e a car­tei­ra as­si­na­da. Não fa­lo do me­ni­no no meio ru­ral que aju­de o pai a ti­rar lei­te. O pro­ble­ma é por a cri­an­ça para tra­ba­lhar das 8 ho­ras às 18 ho­ras. Para as ati­vi­da­des fa­mi­li­a­res, não tem pro­ble­ma, mas tem que ha­ver a pers­pec­ti­va de pre­pa­ra­ção para o fu­tu­ro. Quan­do se fa­la dos mi­la­gres dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos, qual é o mi­la­gre? É a edu­ca­ção. No Ja­pão a im­pu­ta­bi­li­da­de é de 21 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.