Se­má­fo­ros vi­ram sím­bo­los

Sis­te­ma ci­clo­vi­su­al, cri­a­do em Ma­rin­gá em 1978, ain­da é no­vi­da­de para mui­ta gen­te, vi­ran­do in­clu­si­ve ob­je­to de ví­deo na in­ter­net; evo­lu­ção do apa­re­lho é len­ta

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Fá­bio Lin­jar­di

lin­jar­di@odi­a­rio.com Se­má­fo­ros com três co­res de lu­zes são pra­ti­ca­men­te os mes­mos, tão uni­ver­sais quan­to as pla­cas que in­di­cam o sen­ti­do da via. Mas em Ma­rin­gá, quem che­ga de fo­ra lo­go per­ce­be que um apa­re­lho di­fe­ren­te do que pre­do­mi­na no res­tan­te do glo­bo é o pa­drão, e o tra­di­ci­o­nal é a ex­ce­ção. São 13 lâm­pa­das em vez das tra­di­ci­o­nais três – seis para o ver­de, igual quan­ti­da­de para o ver­me­lho e uma ama­re­la.

“É uma pis­ta de cor­ri­da?” “Que­ro um des­ses na mi­nha ci­da­de”, são al­gu­mas das fra­ses em in­glês de vi­si­tan­tes, em um ví­deo so­bre um dos se­má­fo­ros ma­rin­ga­en­ses no YouTu­be, in­ti­tu­la­do “Bra­zi­li­an traf­fic light” e pu­bli­ca­do por um mo­ra­dor da ci­da­de. Te­ve até quem co­men­tou que o se­má­fo­ro não exis­te, en­tre os 10 mil vi­si­tan­tes da pá­gi­na.

Sim, há ou­tras in­ven­ções mun­do afo­ra: ima­gens na in­ter­net mos­tram ex­pe­ri­men­tos com con­ta­gem re­gres­si­va ou lu­zes na ho­ri­zon­tal, mas na­da tão ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­do quan­to em Ma­rin­gá. Por trás da pro­li­fe­ra­ção do equi­pa­men­to está o sen­ti­men­to de va­lo­ri­zar a ci­da­de: a in­ven­ção é 100% ma­rin­ga­en­se.

A his­tó­ria co­me­çou em 1978, quan­do o in­ven­tor Di­vi­no Bor­to­lot­to con­ven­ceu as au­to­ri­da­des a ins­ta­lar um pro­tó­ti­po de si­na­lei­ro ci­clo­vi­su­al na en­tão pou­co mo­vi­men­ta­da Rua Jou­bert de Car­va­lho, no tre­cho en­tre a an­ti­ga ro­do­viá­ria e a Pra­ça Ra­po­so Ta­va­res. A ideia agra­dou tan­to que, no ano se­guin­te, foi fei­to um pro­je­to de lei au­to­ri­zan­do que o mu­ni­cí­pio am­pli­as­se a ins­ta­la­ção. Pas­sa­do o en­tu­si­as­mo, o apa­re­lho foi re­mo­vi­do e só vol­tou a ser usa­do em 1983, no mes­mo pon­to. Foi sen­do es­pa­lha­do para ou­tros cru­za­men­tos, mas só co­me­çou a se po­pu­la­ri­zar em 1997, 1 ano após con­se­guir ho­mo­lo­ga­ção no Con­se­lho Na­ci­o­nal de Trân­si­to. “É o úni­co se­má­fo­ro do Bra­sil com in­for­ma­ção de tem­po que tem a ho­mo­lo­ga­ção para es­tar nas ru­as”, or­gu­lha-se Pe­dro Bor­to­lot­to, fi­lho do in­ven­tor.

A empresa to­ca­da hoje pe­los fi­lhos de Di­vi­no Bor­to­lot­to tem se­má­fo­ros es­pa­lha­dos por 90 ci­da­des de to­do o País. Pe­dro es­ti­ma que o si­na­lei­ro já está pre­sen­te em 20 Es­ta­dos. O pre­ço – do con­jun­to com­ple­to, in­cluin- do pos­tes – va­ria de R$ 30 mil a R$ 100 mil, de­pen­den­do da com­ple­xi­da­de da ins­ta­la­ção. Al­guns dos mo­de­los mais ca­ros em Ma­rin­gá, por exem­plo, po­dem ser vis­tos no cru­za­men­to da Ave­ni­da Co­lom­bo com a 19 de De­zem­bro. A cai­xa com as lâm­pa­das é a mes­ma das de­mais, mas os gas­tos es­tão na es­tru­tu­ra – que atra­ves­sa to­da a ave­ni­da, abo­lin­do a ne­ces­si­da­de de uma “ilha” no cru­za­men­to.

O apa­re­lho evo­luiu com o tem­po: por de­ter­mi­na­ção das au­to­ri­da­des de trân­si­to, ga­nhou uma lâm­pa­da ama­re­la. Por eco­no­mia de ener­gia e para mai­or du­ra­bi­li­da­de das lâm­pa­das, dei­xou de fi­car com to­da uma fi­lei­ra ace­sa de lu­zes, que iam se apa­gan­do. Hoje, ca­da ci­clo se acen­de e apa­ga, de ci­ma para bai­xo.

Na era em que ce­lu­la­res pas­sam por avan­ços re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os em poucos anos, ca­be a per­gun­ta: qual o pró­xi­mo pas­so des­ses se­má­fo­ros? Pe­dro Bor­to­lo­to já se can­sou de res­pon­der so­bre isso, e afir­ma: não es­pe­rem mui­ta no­vi­da­de. “É um er­ro da tur­ma achar que si­na­li­za­ção de trân­si­to é no­vi­da­de, tem que fi­car mu­dan­do. Vo­cê tem que bus­car é a con­fi­a­bi­li­da­de do sis­te­ma”, diz.

Para se ter uma no­ção de co­mo os sal­tos tec­no­ló­gi­cos dos se­má­fo­ros são mais co­me­di­dos que no cam­po das co­mu­ni­ca­ções, bas­ta sa­ber que o uso de lâm­pa­das LED, en­tre os tes­tes na ofi­ci­na e a im­plan­ta­ção dos apa­re­lhos das ru­as, pre­ci­sou de 5 anos. “Co­me­ça­mos a tes­tar as lâm­pa­das LED em 1997, mas eram mui­to ca­ras, in­vi­a­bi­li­za­va o apa­re­lho. Com­pra­mos al­gu­mas em 2003, mas só fi­cou viá­vel em 2005”, diz Pe­dro.

A pró­xi­ma mu­dan­ça em es­tu­do é a uti­li­za­ção de ener­gia so­lar para re­du­zir os gas­tos com o con­su­mo de ele­tri­ci­da­de. As­sim co­mo as lâm­pa­das de LED, para sair dos tes­tes da ofi­ci­na e ga­nhar as ru­as a inovação pre­ci­sa con­tar com a que­da de pre­ços dos ma­te­ri­ais. “As cé­lu­las fo­to­vol­tai­cas es­tão mui­to ca­ras, não compensa hoje. Da­qui a uns anos, com cer­te­za va­mos ter co­mo apli­car es­se re­cur­so”, pre­vê.

Ra­fa­el Sil­va

Equi­pa­men­to ci­clo­vi­su­al em Ma­rin­gá; pró­xi­ma inovação de­ve ser o uso de cé­lu­las fo­to­vol­tai­cas, para apro­vei­ta­men­to da luz so­lar e con­se­quen­te eco­no­mia de ener­gia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.