Dos gi­bis às ru­as

Jo­vens e adul­tos ja­po­ne­ses ‘vi­vem’ per­so­na­gens das HQS com rou­pas e aces­só­ri­os ex­clu­si­vos

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL - Ta­li­ta Ama­ral

ta­li­ta@odi­a­rio.com Seus pais, vo­cê ou mes­mo seus fi­lhos e ne­tos de­vem ter as­sis­ti­do he­róis ja­po­ne­ses co­mo Na­ti­o­nal Kid, Jas­pi­on, Ul­tra­men e Chan­ge­man lu­ta­rem con­tra ter­rí­veis mons­tros para sal­var a Ter­ra, ou en­tão de­se­nhos ani­ma­dos co­mo Po­ké­mon, Dra­gon Ball Z, Yu-Gi-Oh, Na­ru­to e Ca­va­lei­ros do Zo­día­co, por exem­plo. Os ani­mês (ani­ma­ções/ de­se­nhos), ins­pi­ra­dos em qua­dri­nhos co­nhe­ci­dos co­mo man­gás, fa­zem par­te da cul­tu­ra pop ja­po­ne­sa que con­quis­tou mi­lha­res de fãs em to­do o mun­do, in­clu­si­ve no Bra­sil.

A iden­ti­fi­ca­ção é tão gran­de que os fãs se fan­ta­si­am de seu per­so­na­gem fa­vo­ri­to (tam­bém de fil­mes e ga­mes) e en­ce­nam al­gu­ma pas­sa­gem da his­tó­ria da qual ele faz par­te em fes­ti­vais e con­cur­sos. Aí nas­ceu o cos­play. Ali­ne Santos, que não é des­cen­den­te de ja­po­ne­ses, é uma cos­player e con­ta que o in­te­res­se pe­la cul­tu­ra pop da ter­ra do sol nas­cen­te sur­giu ain­da pe­que­na, quan­do as­sis­tia ani­mês pe­la TV. “En­tão meu amor pe­la cul­tu­ra ja­po­ne­sa só foi au­men­tan­do. Co­me­cei a com­prar man­gás e re­ver al­guns ani­mês. Fiz meu pri­mei­ro cos­play no iní­cio do ano, de­vi­do ao cus­to e tem­po”.

Des­de en­tão já in­cor­po­rou os per­so­na­gens “Sa­ku­ra Ki­no­mo­to do ani­mê/man­gá Sa­ku­ra Card Cap­tors, Bul­ma Bri­efs de Dra­gon Ball e Uryuu Mi­ne­ne de Mi­rai Nik­ki. Hab­ner Fe­li­pe tam­bém é ou­tro ma­rin­ga­en­se adep­to do cos­play. “As­sis­tia fil­mes chi­ne­ses co­mo A Sa­ga de um He­rói, com o Jet Li, de­pois co­me­cei a as­sis­tir Dra­gon Ball (de­se­nho) e cur­ti mui­to”.

Nos even­tos de cos­play o im­por­tan­te não é só des­fi­lar ves­ti­do a ca­rá­ter, mas re­pro­du­zir as fa­las e os ges­tos do per­so­na­gem, vi­ven­ci­an­do um pou­co de sua re­a­li­da­de ima­gi­ná­ria. “Gos­to pe­la di­ver­são de po­der re­pre­sen­tar um per­so­na­gem por vá­ri­os dias. Usa­mos o cos­play até can­sar”, des­ta­ca o es­tu­dan­te Clayd­son Hi­de­ko Oh­no, que é ou­tro apai­xo­na­do pe­la cul­tu­ra pop ja­po­ne­sa. Ele não acre­di­ta que sua as­cen­dên­cia nipô­ni­ca ta­ma­nho in­te­res­se, lem­bran­do que mui­tos bra­si­lei­ros tam­bém são ad­mi­ra­do­res. In­clu­si­ve, diz que o in­te­res­se sur­giu de­pois que um ami­go o em­pres­tou um CD do de­se­nho Ca­va­lei­ros do Zo­día­co.

Se­gun­do um es­tu­do do Ja­pan Ex­ter­nal Tra­de Or­ga­ni­za­ti­on (Je­tro), o mo­vi­men­to des­te mer­ca­do gi­rou em tor­no de US$ 100 bi­lhões, cer­ca de R$ 260 bi­lhões en­tre 2002 e 2004. O Bra­sil é o 3º do mun­do em con­su­mo de ani­mês e man­gás, fi­can­do atrás ape­nas da Chi­na e dos Es­ta­dos Uni­dos, con­fir­man­do que a cul­tu­ra pop ja­po­ne­sa faz par­te do co­ti­di­a­no de mui­tos bra­si­lei­ros.

Di­vul­ga­ção/ace­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.