Even­to atrai tam­bém os oci­den­tais

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL - Ana Lui­za Ver­zo­la

ana­ver­zo­la@odi­a­rio.com En­ga­na-se quem ima­gi­na que ape­nas os ja­po­ne­ses e seus des­cen­den­tes acom­pa­nham o fes­ti­val nes­sas 23 edi­ções. Em Ma­rin­gá e em mui­tas ci­da­des da re­gião, a in­fluên­cia da cul­tu­ra do po­vo da ter­ra do sol nas­cen­te foi ab­sor­vi­da na­tu­ral­men­te pe­lo con­ta­to di­re­to com os imi­gran­tes. Hoje em dia, com a fa­ci­li­da­de de aces­so à in­for­ma­ção, os jo­vens re­des­co­brem as­pec­tos de seu in­te­res­se na cul­tu­ra ja­po­ne­sa aju­dan­do a di­vul­gar as tra­di­ções an­ces­trais e a pro­mo­ver as­pec­tos con­tem­po­râ­ne­os do Ja­pão.

A es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­ria Gabriela Pon­tes Pa­es, 23, faz par­te da tur­ma que não per­de uma edi­ção do fes­ti­val des­de que par­ti­ci­pou pe­la pri­mei­ra vez, em 2005. “As apre­sen­ta­ções do bon-odo­ri são as que eu mais apro­vei­to, ló- gi­co”, diz. Es­te ano não vai ser di­fe­ren­te, ela já tem os pas­sos de­co­ra­dos - a ex­pec­ta­ti­va não só de Gabriela, mas da mai­o­ria dos vi­si­tan­tes jo­vens, é o mo­men­to de se reu­nir para exe­cu­tar a dan­ça que sim­bo­li­za uma re­ve­rên­cia aos an­te­pas­sa­dos.

Foi por meio do es­tu­do do idi­o­ma que o es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­rio Marcelo Hen­ri­que Soares Ro­sá­rio, 22, pas­sou a ter um con­ta­to mai­or com a cul­tu­ra ja­po­ne­sa. “De tu­do que apren­di no de­cor­rer dos três anos bá­si­cos, o que me cha­mou a aten­ção é a edu­ca­ção em sa­la e os cos­tu­mes. Isso me mo­ti­vou a que­rer sa­ber mais”, lem­bra. Ele acre­di­ta que o fes­ti­val vem co­mo uma for­ma de di­fun­dir a cul­tu­ra e tam­bém in­cen­ti­var ou­tras. “Ob­ser­vo que o fes­ti­val in­cor­po­ra um pou­co de ou­tras cul­tu­ras, já vi dan­ças e ex­po­si­ções até mes­mo da cul­tu­ra bra­si­lei­ra. Isso de fa­to de­mons­trou que os des­cen­den­tes ja­po­ne­ses são pes­so­as mui­to re­cep­ti­vas, mes­mo sen­do de uma cul­tu­ra mais re­ser­va­da”, des­ta­ca.

Par­ti­ci­pan­te do Fes­ti­val Ni­po Bra­si­lei­ro des­de 2009, ele con­ta que a sua prin­ci­pal lem­bran­ça é a am­bi­en­ta­ção do lo­cal. “Me sen­ti co­mo se es­ti­ves­se no Ja­pão de ver­da­de”, lem­bra, en­tu­si­as- ma­do. De­pois dis­so, não per­deu uma edi­ção se­quer e o que mais apre­cia é a área gas­tronô­mi­ca e as dan­ças. “São ali­men­tos que não es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos a co­mer no dia a dia e lá vo­cê aca­ba se sur­pre­en­den­do e gos­tan­do mui­to”, pon­tua o es­tu­dan­te. As dan­ças, en­tão, são atra­ções à par­te. “Vo­cê po­de par­ti­ci­par e tem para to­dos os gos­tos”, diz. Ro­sá­rio não tem des­cen­dên­cia nipô­ni­ca, mas é gra­to a to­da cul­tu­ra que apren­deu e ain­da apren­de com os des­cen­den­tes que con­vi­ve. Quan­to ao fes­ti­val, a pre­sen­ça es­te ano é ga­ran­ti­da: “Es­pe­ro que con­ti­nue sen­do óti­mo co­mo em to­das as edi­ções pas­sa­das”.

Walter Fer­nan­des

A pra­ça de ali­men­ta­ção é sem­pre uma boa des­cul­pa para o vi­si­tan­te mar­car pre­sen­ça no fes­ti­val

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.