Fes­ti­val trans­for­ma a Ace­ma no es­pa­ço de to­das as ar­tes

Di­ver­são com­bi­na­da com cul­tu­ra é tu­do de bom. No en­con­tro do Ja­pão com o Bra­sil tam­bém há es­pa­ço para tra­di­ções de ou­tros po­vos que for­mam a co­mu­ni­da­de ma­rin­ga­en­se

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL -

No mês de setembro em Ma­rin­gá ter ou não ter des­cen­dên­cia ja­po­ne­sa faz pou­ca di­fe­ren­ça. A ci­da­de in­tei­ra abra­ça o ver­me­lho e o bran­co para mais uma edi­ção do Fes­ti­val Ni­po Bra­si­lei­ro. É des­sa in­te­gra­ção ab­so­lu­ta com a co­mu­ni­da­de que nas­ce uma das mais im­por­tan­tes ca­rac­te­rís­ti­cas da festa: o en­con­tro en­tre pes­so­as de to­das as ida­des, des­cen­den­tes de vá­ri­os po­vos e apre­ci­a­do­res de to­das as ar­tes.

Os mo­ti­vos para não per­der um dia de pro­gra­ma­ção são mui­tos, a co­me­çar pe­lo mer­gu­lho na cul­tu­ra ja­po­ne­sa. O vi­si­tan­te se sen­te mais per­to do Ja­pão – des­de as ce­re­jei­ras de­co­ra­ti­vas nas bar­ra­cas gas­tronô­mi­cas até os pas­sos co­re­o­gra­fa­dos do bon-odo­ri e mat­su­ri dan­ce, que con­vi­dam to­dos a en­trar no com­pas­so da dan­ça, aju­dam na am­bi­en­ta­ção. É di­ver­são ga­ran­ti­da, in­de­pen­den­te da ida­de do vi­si­tan­te que pre­fe­re con­tem­plar as de­li­ca­das ike­ba­nas (ar­ran­jos flo­rais) ou dei­xar-se con­ta­gi­ar pe­la ani­ma­ção do mat­su­ri dan­ce.

O público que se aglo­me­ra ao re­dor do pal­co prin­ci­pal para as­sis­tir as apre­sen­ta­ções ar­tís­ti­cas se ren­de à be­le­za das dan­ças e das can­ções que emo­ci­o­nam até quem não com­pre­en­de o idi­o­ma. Ou­tros se dei­xam en­vol­ver pe­la in­ter­pre­ta­ção de gru­pos de J-rock e J-pop. “O Fes­ti­val Ni­po Bra­si­lei­ro da Ace­ma é uma festa que se es­ten­de para ou­tras cul­tu­ras, que tam­bém têm es­pa­ço nas apre­sen­ta­ções de gru­pos fol­cló­ri­cos, co­mo ale­mão e por­tu­guês. É o en­con­tro de to­dos os po­vos, é uma re­pre­sen­ta­ção de Ma­rin­gá”, afir­ma o pre­si­den­te da Ace­ma, Afonso Shi­o­za­ki.

Nos dez dias do fes­ti­val, pas­sa­rão pe­lo pal­co prin­ci­pal o mú­si­co De­ri­co (do pro­gra­ma do Jô); can­to­res da colô­nia co­mo Joe Hi­ra­ta, pra­ta da ca­sa; o má­gi­co ilu­si­o­nis­ta Karl­los Della Re; o Quin­te­to de Me­tais Unicesumar; o Co­ral da Co­pel; en­tre ou­tros. To­da es­sa mo­vi­men­ta­ção atrai vi­si­tan­tes de to­do o Bra­sil e, por cau­sa da in­te­gra­ção da co­mu­ni­da­de com a cul­tu­ra ja­po­ne­sa, hoje a Ace­ma con­quis­tou re­co­nhe­ci­men­to na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal.

Na ava­li­a­ção de Shi­o­za­ki o su­ces­so do even­to é uma res­pos­ta do em­pe­nho de to­dos os vo­lun­tá­ri­os, da po­pu­la­ção que faz ques­tão de pres­ti­gi­ar to­das as edi­ções, das em­pre­sas ex­po­si­to­ras (es­se ano se­rão mais de 70 es­tan­des) e do apoio do po­der público. Em sua 24ª edi­ção, o Ni­po é o se­gun­do mai­or even­to do ca­len­dá­rio mu­ni­ci­pal. “Te­mos um con­jun­to per­fei­to por­que a as­so­ci­a­ção é re­co­nhe­ci­da pe­la in­fra­es­tru­tu­ra, te­mos seis cam­pos de bei­se­bol e re­ce­be­mos cam­pe­o­na­tos de ora­tó­ria e can­to. Em con­tra­par­ti­da, o mu­ni­cí­pio con­ta com uma boa re­de ho­te­lei­ra, ae­ro­por­to e o apoio que pre­ci­sa­mos”.

Apren­der e se di­ver­tir

Um dos pon­tos al­tos do fes­ti­val é que to­dos os vi­si­tan­tes po­dem apren­der al­go no­vo. Se a mai­o­ria já co­nhe­ce e apre­cia a cu­li­ná­ria ori­en­tal, sem­pre é tem­po de des­co­brir a mú­si­ca. Para quem co­nhe­ce a his­tó­ria, ver e re­ver os shows tra­di­ci­o­nais é uma vi­a­gem no tem­po. Há quem quei­ra le­var para ca­sa um pou­co da se­re­ni­da­de e con­cen­tra­ção do po­vo ja­po­nês, uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de é ver de per­to os ike­ba­nas em to­das as su­as nu­an­ces, en­ten­der que ca­da com­po­si­ção é úni­ca e de uma de­li­ca­de­za ad­mi­rá­vel. Há tam­bém as de­li­ca­das do­bra­du­ras (ori­ga­mis) e as ce­râ­mi­cas.

Para co­nhe­cer um pou­co do Ja­pão atu­al e al­gu­mas de su­as fa­ce­tas, que tal os man­gás? As his­tó­ri­as em qua­dri­nhos com per­so­na­gens de olhos gran­des que mes­clam fan­ta­sia, dra­ma e aven­tu­ra re­tra­tam a vi­são de mun­do dos jo­vens da­que­le país e ar­re­ba­tam le­gião de fãs em to­do o mun­do. Um pre­sen­te e tan­to para quem gos­ta de man­gás é “to­par” com o man­ga­ka (de­se­nhis­ta de man­gá) pau­lis­ta Fá­bio Shin no fes­ti­val. Ele cos­tu­ma com­pa­re­cer e traz mui­to do seu co­nhe­ci­men­to para quem apre­ci­a­es­te uni­ver­so.

E o pa­vi­lhão cul­tu­ral re­ser­va ain­da cur­sos e no­vas atra­ções; es­te ano Ce­cí­lia Kohat­su, res­pon­sá­vel pe­las ex­po­si­ções, con­vi­da os vi­si­tan­tes a co­nhe­ce­rem as de­li­ca­das oshi­ba­nas, qua­dros fei­tos com flo­res se­cas em uma téc­ni­ca es­pe­ci­al que pre­ser­va as co­res ori­gi­nais das plan­tas. “Os in­te­res­sa­dos po­de­rão par­ti­ci­par de um workshop que os ex­po­si­to­res vão ofe­re­cer. É um tra­ba­lho ma­ra­vi­lho­so”, diz.

Nes­ta edi­ção, a pre­mi­a­da ci­ne­as­ta Ti­zu­ka Ya­ma­sa­ki está en­tre os con­vi­da­dos ilus­tres e de­ve mi­nis­trar uma pa­les­tra so­bre o seu úl­ti­mo fil­me, que ver­sa so­bre a imi­gra­ção ja­po­ne­sa no Bra­sil, o Gai­jin 2. A ci­ne­as­ta tra­rá um pre­sen­te, có­pi­as do fil­me que se­rão do­a­das para a pre­ser­va­ção e pro­mo­ção da cul­tu­ra ni­po-bra­si­lei­ra. E por fa­lar em re­gis­tro his­tó­ri­co, fo­tos do Ja­pão an­tes e de­pois do ter­re­mo­to e tsu­na­mi, que de­vas­ta­ram aque­le país há dois anos, tam­bé­mes­ta­rão­e­mex­po­si­ção. No al­mo­ço a entrada é fran­ca O in­gres­so é co­bra­do ape­nas a noi­te e cus­ta R$ 5 por pes­so­as. Os só­ci­os do clu­be com men­sa­li­da­des em dia são da ta­xa de in­gres­so. Es­te ano a entrada é fran­ca tam­bém a noi­te nos dia 8 e 10 Es­ta­ci­o­na­men­to é co­bra­do so­men­te a noi­te com pre­ço úni­co de R$ 10. Al­mo­ço aos sá­ba­dos e do­min­gos (7 e 8/9, 14 e 15/9 Jan­tar de 6/9 a 14/9

Walter Fer­nan­des/ace­ma

Pa­vi­lhão cul­tu­ral é pon­to de vi­si­ta­ção obri­ga­tó­ria. Além de con­fe­rir ex­po­si­ções, se­rá pos­sí­vel par­ti­ci­par de cur­sos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.