Intercâmbio cul­tu­ral é uma ex­pe­ri­ên­cia para a vi­da to­da

Jo­vem re­la­ta sua ex­pe­ri­ên­cia, im­pres­sões e li­ções da vi­a­gem ao Ja­pão. Pro­gra­ma de intercâmbio ma­rin­ga­en­se está com ins­cri­ções aber­tas para 2014

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL - Fernanda Ber­to­la

su­ple­men­tos@odi­a­rio.com Em ja­nei­ro de 2011, um grupo com­pos­to de três re­pre­sen­tan­tes da As­so­ci­a­ção Cul­tu­ral e Es­por­ti­va de Ma­rin­gá (Ace­ma) e seis jo­vens vi­si­ta­ram di­ver­sas ci­da­des do Ja­pão, por meio de um pro­gra­ma de intercâmbio que du­rou três se­ma­nas. Eles vi­si­ta­ram a ci­da­de ja­po­ne­sa co-ir­mã de Ma­rin­gá, Ka­ko­gawa, a ca­pi­tal Tó­quio, além de pas­sar dois dias no Ca­na­dá. Ca­ro­li­na Dias es­ta­va en­tre os jo­vens in­ter­cam­bis­tas. Ela fa­zia au­las de ja­po­nês há mais de qu­a­tro anos no Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos Ja­po­ne­ses (UEM) quan­do sur­giu a opor­tu­ni­da­de. “Mi­nha pro­fes­so­ra sa­bia do meu so­nho de ir para o Ja­pão e me in­di­cou para o intercâmbio das ci­da­des co-ir­mãs me­di­a­do pe­la Ace­ma. Co­mo ha­via pas­sa­do no ves­ti­bu­lar no meio de 2010, meus pais me pre­sen­te­a­ram com es­sa vi­a­gem”.

Ca­ro­li­na con­ta que uma das di­fe­ren­ças en­tre os paí­ses que mais lhe cha­ma­ram a aten­ção foi a lim­pe­za das ru­as e lo­cais pú­bli­cos ja­po­ne­ses. “Era di­fí­cil en­con­trar la­tas de li­xo. Fre­quen­te­men­te eu ti­nha que en­trar em al­gu­ma lo­ji­nha e pe­dir para o bal­co­nis­ta me em­pres­tar a la­ta de li­xo de­les. É es­pan­to­so co­mo não há ab­so­lu­ta­men­te na­da no chão. Nem chi­cle­te, nem ci­gar­ro - fu­mar em lo­cais pú­bli­cos, aliás, é proi­bi­do - nem um pa­pel de ba­la”, diz.

Ela des­ta­ca que os ja­po­ne­ses tam­bém são ex­tre­ma­men­te pon­tu­ais, tan­to que atra­sos (ra­rís­si­mos) de um mi­nu­to em trens ou me­trôs são no­ti­ci­a­dos com um pe­di­do de des­cul­pas en­fá­ti­co. Para Ca­ro­li­na, é di­fí­cil re­su­mir tu­do o que viu e apren­deu por lá, mas vol­tou bem im­pres­si­o­na­da com as es­co­las e uni­ver­si­da­des, que são gran­des, lim­pas, mo­der­nas e bem equi­pa­das.

Ca­ro­li­na re­la­ta que os ido­sos são mui­to bem cui­da­dos em asi­los com al­ta tec­no­lo­gia para ga­ran­tir o bem-es­tar, in­clu­si­ve da­que­les com di­fi­cul­da­des para se lo­co­mo­ver ou ou­tras li­mi­ta­ções. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca dos ja­po­ne­ses, des­ta­ca por ela, é que ge­ral­men­te es­cu­tam mais do que fa­lam, es­pe­ci­al­men­te as me­ni­nas mais jo­vens. “Con­vi­vi bas­tan­te com a mi­nha ho­mes­tay de 21 anos (na épo­ca) e acho que fui ta­ga­re­la de­mais. Mes­mo com al­guns des­li­zes, fui tra­ta­da com mui­to ca­ri­nho por to­dos, que en­ten­de­ram co­mo é di­fí­cil para um es­tran­gei­ro as­si­mi­lar tan­tas coi­sas em pou­co tem­po. Ou eram mui­to edu­ca­dos para di­zer o con­trá­rio”, brin­ca. A in­ter­cam­bis­ta tam­bém apro­vei­tou para pra­ti­car um pou­co a lín­gua, mas, co­mo era in­ci­an­te, se co­mu­ni­cou mais em in­glês.

Ape­sar de ter se des­lum­bra­do com vá­ri­as ca­rac­te­rís­ti­cas do país do sol nas­cen­te, Ca­ro­li­na con­ta que vi­a­jar para o Ja­pão a fez apre­ci­ar vá­ri­os as­pec­tos do Bra­sil. “O toque fí­si­co fre­quen­te e o com­por­ta­men­to ca­lo­ro­so en­tre as pes­so­as, o pre­ço bai­xo de fru­tas, ali­men­tos fres­cos e car­ne (re­la­ti­va­men­te), as ca­sas gran­des e/ou com quin­tais ex­ten­sos e a me­nor ocor­rên­cia de de­sas­tres na­tu­rais, tu­do isso são pri­vi­lé­gi­os de um país tro­pi­cal e ex­ten­so co­mo o Bra­sil”, diz.

Es­sa ex­pe­ri­ên­cia fez a es­tu­dan­te com­pre­en­der co­mo cul­tu­ras di­fe­ren­tes têm pon­tos po­si­ti­vos e ne­ga­ti­vos, e a co­nhe­cer um ou­tro mo­do de vi­da. “O mais im­por­tan­te é apren­der com as di­fe­ren­ças e lu­tar para pre­ser­var os há­bi­tos de ca­da po­vo. Ain­da que­ro pas­sar no pro­gra­ma Ci­ên­ci­as sem Fron­tei­ras e es­tu­dar na Uni­ver­si­da­de de Osa­ka, con­ti­nu­ar es­tu­dan­do ja­po­nês e pas­sar no exa­me Nouryou­kushi­ken N1 (ní­vel mais ele­va­do da pro­va de pro­fi­ci­ên­cia ja­po­ne­sa)”.

Arquivo pes­so­al

Ca­ro­li­na vi­si­tou um tem­plo na ilha de Miya­ji­ma, con­si­de­ra­da um dos três ce­ná­ri­os mais bo­ni­tos do Ja­pão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.